PUBLICIDADE
Topo

YouTube testa filtros para pais limitarem o que filhos mais velhos assistem

Getty Images
Imagem: Getty Images

Marcella Duarte

Colaboração para Tilt

24/02/2021 11h08

O YouTube acaba de anunciar que vai oferecer um novo recurso para pais e responsáveis que querem ter mais controle sobre o que suas crianças e adolescentes assistem. A novidade pode até ser considerada uma espécie de rito de passagem, transição em etapas da versão Kids (exclusiva para os pequenos) para a plataforma principal.

O recurso, ainda está na versão de testes, será lançado em mais de 80 países — o Brasil é um deles.

Crianças e adolescentes de até 13 anos (no Brasil e Estados Unidos, esta idade limite é diferente em cada país) poderão ter uma conta supervisionada no serviço de vídeos, com três configurações especiais de transição.

Como configurar

Para configurá-lo, a criança/adolescente deve ter uma conta Google monitorada — o passo a passo para criação está aqui. Esse tipo de conta dá acesso aos produtos da empresa, como Gmail, que deve ser gerenciada pelos pais e responsáveis, através do app Family Link.

Usando esse email para logar no YouTube, serão oferecidas três configurações de conteúdo personalizadas para os responsáveis escolherem, além de proteções para o bem-estar digital e privacidade, ferramentas de controle parental e limitação de funções.

YouTube novos recursos versão teste para controle de pais - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

É sempre bom lembrar que o YouTube "comum" é uma plataforma para maiores de 13 anos. A empresa ressalta que "essa solução foi desenvolvida para atender as necessidades das crianças mais velhas, mas o YouTube ainda recomenda o YouTube Kids para as crianças mais novas".

As novas configurações são:

  • Explorar: Para crianças pequenas, mas que já estão prontas para sair do YouTube Kids e conhecer outros tipos de conteúdo, destaca a empresa. Nele, é oferecido uma variedade maior de vídeos voltados para crianças com idade a partir dos nove anos. Inclui vlogs, tutoriais, vídeos de jogos, clipes de músicas, notícias e conteúdo educacional.
  • Descobrir vídeos novos: Inclui conteúdo para usuários a partir dos 13 anos. O adolescente terá acesso a uma variedade maior de vídeos, além de transmissões ao vivo, nas mesmas categorias da opção "Explorar".
  • Maior parte do YouTube: Essa é a última etapa de transição. Inclui quase todos os vídeos da plataforma padrão, exceto conteúdo com restrição de idade. Também engloba assuntos sensíveis, adequados apenas para adolescentes mais velhos.

Além de escolher a configuração de conteúdo mais adequada, a família poderá gerenciar os históricos de pesquisa e de exibição nas contas monitoradas e usar outros controles oferecidos pelo Family Link, incluindo os timers de tela.

De acordo com o YouTube, publicidade e anúncios personalizados não serão exibidos em determinadas categorias. As compras no aplicativo e os recursos de criação e comentários também serão desativados.

A experiência vai evoluir com o tempo, usando informações enviadas pelos usuários, aprendizado de máquina e revisão humana, para determinar quais vídeos serão incluídos ou excluídos, informou o YouTube. "Sabemos que cada família tem um estilo diferente de criar os filhos e que cada criança é única e alcança diferentes fases de desenvolvimento em momentos distintos."

Como já comentado, o YouTube recomenda que a plataforma "comum" seja usada a partir dos 13 anos. Porém, afirma ter recebido feedback de famílias e de crianças mais velhas argumentando que adolescentes e pré-adolescentes procuram coisas diferentes, e que as necessidades desses usuários não estavam sendo inteiramente atendidas pelos produtos da empresa.

Por isso, ela tem adotado opções para que pais e responsáveis tenham mais controle sobre o acesso de menores de idades à plataforma. As duras críticas (e processos) que a empresa vem sofrendo também sobre a falta segurança e privacidade de crianças e adolescentes certamente impactam a oferta de novos recursos e políticas de uso.

O YouTube Kids também vai ganhar novas ferramentas nos próximos meses, como a aguardada opção de selecionar vídeos e canais da plataforma principal para serem exibidos na versão para crianças.

A empresa recomenda que, mesmo com os novos recursos, a família continue orientando e incentivando a experiência das crianças e adolescentes. Para ajudar nessa tarefa, o projeto Seja Incrível na Internet do Google, tem guias, jogos e outros conteúdos voltados à segurança digital dos menores. Também será lançada uma campanha com criadores de conteúdo para discutir temas como bullying, assédio, desinformação e bem-estar digital.

Nos últimos anos, o YouTube foi alvo de crítica por não oferecer controles o suficiente para o acesso de crianças - nos EUA, a companhia foi até multada por usar informações de menores para direcionar publicidade. Como resposta, a plataforma criou o Kids, uma versão do app com conteúdo infantil e sem propagandas. Então, esta nova medida para pré-adolescentes é uma forma de tornar os pais mais conscientes do que os filhos podem ou não do serviço.