PUBLICIDADE
Topo

Perigo: testes da covid-19 e supostos remédios são vendidos na dark web

Reprodução
Imagem: Reprodução

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt

11/05/2020 17h37

Encontrar testes para a covid-19 é uma tarefa difícil até mesmo para hospitais e profissionais de saúde. Além da escassez, muitos desses testes não possuem a eficácia comprovada. Mas, muitos deles estão lá na dark web, versão anônima da internet acessada por softwares específicos.

De acordo com um levantamento realizado pelo site Futurism, é possível encontrar testes supostamente fabricados na Alemanha sendo vendidos por US$ 42,25 (R$ 246,47 na cotação atual).

A dark web está na chamada "parte invisível" da internet. São páginas inacessíveis aos motores de busca que frequentemente oferecem atividades ilegais, como compra de drogas, armas, malware (programas de computador maliciosos, como vírus) e até serviços de assassinos profissionais. Para acessar esses sites é necessário programas como o TOR Browser.

Podemos ir lá comprar?

Apesar de ser tentador comprar a testagem, Ellie Fiss, médico pneumologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e professor da Faculdade de Medicina do ABC afirma não ser recomendável.

"O grande perigo é que a chance de ter um falso negativo é muito grande. Além disso, com um teste de má qualidade você pode ter um falso positivo. Sei que tem muito teste sendo vendido por aí e todos na bula vem com 95% de sensibilidade, mas, os que acompanhei, a testagem não chegou a isso, fica entre 60% ou 70%", afirma.

Para Evaldo Stanislau, médico infectologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, um dos grandes problemas do falso negativo ou do falso positivo é a pessoa achar que está imune à doença.

"Quem compra esses testes quer uma informação: se já teve contato com o vírus e, por isso, estaria imune. Mas muitos desses testes dão falso negativo e falso positivo, ou seja, pode dar muitos erros. A informação que a pessoa vai ter não vai ajudar", diz.

De acordo com Stanislau, um erro na avaliação pode fazer com que a pessoa quebre o isolamento e espalhe ainda mais a doença. "Isso é um desrespeito, porque se ela achar que está imune e quebrar as barreiras sanitárias, ela pode contrair a doença e levar para outras pessoas de seu convívio", completa.

Testes da covid-19 e supostos remédios são vendidos na dark web - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Duvide das "curas"

Além dos testes, algumas pessoas ainda buscam medicamentos que supostamente tratariam a doença, como a hidroxicloroquina. A eficácia desses medicamentos no tratamento não foi comprovada pela ciência, e muitas farmácias não têm a medicação no estoque. Mas na dark web, estão à venda.

Segundo o site Daily Beast, a hidroxiclorquina é o produto relacionado ao coronavírus mais ofertado na internet "oculta". Usada no combate de lúpus e artrite reumatoide, foi defendida pelos presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Donald Trump, para combater a covid-19, mesmo sem comprovação da comunidade médica.

Um levantamento do Futurism mostra inúmeros fornecedores vendendo caixas de hidroxicloroquina de 200 mg. A maioria das ofertas fica por US$ 194 (R$ 1.132,72). Mas, não é possível saber o laboratório nem a quantidade de comprimidos.

Uma pesquisa rápida nos buscadores web tradicionais mostra a caixa de hidroxicloroquina de 200 mg com 20 comprimidos sendo vendida entre R$ 40 a R$ 80 nas farmácias brasileiras.

"Não vejo sentido de ter uma corrida no mercado paralelo de hidroxicloroquina. Tem protocolos em análise, o último que saiu foi um estudo americano que mostrou que não tinha diferença usar ou não usar. Não é a medicação que saiu para a cura", afirmou Ellie Fiss.

Stanislau ressalta os riscos de comprar um medicamento falsificado na dark web. "Nesse caso, mais do que perder o dinheiro, você corre inúmeros riscos de efeitos colaterais, como um problema cardíaco. Isso é um absurdo, um crime sanitário", finalizou.