PUBLICIDADE
Topo

Sabia que o mofo pode destruir seus eletrônicos? Veja como evitá-lo

iStock
Imagem: iStock

Rodrigo Lara

Colaboração para Tilt

03/01/2021 04h00

Se você mora em regiões úmidas, é bem provável que tenha encontrado mofo em roupas ou em um eletrônico que ficou sem uso por algum tempo. Nesse último caso, você pode acabar com um problemão, já que aparelhos eletrônicos com mofo interno podem estar com os dias contados.

A culpa não é apenas no fungo, mas sim do contexto necessário para o seu desenvolvimento. A temperatura e a possível umidade no interior dos eletrônicos podem contribuir para o surgimento do mofo. Essa combinação pode interferir no funcionamento dos circuitos e promover a corrosão das peças, ainda que em escala nanométrica.

Mas um eletrônico com mofo nem sempre está condenado. Tudo depende do nível de contaminação; se houve corrosão de componentes substituíveis ou se afetou partes que não têm conserto.

Caso você detecte mofo em um aparelho, o melhor é não tentar ligá-lo e procurar um especialista. O procedimento envolve não apenas a limpeza do interior do eletrônico —algo simples que pode ser feito com um pano e álcool isopropílico— mas também uma avaliação e possível substituição das peças.

A boa notícia é que a chance do mofo se proliferar é menor em aparelhos mais recentes, já que os fabricantes têm adotado soluções de design para diminuir a influência da umidade e de outros agentes externos.

"A escolha de um local arejado e sem umidade certamente contribui para reduzir o problema. "Deixar produtos desumidificadores por perto também é uma boa opção", diz Valdir Melero Junior, professor de Engenharia Eletrônica do Instituto Mauá de Tecnologia.

Fungo oportunista

O mofo, que também é conhecido por bolor, é um tipo de fungo pluricelular que se espalha por aí por meio de esporos, que "passeiam" pelo ar.

Eles são capazes de transformar quase tudo em nutrientes e são pouco sensíveis a altas concentrações de sal ou açúcar —geralmente usados como conservantes de alimentos—, mas geralmente precisam de alguma fonte de água para ficarem vivos. "Bolores costumam 'sugar' os nutrientes do ambiente e não são exigentes quanto a isso", explica Laura de Freitas, doutora em Biociências e Biotecnologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

A baixa exigência por nutrientes é o principal motivo pelo qual o mofo é capaz de se sobreviver em lugares sem comida, como o interior de eletrônicos. Como a umidade e o calor facilitam sua proliferação, a melhor forma de evitar isso é tornar o ambiente mais seco e frio.

No caso dos alimentos, isso envolve guardá-los preferencialmente na geladeira. Já no caso de outros objetos, o melhor é garantir que eles fiquem em local seco.

"Uma boa opção, especialmente para armários, é usar aqueles produtos feitos à base de sílica, que absorvem a umidade. Isso é especialmente útil se a pessoa mora em locais úmidos, como próximo de vegetação e corpos d'água e deve evitar problemas com bolor", diz Ana Bonassa, bióloga e doutora em ciências pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).