PUBLICIDADE
Topo

Qual é a tecnologia por trás do wi-fi 6 que o torna mais veloz e seguro?

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Rodrigo Lara

Colaboração para Tilt

11/02/2021 04h00

Tecnologia de internet sem fio ainda recente, o Wi-Fi 6 (ou 802.11ax) promete superar em tudo o padrão anterior, o Wi-Fi 5 (802.11ac), atualmente o mais usado pelo público. Em resumo, o 6 vai oferecer mais velocidade, menor latência, mais estabilidade e mais segurança que seu antecessor.

O IEEE (Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos), que é quem gerencia esse e outros termos técnicos relacionados à eletrônica, determinou que códigos complicados que dão nome aos padrões wi-fi, como "802.11ax" e "802.11ac", deveriam ser deixados de lado para dar lugar a termos mais simples. É por isso que o atual padrão ganhou o nome de Wi-Fi 6, enquanto o anterior ficou como Wi-Fi 5, e assim por diante.

Mais do que uma revolução —como o uso de componentes inovadores etc.—, o que faz o Wi-Fi 6 brilhar são duas sopas de letrinhas: MU-MIMO e OFDMA.

Começando pelo primeiro, o MU-MIMO é uma sigla para "multi-user, multiple input, multiple output", ou "múltiplos usuários, múltiplas entradas, múltiplas saídas" em tradução livre. É uma tecnologia que permite a um roteador se conectar com vários aparelhos ao mesmo tempo sem criar uma "fila" de requisições (isto é, de pedidos de troca de dados), mas transmitindo informações para um eletrônico por vez.

Isso já existe nos roteadores Wi-Fi 5, mas a capacidade de comunicação simultânea do Wi-Fi 6 é o dobro da tecnologia anterior: em vez de suportar a transmissão de dados ao mesmo tempo para quatro aparelhos, o novo padrão fará isso para até oito simultaneamente.

Já o OFDMA, que é a "orthogonal frequency division multiple access" (ou "acesso múltiplo por divisão ortogonal de frequência", em tradução livre), permite que o mesmo fluxo de dados ocorra para vários aparelhos de uma vez.

A velocidade de internet também melhora porque os roteadores que trabalham com este modelo permitem um fluxo de informações otimizado para cada aparelho.

Além disso, há outros dois pontos que merecem atenção. O primeiro deles, chamado de "Target Wake Time", economiza a bateria de eletrônicos ao criar uma espécie de agenda pré-programada de conexão. Isso pode ser especialmente útil para aparelhos relacionados à automação residencial, já que celulares ou notebooks tendem a manter uma conexão constante. Mas estes últimos também podem aproveitar essa função.

Por fim, o Wi-Fi 6 tem ainda o WPA3, que é um novo protocolo de segurança que pode evitar acessos indesejados de hackers e bloquear tentativas de quebra de senha.

O quão mais rápido é o Wi-Fi 6 em relação ao padrão anterior?

Considerando velocidade máxima em uma conexão de 5 GHz, o Wi-Fi 6 permitiria um fluxo de 9,6 Gbps, o que, em tese, seria muito superior aos 3,5 Gbps do Wi-Fi 5.

Mas essa velocidade é muito superior à usada em condições de "mundo real". Essa capacidade adicional, no entanto, faz com que a conexão de muitos aparelhos seja possível sem haver perda de velocidade sensível nem situações de "gargalo".

Qualquer aparelho pode se aproveitar do Wi-Fi 6?

Na verdade, não. Um aparelho Wi-Fi 5 ou inferior pode se conectar a um roteador Wi-Fi 6, mas todos os benefícios oferecidos pelo 6 só podem ser aproveitados por aparelhos que, de fato, sejam certificados para a tecnologia.

O Wi-Fi 6 vai sair mais caro para o consumidor?

Por ser uma tecnologia nova, é natural que roteadores com suporte ao Wi-Fi 6 sejam mais caros no momento. Da mesma forma, ainda há poucos aparelhos como smartphones e notebooks que se aproveitam da tecnologia. Por se tratar apenas de um protocolo de tráfego de dados, ele funciona independentemente do plano de internet que você tenha em casa.

Fontes:

Vivaldo José Breternitz, professor da Faculdade de Ciência e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie
Angelo Sebastião Zanini, coordenador do curso de Engenharia de Computação do Instituto Mauá de Tecnologia
Marcelo Parada, professor do departamento de Engenharia Elétrica da FEI

Toda quinta, Tilt mostra que há tecnologia por trás de (quase) tudo que nos rodeia. Tem dúvida de algum objeto? Mande para a gente que vamos investigar.