PUBLICIDADE
Topo

Protesto na sede do Twitter nos EUA contou só com uma apoiadora de Trump

Polícia monta barricadas antes de um protesto marcado na frente da sede do Twitter em San Francisco (EUA) - Josh Edelson/AFP
Polícia monta barricadas antes de um protesto marcado na frente da sede do Twitter em San Francisco (EUA) Imagem: Josh Edelson/AFP

De Tilt, em São Paulo

12/01/2021 13h21

Apenas uma apoiadora do presidente Donald Trump compareceu a um protesto marcado na internet para acontecer na frente da sede do Twitter em San Francisco (EUA) na tarde de segunda-feira (11). Por precaução, equipes policiais estiveram no local e montaram barricadas antecipando-se a uma possível reação parecida à invasão de trumpistas ao Capitólio americano na semana passada.

A manifestante solitária chamava-se Rebecca Brooks, natural de San Francisco. Segurando um cartaz escrito "Fuck Jack Dorsey" ("F***-se Jack Dorsey", executivo-chefe do Twitter), ela disse à rádio KCBS que "odeia a censura" e sente que "vozes conservadoras estão sendo silenciadas". Além dela, outros dois contra-manifestantes apareceram, com cartazes pedindo o impeachment de Trump.

O protesto foi marcado, segundo o site SFist, no TheDonald.win, um dos fóruns de extrema-direita criados depois que o Reddit baniu o subreddit r/The_Donald na sexta-feira (8).

Segundo Dan Noyes, jornalista do canal ABC 7, havia mais polícia no local do que manifestantes —-o site The Verge contou 30 policiais. Além disso, o prédio estava vazio porque os funcionários do Twitter estão trabalhando em casa para evitar a propagação de covid-19.

Empresas de internet estão promovendo uma forte reação ao protesto de eleitores de Donald Trump ao Capitólio; além de ter temporariamente ou permanentemente bloqueado perfis de Trump —como foi no caso do Twitter, Facebook, Twitch, Reddit e outros— as companhias Apple, Google e Amazon retiraram do ar o Parler, rede social sem moderação de conteúdo que estava abrigando políticos e pessoas de extrema direita. O site diz que vai processar a Amazon por ter sido banida do serviço de nuvem da gigante de tecnologia.

Rebecca Brooks e Kenneth Lundgreen, manifestantes pró e anti-Trump, foram protestar na frente da sede do Twitter em San Francisco (EUA) - Reprdução/Facebook David Glenn Swor e Stephen Lam/Reuters - Reprdução/Facebook David Glenn Swor e Stephen Lam/Reuters
Rebecca Brooks e Kenneth Lundgreen, manifestantes pró e anti-Trump, foram protestar na frente da sede do Twitter em San Francisco (EUA)
Imagem: Reprdução/Facebook David Glenn Swor e Stephen Lam/Reuters