PUBLICIDADE
Topo

Startup aposta em nanobolhas naturais para limpar água e esgoto no país

Jill Wellington/ Pixabay
Imagem: Jill Wellington/ Pixabay

Pedro Katchborian

Colaboração para Tilt

26/04/2020 04h00

Cerca de 83,3% da população brasileira tinha acesso à água limpa em 2016, segundo dados do Instituto Trata Brasil. Em relação ao esgoto, apenas 45% era tratado. Startups como a NanoTech Brasil estão buscando soluções para e melhorar esses números. Ao utilizar uma tecnologia com nanobolhas em um processo sem químicos, a empresa é capaz de limpar a água em até 99,9%.

A NanoTech Brasil vende soluções ecológicas nas mais variadas frentes. Além do tratamento de água e esgoto (tecnologia NanoBOT) a empresa oferece soluções como desinfecção de ar e superfícies (NanoPure). O amplo leque de produtos permite que a startup possa atuar com segmentos bem diferentes entre si, como em bebidas funcionais, cosméticos e agricultura.

A nanotecnologia pode parecer vir direto de um filme como "Minority Report", mas a explicação do NanoBOT, tecnologia da NanoTech para tratar água, não é tão complexa assim: o grande diferencial é que o processo é 100% natural e sem produtos químicos. E, quando falamos de água, quanto mais natural, melhor.

Ao usar nanobolhas (bolhas de ar com nanômetros de diâmetro) para infundir oxigênio e ozônio na água, são criados grandes volumes de radicais hidroxila —um poderoso desinfetante que pode destruir bactérias, toxinas e microorganismos. Por ser um processo natural, não há nenhum tipo de mudança química na água.

Atuação no Brasil

Fundada nos Estados Unidos há cerca de três anos, a NanoTech chegou ao Brasil em 2018. Decidiu-se, então, formar uma subsidiária para realizar projetos locais e facilitar parcerias com outros grupos.

Por aqui, a empresa já foi finalista do PitchSabesp, competição para resolver desafios sugeridos pela concessionária. Além disso, também foi acelerada pelo FiemgLab e, mais recentemente, foi contemplada na Aceleradora 100+, programa de aceleração da Ambev. Em 2019, a empresa faturou US$ 500 mil (cerca de R$ 2,7 milhões) somente em solo americano.

A NanoTech enxerga o Brasil como um mercado estratégico. Tanto que a subsidiária brasileira é a única autorizada a realizar pesquisas e gerar sua própria propriedade intelectual na adaptação dos equipamentos para as demandas locais e o desenvolvimento de novos produtos.

A startup acredita que as parcerias podem ajudar a empresa a ampliar ainda mais a sua atuação. Por exemplo, com o vínculo criado com a Sabesp, a NanoTech pode demonstrar a eficácia dos equipamentos no tratamento de água e esgoto em condições específicas do mercado brasileiro. Já com a Ambev, a startup pode testar os equipamentos em áreas de interesse da cervejaria.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS