PUBLICIDADE
Topo

Bibelô espacial: empresas vendem a Nasa poeira da Lua a partir de US$ 1

Reprodução/NASA
Imagem: Reprodução/NASA

Nicole D'Almeida

Colaboração para Tilt

04/12/2020 16h02

A Nasa, agência espacial norte-americana, deu mais um passo nessa quinta-feira (3) em seus planos de exploração da Lua. Ela fechou contratos com quatro empresas para a coleta de amostras lunares por preços considerados bem baixos.

Os valores da poeira da Lua começam em US$ 1 (R$ 5,13 na cotação atual) e podem chegar a US$ 15 mil (R$ 77 mil). Os acordos dão um pontapé inicial na futura extração, venda e uso de recursos espaciais pelo setor privado.

A Nasa assinou contrato com as seguintes empresas:

  • Lunar Outpost of Golden, do Colorado, por US$ 1;
  • Ispace Japan, de Tokyo, por US$ 5.000 (R$ 26 mil);
  • Ispace Europe, de Luxembourg, por US$ 5.000;
  • Masten Space Systems of Mojave, da Califórnia, por US$ 15.000.

As companhias devem coletar uma pequena quantidade de solo lunar, conhecido como regolito, e enviar o material para a Nasa. Dessa forma, as amostras coletadas se tornarão propriedade exclusiva da agência espacial dentro do programa Artemis. As coletas estão programadas para acontecer durante missões à Lua realizadas pelas quatro empresas em 2022 e 2023.

"Acho incrível que possamos comprar regolito [camada que cobre rocha] lunar de quatro empresas por um total de US$ 25.001", disse Phil McAlister, diretor da divisão de voo espacial comercial da Nasa.

A Nasa afirmou em comunicado que a iniciativa garantirá que as operações da Artemis possam ser conduzidas com "segurança e sustentabilidade para o estabelecimento da exploração lunar humana".

"Achamos que é muito importante estabelecer o precedente que as entidades do setor privado podem extrair esses recursos, mas a Nasa pode comprá-los e usá-los para alimentar não apenas as atividades da Nasa, mas toda uma nova era dinâmica de desenvolvimento e exploração públicos e privados na Lua", disse Mike Gold, administrador associado da agência espacial para relações internacionais e interagências, segundo o site Science Alert.

Para Gold, o aprendizado com as experiências na Lua é importante porque as futuras missões humanas em Marte serão "ainda mais exigentes e desafiadoras do que nossas operações lunares".

Programa Artemis

Dentro do Programa Artemis, a Nasa tentará levar um homem e uma mulher para a Lua até 2024 para uma exploração inovadora e sustentável do solo lunar.

A ideia é estabelecer a presença humana permanente no satélite em 2028. Além disso, o programa deve impulsionar empresas a construir uma economia lunar, explorando atividades como mineração e turismo.

Em outro objetivo mais amplo, a ideia é manter uma estação espacial orbitando a Lua. Seria uma preparação para o próximo grande salto da humanidade: enviar astronautas a Marte.