PUBLICIDADE
Topo

Reino Unido estuda app que avisa quem esteve perto de alguém com covid-19

Foto: iStock/ Chainarong Praserttha
Imagem: Foto: iStock/ Chainarong Praserttha

Do UOL, em São Paulo

31/03/2020 22h48

O Sistema Nacional de Saúde do Reino Unido está estudando o lançamento de um aplicativo que alerta às pessoas se elas estiveram recentemente em contato com alguém cujo resultado do teste de coronavírus foi positivo. Trata-se de uma tecnologia de rastreamento.

Um estudo publicado pela revista Science propôs um modelo que vem sendo considerado pelo governo. Eles sugerem que o aplicativo registre os dados de localização das pessoas à medida que elas se movimentam diariamente.

Se uma pessoa começa a se sentir doente, é sugerido que ela use o aplicativo para solicitar um teste em casa. E se o resultado for positivo para covid-19, um sinal instantâneo será enviado a todos que estiveram em contato próximo com ela nos últimos dias.

Essas pessoas seriam aconselhadas a se isolarem por duas semanas, mas não saberiam quem havia acionado o aviso.

Além disso, o local de trabalho da pessoa que está doente e os motoristas que a transportaram nos últimos dias podem ser instruídos a realizar uma limpeza de descontaminação.

Para incentivar que a ferramenta seja utilizada, uma vez que o seu uso seria voluntário, sugere-se que o aplicativo também atue como um centro de serviços de saúde relacionados ao coronavírus e possa ser usado para solicitar entregas de alimentos e medicamentos.

Os pesquisadores observam que softwares semelhantes para smartphones já foram implantados na China — e os usuários só podiam entrar em espaços públicos ou em transporte público se tivessem o app instalado.

O Reino Unido está se preparando para lançar seu próprio aplicativo de rastreamento de contatos e o artigo reforça o papel vital ele poderia desempenhar.

Apesar de não ter sido lançado, já existem muitos pontos sendo questionados: um deles é a disponibilidade de testes, uma vez que eles não estão sendo destinados para pessoas com sintomas leves; o segundo é a privacidade dos dados, já que a população poderia não se sentir segura o suficiente para utilizá-lo.