PUBLICIDADE
Topo

Foi tirado de mim, diz ganhadora do "The Wall" após Instagram apagar perfil

Giovanna Fiori, 29, fundadora do Deixe Vivo e o namorado, Diego Lima, 29, durante participação no The Wall, na Globo - Reprodução
Giovanna Fiori, 29, fundadora do Deixe Vivo e o namorado, Diego Lima, 29, durante participação no The Wall, na Globo Imagem: Reprodução

Gabriel Toueg

Colaboração para Tilt

05/03/2021 04h00

Sem tempo, irmão

  • Fundadora do Deixe Vivo, Giovanna Fiori venceu o jogo no Caldeirão do Huck
  • Logo após, ela viu a conta do projeto social no Instagram ser apagada
  • A participação no programa da Globo resultou na criação de contas fake
  • Algumas delas pediam dinheiro fazendo uso de vaquinhas online
  • Instagram afirma que atua para coibir perfis falsos na rede

O que era para ser um momento de comemoração virou tristeza e pesadelo. Logo depois de ter conquistado quase R$ 310 mil no quadro de perguntas "The Wall", do programa Caldeirão do Huck, para o seu projeto de doação de órgãos Deixe Vivo, Giovanna Fiori, 29, viu o Instagram suspender "por engano" o perfil da iniciativa na plataforma.

A sua participação, que foi ao ar no sábado de Carnaval, seria uma grande oportunidade para dar visibilidade ao projeto Deixe Vivo, conta a criadora de conteúdo paulistana. O perfil foi criado no Instagram para incentivar a cultura de doação de órgãos e narrar as suas aventuras, como Giovanna descreve, de uma transplantada renal. O problema, no entanto, é que a visibilidade do projeto resultou também em uma enxurrada de contas fake se passando pela causa, inclusive publicando falsas vaquinhas online.

Giovanna conta que, logo após o programa gravado passar na TV, ela fez uma transmissão ao vivo pelo Instagram para os cerca de 15,5 mil seguidores, quase 70% deles obtidos durante a exibição. Cerca de uma hora depois, ela descobriu ao entrar no aplicativo que a sua conta havia sido desconectada. A dor de cabeça estava apenas começando.

"Foi um momento com o qual sempre sonhei, de o projeto ter visibilidade, mas isso foi tirado de mim sem que eu tivesse nem tempo de curtir", afirmou.

A Tilt, o Instagram assumiu que a conta do projeto Deixe Vivo foi suspensa da plataforma por engano. Sem detalhar muito, ela informou que o bloqueio ocorreu diante da detecção de potenciais fraudes envolvendo a iniciativa. Uma investigação interna por suspeita de phishing foi aberta. "Cometemos um erro e pedimos desculpas. A conta foi restaurada", informou um porta-voz do Facebook, dono do Instagram, cerca de 10 dias depois do ocorrido.

Até então, a suspeita era de que a conta de Giovanna havia sido hackeada.

A reportagem apurou que outros participantes do quadro na TV Globo também tiveram problemas com suas contas na rede social. A exposição de projetos sociais, tão necessária para dar visibilidade, acaba fazendo com que as iniciativas se tornem alvos para golpes.

Enxurrada de contas falsas

Segundo Giovanna, na véspera do programa passar na TV, dois perfis fakes haviam sido criados usando o nome do projeto. Possivelmente, foram cadastrados no Instagram após a divulgação da participação da jovem no quadro. Ela denunciou na plataforma e eles foram removidos.

Durante a exibição do programa, na tarde do sábado, pelo menos mais 10 perfis com o nome do projeto surgiram, alguns inclusive pediram dinheiro se fazendo passar pelo Deixe Vivo. Um dos perfis fakes, segundo ela, tinha mais de 15 mil seguidores.

O Instagram não informou se a remoção por engano da conta oficial de Giovanna tem alguma relação com essas contas falsas.

A empresa afirmou monitorar constantemente o surgimento desse tipo de perfil. "Fingir ser outra pessoa, marca ou entidade no Instagram viola nossas Diretrizes da Comunidade, e temos uma equipe dedicada para detectar e bloquear esses tipos de golpe", disse um porta-voz do Facebook.

Doação de órgãos salvou a vida de Giovanna

Giovanna posa para foto um dia depois do transplante - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Giovanna posa para foto um dia depois do transplante
Imagem: Arquivo pessoal

Giovanna nasceu com uma insuficiência renal que se tornou crônica. Aos 25 anos, ela perdeu completamente a função dos rins. A partir disso, passou a fazer hemodiálise e entrou, em 2017, na lista de espera por um transplante. "Havia mais de 27 mil pessoas na fila, metade delas por transplante renal", lembra.

Segundo a ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos), mais de 40 mil pessoas estão na fila única do país. Cerca de 6,5 mil transplantes, em média, são feitos por ano no Brasil. A jovem ganhou um novo rim em maio de 2019. Durante a sua recuperação, decidiu criar o projeto Deixe Vivo.

"Senti que precisava fazer alguma coisa, comecei no Instagram a falar sobre o assunto, contar a minha história, muita gente se conectava", afirma. "[Agora] Viajo para falar do assunto em hospitais e empresas, organizo eventos online com transplantados, com pessoas que têm doenças crônicas."

Desde março de 2018, o projeto mantém uma loja de camisetas, customizadas por Giovanna e sua mãe, para gerar conscientização sobre o assunto. "O Brasil é referência para outros países quando se fala em transplante de órgãos. Mas isso precisa ser uma cultura, precisa estar intrínseco na sociedade, nas escolas", destaca.

O que fazer diante de contas falsas?

Assim como agiu Giovanna, ao descobrir uma conta falsa, a recomendação é denunciar o caso imediatamente à rede social. Caso a pessoa tenha uma conta do Instagram, é possível relatar o caso pelo próprio aplicativo ou preenchendo um formulário disponível no site.

Para denunciar pelo app:

  • Toque em "..." na parte superior direita do perfil
  • Toque em Denunciar
  • Selecione "O conteúdo é inadequado" e, depois, "Denunciar conta"
  • Selecione a opção "Está fingindo ser outra pessoa"
  • Indique se a conta falsa está fingindo ser você, uma pessoa conhecida ou uma celebridade/figura pública.
  • No caso de perfis verificados, você pode indicar qual o perfil legítimo que a conta falsa está fingindo ser.
  • Ao denunciar uma conta, suas informações não serão compartilhadas com a conta cuja publicação ou perfil você está denunciando.

Caso não tenha uma conta, a pessoa pode denunciar preenchendo outro formulário, também disponível na Central de Ajuda.

Como evitar ser hackeado no Instagram

O Facebook tem um manual para usuários que tiverem a conta hackeada. Embora não tenha sido o que aconteceu com o perfil do projeto de Giovanna, o alerta é sempre válido.

Se há suspeita de tentativa de golpe phishing e o usuário ainda consegue fazer login na conta, a orientação é mudar a senha e ativar a autenticação de dois fatores, que torna os perfis mais seguros e difíceis de invadir.

O Instagram também recomenda tomar outras ações, como verificar se o número de celular e o email, nas configurações, estão corretos; remover contas relacionadas que o usuário não reconhece; e revogar o acesso a qualquer aplicativo de terceiros que pareça suspeito.

O manual ainda ensina o que fazer no caso de o usuário não ter mais acesso à conta ou se o perfil estiver publicando conteúdo que o usuário não reconheça.