PUBLICIDADE
Topo

Qual a origem da Lua? Quantidade de metal do satélite pode trazer resposta

Lua cheia em São Paulo - MarcosMartinezSanchez/Getty Images/iStockphoto
Lua cheia em São Paulo Imagem: MarcosMartinezSanchez/Getty Images/iStockphoto

Mirthyani Bezerra

Colaboração para o Tilt

03/07/2020 16h02

Sem tempo, irmão

  • Lua tem mais metais do que eles estudos anteriores constataram
  • Até hoje cientistas acreditam que Lua se formou como resultado de uma colisão
  • Parte do nosso planeta teria se desprendido dando origem ao satélite
  • Se a Lua tivesse se desprendido da Terra, seria relativamente pobre em metais

Cientistas descobriram que a Lua tem mais metais do que estudos anteriores constataram ao longo dos anos. A descoberta de depósitos de metal nas crateras lunares pode colocar em xeque as hipóteses mais aceitas sobre como o nosso satélite natural se formou.

Os resultados das análises de dados sobre o tema coletados pelo Mini-RF (radiofrequência em miniatura, em inglês), instrumento a bordo da espaçonave LRO (sigla em inglês para Orbitador de Reconhecimento Lunar) da Nasa, e foram publicadas na quarta-feira (1º) na "Earth and Planetary Science Letters".

Por que é tão importante comparar as duas superfícies? A resposta está na hipótese mais aceita sobre a formação do satélite natural. Até hoje cientistas acreditam que a Lua se formou como resultado de uma colisão entre um protoplaneta do tamanho de Marte e a jovem Terra. Parte do nosso planeta teria se desprendido, dando origem ao satélite.

Por isso, a composição química da Lua se assemelha à da Terra —embora a crosta do nosso planeta possua menos óxido de ferro do que a Lua, algo que os cientistas têm tentado explicar por algum tempo.

A quantidade de metal que a Lua retém em comparação com a Terra é uma das principais pistas que os astrônomos têm para tentar descobrir como nosso satélite se formou.

No entanto, o fato de a nova pesquisa mostrar que há mais material metálico acumulado logo abaixo da superfície lunar torna essa hipótese sem sentido. Afinal, se a Lua tivesse se desprendido da crosta terrestre ela seria também relativamente pobre em metais.

Essa discrepância intrigou os cientistas, levando a inúmeras perguntas e hipóteses sobre o quanto o protoplaneta pode ter contribuído para essas diferenças.

"Este empolgante resultado mostra que, mesmo após 11 anos de operação na Lua, ainda estamos fazendo novas descobertas sobre a história antiga de nosso vizinho mais próximo", disse Noah Petro, cientista do projeto LRO no Centro de Vôo Espacial Goddard da Nasa.

Segundo ele, os dados valiosos lançam luz sobre o que estava acontecendo lá em cima há mais de 4,5 bilhões de anos.