PUBLICIDADE
Topo

Falha elétrica pode ter incendiado casa de Paolla Oliveira; como evitar

Paolla, que está passando temporada em sítio, teve casa no RJ parcialmente destruída por incêndio - Reprodução/Instagram
Paolla, que está passando temporada em sítio, teve casa no RJ parcialmente destruída por incêndio Imagem: Reprodução/Instagram

Thiago Varella

Colaboração para Tilt

15/03/2021 12h34

Uma falha elétrica pode ter sido a causa de um incêndio em parte da casa da atriz Paolla Oliveira, no Rio de Janeiro. No fim de semana, a artista compartilhou na internet fotos do local e tranquilizou os fãs diante do susto.

Paolla está passando uma temporada em um sítio e não estava na casa no momento do fogo. Em seu recado em uma rede social, a atriz afirmou que está tudo bem e que vai "reconstruir a casa e a vida".

Infelizmente, o risco de incêndio provocado por falha elétrica em residências não é baixo. Segundo a Abracopel (Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade), somente em 2020 a maior parte incêndios por sobrecarga de energia no país ocorreu em casas, apartamentos ou residências rurais (54%).

Ao todo, foram 312 ocorrências das 583 registradas no ano passado. Os incêndios causaram 26 mortes, sendo 12 de crianças entre 0 e 5 anos. Os dados fazem parte do Anuário Estatístico 2021 da associação, que será lançado na próxima sexta-feira (19).

De acordo com o levantamento, a instalação elétrica das residências é a maior causa dos incêndios (186 ocorrências), seguida pelo ventilador ou ar-condicionado (99 casos), eletrodoméstico ou eletroeletrônico (48 casos) e carregador de celular (17).

A região Sudeste, onde fica a casa da Paolla Oliveira, lidera o ranking de incêndios após sobrecarga de energia, com 181 ocorrências. A região Sul é a segunda colocada, com 140 registros. A região Nordeste contabilizou 114 casos.

O estado de São Paulo foi o campeão desse tipo de ocorrência em 2020, com 93 registros, seguido pelo Paraná com 63 e pelo Rio Grande do Sul com 49.

A Abracopel alerta que acidentes com sobrecarga de energia elétrica podem ser evitados com medidas simples se segurança, como não usar vários eletrônicos na mesma tomada, com atenção redobrada para os adaptadores, principalmente com equipamentos que utilizam muita energia como micro-ondas, freezer e secadores.

Além disso, a associação recomenda fazer uma vistoria na instalação elétrica de casa a cada cinco anos, sempre com um profissional qualificado.

A atriz Paolla Oliveira fez um apelo a seus seguidos: "Prestem atenção às instalações de eletricidade e possíveis focos de incêndio em suas casas e estabelecimentos. A vida tem batido forte em dizer que não conseguimos controlar as adversidades e suas provações. O que nos resta é sermos resilientes e firmes pra seguir da melhor maneira possível", escreveu.

Em reportagem de Tilt de março do ano passado, Edson Martinho, engenheiro eletricista e diretor executivo da Abracopel, alertou que os dados divulgados anualmente são uma parcela dos acidentes no Brasil. Por isso, é preciso tomar cuidado sempre.

"As instalações elétricas no Brasil são caóticas, falta projeto elétrico, temos os aventureiros [que fazem as instalações sem a devida segurança]", afirmou o engenheiro eletricista.

"Ter informações ainda é bem difícil. Estamos conseguindo ter mais dados e isso é importante para informar as pessoas. Mas não sei se teremos um dia o número real. Tem muitos acidentes que somem no meio do caminho", explicou.

Cuidados para evitar sobrecargas de energia:

Evite o uso excessivo de adaptadores e extensões: lembra da gambiarra elétrica com vários benjamins? Isso deve parar. Vários aparelhos ligados em um único adaptador de tomada e/ou filtro de linha também não é recomendado pelos especialistas. O risco de sobrecarga aumenta e até incêndios podem ocorrer.

Rede elétrica da casa em dia: é fundamental que a rede elétrica da sua casa tenha manutenção preventiva e seja avaliada por um especialista. Se ela é muito antiga e você nunca pensou nisso, procure logo um profissional de segurança para dar uma checada.

Já ouviu falar em DR? É o dispositivo de diferencial-residual. O nome é complicado, mas ele funciona como um interruptor que impede que correntes elétricas não detectadas pelo disjuntor continuem no sistema de energia. Ele é obrigatório há anos. Aproveite a visita do profissional que vai verificar a sua rede elétrica e peça para verificar se o DR está em dia.

Não ao carregador de celular falso: Muitos aparelhos de segunda linha são vendidos a preços muito baixos no mercado, o que agrada o nosso bolso. Mas eles não têm as devidas certificações e garantias de segurança. Ele pode fornecer mais energia do que o necessário para o carregamento do celular, segundo os especialistas.

Atenção ao cabo: o uso de um cabo original é sempre a melhor escolha. Mesmo assim, antes de conectá-lo na tomada é importante ver se ele não está danificado, se a fiação interna não está exposta. Se tiver, está na hora de comprar um cabo novo e não usar o antigo.

Celular e água não combinam: a água (não pura) e eletrônicos não combinam. Ela funciona como um ótimo condutor de eletricidade. Evite usar o celular em ambientes com vapor de água, como no banheiro. Além da oxidação de componentes do telefone, o risco de curto-circuito, choque e incêndios após o contato com a água é real.

* Com informações de reportagem publicada no dia 09/01/2020.