PUBLICIDADE
Topo

Perfeita? Fizeram máscara anticovid que filtra, não aperta e é reutilizável

Máscara de prevenção a covid do Instituto de Tecnologia da Georgia - Christopher Moore, Georgia Tech/Divulgação
Máscara de prevenção a covid do Instituto de Tecnologia da Georgia Imagem: Christopher Moore, Georgia Tech/Divulgação

Gabriel Joppert

Colaboração para Tilt

14/09/2020 17h14

Sem tempo, irmão

  • Pesquisadores desenham um máscara em duas partes, que prioriza conforto e proteção
  • Máscara filtra partículas e se ajusta ao rosto, além de ser lavável
  • Projetos da máscara serão disponibilizados para que ela possa ser refeita

O uso da máscara é obrigatório na maioria dos espaços coletivos no Brasil durante a pandemia de coronavírus. Mas nem sempre encontramos uma que seja confortável, que fique bem fixa no rosto ou que tenha a filtragem necessária para nos proteger. Mas parece que os pesquisadores Sundaresan Jayaraman e Sungmee Park, do Instituto de Tecnologia da Georgia, nos EUA, conseguiram essa façanha.

Isso porque a máscara deles não só filtra o ar como, segundo eles, se ajusta perfeitamente ao rosto. Além disso, ela é reutilizável e lavável —após 20 lavagens, o protótipo não encolheu e nem perdeu a forma. O produto foi divulgado no site The Journal of The Textile Institute, voltado à indústria têxtil.

"A filtragem eficiente por si só não é o bastante", explicou Jayaraman no site do Instituto de Tecnologia da Georgia. "A combinação de ajuste, eficiência na filtragem e ficar fixa no lugar correto é o que faz uma boa máscara."

A máscara é composta por duas partes. O design combina barreiras de tecido para a filtragem de partículas (com espaço para acrescentar um filtro extra se desejado) a uma parte elástica usada para ajustar a máscara e mantê-la no lugar. Os tecidos utilizados na filtragem são sintéticos, pois absorvem menos umidade do que tecidos naturais como o algodão.

Uma das descobertas da pesquisa, após testarem vários tecidos, foi de que um alto número de camadas dificulta a respiração e não necessariamente oferece uma melhor filtragem. A máscara nova busca equilibrar proteção e conforto permitindo que o usuário respire e se comunique confortavelmente.

Os protótipos usam um fecho colchete, tipo um fecho de sutiã, na parte de trás da cabeça. Desta forma, a máscara não fica frouxa e nem cai do rosto. Isso aumenta a segurança e eficiência: o usuário não tem que manusear o acessório constantemente, o que evita contaminar a si ou a máscara.

O ajuste bem preso da máscara também resolve um dos principais defeitos de máscaras de tecido, que é o vazamento de ar pelas bordas. O escape de ar impede a filtragem adequada, pois permite que partículas entrem e saiam do espaço da máscara, potencialmente colocando você ou as pessoas ao redor em risco de contaminação.

O vazamento de ar pode causar outros efeitos desagradáveis, tipo deixar seus óculos embaçados, coisa que acaba desestimulando o uso da máscara.

Desenvolvendo a máscara ideal

"As máscaras se tornaram um acessório essencial no nosso guarda-roupas, e há uma dimensão social sobre como nos sentimos quando usamos elas", explica Park. "Integrar forma e função é a chave para termos uma máscara que proteja as pessoas mas também faça com que eles se sintam bem e confortáveis consigo mesmas", complementa Jayaraman.

Os professores Jayaraman e Park não são novatos no assunto —há cerca de dez anos, quando houve a crise da gripe aviária, eles também estudaram máscaras e tecnologias de filtragem, e desenvolveram recomendações para melhor proteção respiratória.

Para desenvolver os protótipos, eles compararam máscaras médicas e máscaras de tecido para entender seus principais defeitos. A partir disso, pesquisaram as qualidades essenciais de uma máscara, e chegaram à conclusão de que eram a filtragem, o ajuste ao rosto, o posicionamento e a fixação.

A partir daí, testaram vários tecidos, observando a qualidade da filtragem e o ajuste. Depois disso, os protótipos foram testados por usuários em situações do cotidiano. Perceberam que as máscaras desenvolvidas atendiam a todos os critérios levantados durante a pesquisa e, portanto, podem trazer inovações úteis na proteção contra o coronavírus.

Jayaraman e Park disponibilizarão as especificações e padrões da máscara para o público e fabricantes poderem replicá-las. "Fizemos uma abordagem cientificamente embasada para desenhar uma máscara melhor, estamos muito empolgados para divulgar isso para que as pessoas possam usá-la para proteger a si mesmos e aos outros", explicou Jayaraman.