PUBLICIDADE
Topo

Metal no micro-ondas explode? Não é bem assim, mas há risco de danos

Micro-ondas exige alguns cuidados em relação a metais - Getty Images
Micro-ondas exige alguns cuidados em relação a metais Imagem: Getty Images

Rodrigo Lara

Colaboração para Tilt

24/05/2020 04h00

Sem tempo, irmão

  • Colocar metal com alimento no micro-ondas requer alguns cuidados
  • Recentemente, ator Robert Pattinson colocou fogo em utensílio doméstico
  • Perigo tem a ver com ondas sendo refletidas dentro do aparelho
  • Existem alguns "jeitinhos" para se utilizar metal no micro-ondas

Há alguns dias a gente viu que o ator Robert Pattinson, astro de 'Crepúsculo' e que assumirá o papel de Batman no próximo longa do morcegão, quase causou um acidente ao tentar cozinhar no micro-ondas. Ao cobrir a comida com papel alumínio, Pattinson infringiu o primeiro mandamento do uso do eletrodoméstico: "não colocarás qualquer tipo de metal dentro do aparelho".

Mas por que pode ser perigoso colocar o forno de micro-ondas para funcionar com metal em seu interior? E será que isso vale para qualquer objeto metálico?

Refletindo ondas

Bem, a gente já explicou aqui como funciona um micro-ondas e você provavelmente já sabe que o que um micro-ondas faz, de forma bem básica, é emitir ondas eletromagnéticas que agitam as moléculas de água, gordura ou açúcar da substância que está dentro dele, fazendo com que ele se aqueça.

Quando ligamos o aparelho com comida dentro, boa parte das ondas eletromagnéticas são absorvidas pelos alimentos. O restante reflete nas paredes de metal e no vidro do aparelho - que possui uma camada metálica - e reincide novamente sobre o alimento, reforçando o seu aquecimento.

Mas quando é um metal que está dentro do forno, a história é outra. "Dependendo do metal e das suas dimensões físicas o efeito é diferente, mas geralmente parte delas é refletida, outra parte absorvida e transformada em calor e o restante atravessa o objeto", diz Renato Giacomini, coordenador do departamento de Engenharia Elétrica do Centro Universitário FEI.

Quanto maior a condutividade do metal, melhor ele irá refletir as micro-ondas e o resultado disso é um show pirotécnico involuntário. "Se colocarmos um objeto grande metálico como um talher, ele vai interagir com as ondas e é possível que saiam faíscas do talher para as paredes laterais", complementa Giacomini.

O problema aqui é que os principais tipos de metal que encontramos em um objeto de cozinha, como o alumínio e o ferro (que compõe a maior parte dos utensílios de aço) são bons condutores de eletricidade. Daí a orientação para não levá-los ao micro-ondas.

O que pode acontecer?

A imagem mental que formamos de micro-ondas com um metal soltando faíscas em seu interior é a de que ele pode explodir a qualquer momento. Bem, na verdade essa seria uma consequência extrema e pouco provável.

"A pior situação seria avariar a tela frontal [do vidro] e provocar vazamentos de radiação, que poderiam causar queimaduras no operador. Essa hipótese é remota, porque há normas de segurança que são seguidas pelos fabricantes, mas pode ocorrer se a operação incorreta persistir", diz Giacomini.

Por outro lado, quem tenderia a sofrer mais seria o próprio aparelho. "Uma possível consequência seria a queima do magnetron [o componente que emite as micro-ondas] e o eventual comprometimento do transformador que o alimenta com energia elétrica em baixa e alta tensão", explica Eduardo Pouzada, professor de Engenharia Eletrônica do Instituto Mauá de Tecnologia.

Aqui é importante notar que, em um funcionamento normal, os alimentos dentro do forno não absorvem totalmente as micro-ondas e parte delas volta para o magnetron. Mas quando ligamos o forno sem nada dentro (outra coisa que não é recomendada) ou deixamos um objeto de metal, o magnetron acaba sendo bombardeado de maneira muito mais intensa.

Por fim, outro possível dano seria no acabamento interno do aparelho, uma vez que as faíscas poderiam deixar marcas.

Embalagens "mágicas"?

Há, contudo, algumas embalagens metálicas que podem ser usadas dentro do aparelho de micro-ondas. Seria isso algum tipo de mágica?

Na verdade, não: em geral, são embalagens de alumínio com paredes finas e não muito altas. Além disso, elas só podem ser usadas se tiverem alimentos preenchendo boa parte do interior.

"A sacada aqui é basicamente o formato da embalagem e o seu posicionamento dentro do forno. O primeiro é elaborado para se obter uma área superficial relativamente pequena comparada ao restante do forno, cuidando também para que o alimento em seu interior receba adequadamente a energia eletromagnética. O segundo cuidado é o de não aproximar excessivamente superfícies metálicas entre si. O prato giratório é essencial e o afastamento da embalagem metálica das paredes do forno também", diz Pouzada.

De qualquer maneira, o alimento precisa estar exposto o suficiente para absorver as micro-ondas. Algumas embalagens de produtos congelados, inclusive, utilizam metal em seu interior de maneira a direcionar as micro-ondas e potencializar o efeito na parte central dos alimentos, evitando aquela típica situação onde tudo que está nas bordas dos recipientes fica ressecado enquanto o meio continua frio.

Mas se usar metal dentro do micro-ondas não é exatamente um tabu, o que será que aconteceu no caso do Robert Pattinson? É difícil saber exatamente, mas como ele diz que cobriu a receita com papel alumínio, é bastante provável que não houve meios do alimento absorver as micro-ondas. Outra hipótese é que o recipiente não ficou centralizado no micro-ondas e o alumínio ficou muito próximo das paredes.

De qualquer maneira, a recomendação é simples: não use utensílios metálicos "comuns" dentro do micro-ondas e, caso vá utilizar embalagens de metal criadas para irem dentro do aparelho, se assegure de que seguirá à risca todas as instruções de uso.