PUBLICIDADE
Topo

Instagram vai dificultar que adultos conversem e sigam adolescentes no app

Em alguns casos, adultos não conseguirão enviar mensagens para adolescentes - Arte UOL
Em alguns casos, adultos não conseguirão enviar mensagens para adolescentes Imagem: Arte UOL

Guilherme Tagiaroli

De Tilt, em São Paulo

16/03/2021 09h15

Todo mundo sabe que no Instagram há muita gente com menos de 18 anos, e a rede agora quer tornar a experiência na plataforma mais segura para este público. A partir desta terça-feira (16), ficará mais difícil para que adultos sigam e conversem com adolescentes no app.

De acordo com o Instagram, a ideia é "proteger adolescentes de contatos não solicitados com adultos da plataforma". Os recursos serão disponibilizados mundialmente aos poucos.

Na prática, o Instagram terá quatro mudanças principais no aplicativo dentro desse objetivo:

  • Adultos não conseguirão enviar mensagens para adolescentes, a menos que eles sejam seguidos pelos internautas com menos de 18 anos;

    Instagram não permitirá que adultos conversem com adolescentes, a menos que menor de idade siga a conta - Divulgação - Divulgação
    Instagram não permitirá que adultos conversem com adolescentes, a menos que menor de idade siga a conta
    Imagem: Divulgação
  • Adolescentes vão aparecer menos na aba de "usuários sugeridos" em contas de adultos. Além disso, os adultos terão acesso a menos conteúdos desse público mais jovem nos Reels, na aba Explorar e em comentários públicos feitos por eles;
  • Adolescentes receberão uma notificação quando adultos, mesmo que conhecidos, apresentem comportamento suspeito (como envio massivo de mensagens). Os jovens poderão bloquear, reportar ou restringir o contato com a pessoa maior de idade;

    Caso adulto e adolescente já tenham tido algum contato, Instagram mostrará notificação de segurança se adulto apresentar comportamento suspeito - Divulgação - Divulgação
    Caso adulto e adolescente já tenham tido algum contato, Instagram mostrará notificação de segurança se adulto apresentar comportamento suspeito
    Imagem: Divulgação
  • Ao criar uma conta, adolescentes serão encorajados a manter a conta privada. A ideia é que esse público, antes de ter uma conta pública, entenda as diferenças de configurações e acesso de cada uma das opções. É uma forma de conscientizar, de acordo com as novas regras.

O Instagram não dá detalhes sobre o número de usuários menores de idade na plataforma. Porém, a participação de adolescentes nas redes sociais é bem grande no Brasil, como mostra a versão mais recente da TIC Kids, levantamento que estuda a presença das crianças na rede.

No estudo, feito em 2019, 78% dos internautas com idades entre 13 a 14 anos usavam redes sociais; a porcentagem era maior ainda na faixa entre 15 e 17 anos: 91%. Portanto, medidas que tenham relação com este público são bem importantes.

A ação do Instagram é uma continuação de outras medidas já implementadas. "Em 2019, fizemos o compromisso de criar mais recursos voltado para o público mais jovem. Então, passamos a entender como é a experiência dos adolescentes no Instagram", disse Vaishnavi J, head de segurança do Instagram, em conversa exclusiva com Tilt.

Na época, a rede passou a exigir que as pessoas inserissem suas idades. A regra é que não é permitido pessoas com menos de 13 anos na rede social. Sabendo que muita gente tenta trapacear, o Instagram diz que está desenvolvendo sistemas de inteligência artificial para manter os adolescentes em segurança.

O curioso dos novos recursos é que eles dão poder aos adolescentes, e não criam sistemas de controle parental, como outras redes sociais. Isso, segundo Vaishanvi, foi feito de propósito. "Acreditamos que se a criança tiver uma experiência online limitada, quando ela se tornar adulta, não tem ideia de como navegar nessa internet livre", explicou.

A decisão da empresa tem relação com uma análise feita pela ConnectSafely.org, uma instituição americana que se dedica a educar crianças sobre segurança e privacidade na rede. "Exigir que os adolescentes —e não os adultos— estabeleçam suas conexões ajuda a empoderá-los e a protegê-los. Isso os coloca no 'banco do motorista' e dá a eles mais controle sobre as experiências deles no Instagram", disse Larry Magid, executivo-chefe da ConnectSafely.org, em comunicado.

Apesar dessa "autonomia" dos adolescentes, o Instagram diz que barra conteúdos inapropriados e segue diretrizes de recomendação que também valem para o Facebook. Basicamente, ambos proíbem conteúdos com pornografia e violência, entre outros. Além disso, a plataforma oferece materiais voltados para a família para a melhor compreensão das ferramentas e recursos de segurança.