PUBLICIDADE
Topo

Influenciadora de SP morre aos 16; entenda boato que negava a morte dela

A influenciadora digital Dai Ayumi, de 16 anos, que morreu em Osasco, São Paulo - Acervo pessoal
A influenciadora digital Dai Ayumi, de 16 anos, que morreu em Osasco, São Paulo Imagem: Acervo pessoal

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt

17/04/2020 12h02

Resumo da notícia

  • Influenciadora de SP Dai Ayumi morreu no dia 8 de abril
  • Atestado de óbito traz a causa da morte como "indeterminada"
  • Jovem teria sido levada a hospital de Osasco após fortes dores de cabeça
  • Após morte, fãs começaram a publicar nas redes sociais que ela estaria viva

A influenciadora digital Daiany Ayumi Hiraga, 16 anos, conhecida como Dai Ayumi, morreu no dia 8 de abril, deixando mais de 900 mil seguidores no Instagram —a conta já ultrapassa um milhão após a publicação deste texto. Nesta semana, muitos fãs da blogueira começaram a duvidar da história no Twitter, afirmando ter visto vídeos e fotos dela no dia da morte. Mas, a família confirmou o óbito.

Com a repercussão, a família de Dai precisou desmentir os boatos. "A Dayani gostava de viver essa vida de Instagram, estava vivendo um sonho. Quando aconteceu, achamos que ia ser uma morte como em todas as famílias normais. Não imaginávamos essa repercussão em algo tão doloroso. Nós seríamos os primeiros a querer que ela estivesse viva", afirmou Bruna Lee, tia da influenciadora, a Tilt.

Bruna chegou a postar o atestado de óbito da sobrinha nas redes sociais para confirmar a morte, mas a atitude levou a mais teorias da conspiração, já que o documento, além de ter alguns erros de português, trazia a causa da morte como "indeterminado (portaria - SS32 - covid-19)".

A família diz que sequer percebeu os erros na certidão quando receberem o documento. "Nem reparamos nessas coisas escritas errado. Minha irmã mandou o corpo para um crematório em Piracicaba, e veio 'Piracibaca', erraram na hora de digitar. Isso não significa que é falso", disse.

Ao programa "Cidade Alerta", da TV Record, o cartório que registrou a certidão afirmou que corrigiu o erro de digitação da palavra Piracicaba e pediu um ajuste no sistema, que grafou "supultamento" no lugar de sepultamento.

Sobre a causa da morte, Bruna disse que a sobrinha fez diversos exames, quando foi levada ao hospital, e todos deram negativo: droga, gravidez e coronavírus.

Ao Tilt, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo disse que esclareceu o preenchimento da certidão de óbito diretamente à mãe da jovem nesta quinta-feira (16). O campo é preenchido com "indeterminado (portaria - SS32 - Covid-19)", porque este é um procedimento adotado após resolução que entrou em vigor em 20 de março, que aponta que "em situação de pandemia, quaisquer corpos podem ser considerados de risco para contaminação e difusão do vírus".

Dores de cabeça

Apesar de não ter o diagnóstico concreto da causa da morte, a família suspeita que tem a ver com um problema neurológico que desenvolveu uma hidrocefalia.

"No ano novo, ela [Dai] foi para casa de minha mãe, na Praia Grande. Naquele dia, começou a reclamar de pequenas dores de cabeça. Minha mãe dava remédio e passava. Quando chegou março, ficou tão insuportável que ela não conseguia nem falar e nem andar", relata Bruna. Após a piora, Dai foi levada ao hospital, onde realizou diversos exames.

Após os resultados, a jovem foi encaminhada para casa, mas seu estado de saúde piorou. "Quando ela voltou para casa, teve um colapso de dor muito grande, como se fosse um derrame, e ficou paralisada em cima da cama, virando apenas os olhos. A família percebeu que era muito grave", contou.

Com a piora, Dai voltou ao hospital. "Ela estava com um líquido no cérebro, e os médicos não sabiam explicar como isso aconteceu. Decidiram fazer uma cirurgia cerebral para ver se encontravam algo". Após alguns dias internada, a menina morreu.

Mensagens de Dai

Alguns usuários do Twitter têm compartilhado supostas conversas de Dai Ayumi, após o relato da morte, em que ela diz estar viva. Sobre as mensagens, a tia da influenciadora lamenta: "A gente tenta esquecer, e as pessoas não deixam, fazendo piadinhas maldosas", disse. "Vamos manter o respeito, parar de brincar com morte, porque não é brincadeira, o sentimento é real."

A tia afirma ter imagens de Dai doente, mas não vai divulgar as fotos apenas para confirmar a doença da sobrinha para algumas pessoas.

"Não acho justo termos de mostrar essas fotos para provar. São imagens fortes, nem parece ela. Depois da cirurgia ela ficou muito mais magra, com a cabeça raspada. Não gosto nem de lembrar", finaliza.