PUBLICIDADE
Topo

Veja imagens do exato momento em que sonda da Nasa tocou o asteroide Bennu

Mirthyani Bezerra

Colaboração para Tilt

22/10/2020 12h34

A Nasa divulgou um vídeo de oito segundos que mostra o momento exato em que a sonda Osiris-Rex tocou a superfície do asteroide Bennu para coletar amostras do solo. As imagens mostram o campo de visão das câmeras acopladas à sonda e foram feitas a mais de 321 milhões de quilômetros de distância da Terra.

O evento, batizado de Touch-and-Go (ou apenas Tag), foi ponto alto da missão da Osiris-Rex. Ela foi realizada em uma zona chamada Nightingale, dentro de uma cratera do tamanho de uma quadra esportiva, com bordas altas como prédios. O toque durou apenas seis segundos, segundo a Nasa.

No quadro inferior do vídeo é possível ver o braço da espaçonave, chamado de mecanismo de aquisição de amostras Touch-And-Go (ou a sigla em inglês Tagsam). A parte redonda ligada a esse braço (ou "cabeça") é a única da Osiris-Rex que entrou em contato com a superfície do asteroide.

Após o contato inicial, o vídeo mostra a "cabeça" da sonda esmagando algumas das rochas porosas da região de Nightingale. Um segundo depois, é possível ver a "poeira" gerada pelo disparo de uma garrafa de nitrogênio pressurizado contra o asteroide. A "cabeça" da Osiris-Rex também contém pequenos discos aderentes, como adesivos, para coletar essa poeira extra.

A equipe ainda precisa analisar os dados para confirmar se a amostra é viável —com pelo menos 60 gramas, até dois quilos— o que deve ser medido até sábado.

O bate e volta

Este tipo de coleta requer uma manobra desafiadora e inédita. Foi a primeira vez que a Nasa retirou um pedaço de um asteroide em movimento.

O procedimento inteiro levou cerca de quatro horas e meia. Primeiro, a sonda acionou seus motores para sair de sua órbita ao redor do Bennu, chegou perto o bastante para esticar seu braço e tocá-lo. Seus painéis solares se dobraram em um formato de Y, acima da nave, para proteção.

Depois da coleta, os motores foram acionados novamente para levar a sonda de volta a uma distância segura.

Se a coleta tiver sido bem-sucedida, a Osiris-Rex iniciará sua longa viagem de volta à Terra nos próximos meses, chegando por aqui em 2023. Se não, uma nova tentativa será realizada em janeiro, em outro ponto, chamado Osprey.

O asteroide do apocalipse

O Bennu é um asteroide ativo que, eventualmente, poderá se chocar com nosso planeta. Com 525 metros de diâmetro, é uma espécie de "pilha de entulho": rochas agrupadas e mantidas juntas pela força da gravidade.

Ele foi escolhido para a missão devido a semelhanças com outros asteroides e cometas potencialmente perigosos, chamados "Near-Earth Objects" (NEOs), ou objetos próximos à Terra. Ele também é atrativo para exploração humana, rico em moléculas orgânicas e água —que até poderia ser minerada.

Com o estudo da amostra, poderemos conhecer mais não apenas sobre o Bennu, mas sobre a formação dos planetas e do surgimento da vida. A história do Sistema Solar contida em uma pedra de bilhões de anos de idade.

A sonda Osiris-Rex foi lançada em setembro de 2016 e entrou na órbita de Bennu em dezembro de 2018. Desde então, tem registrado diversos dados e imagens do asteroide.