PUBLICIDADE
Topo

Seus posts no Facebook podem indicar quando você irá ao hospital

Estúdio Rebimboca/UOL
Imagem: Estúdio Rebimboca/UOL

Thiago Varella

Colaboração para Tilt

15/03/2020 04h00

As pessoas tendem a mudar a maneira como escrevem seus posts no Facebook antes de uma visita ao hospital. Em vez de usar palavras relacionadas ao lazer, como 'diversão', ou gírias e uma linguagem mais informal, com o uso de 'vc' em vez de você, as postagens apresentam um vocabulário mais formal, até mesmo com descrição de dor física, entre outras mudanças.

Isso é o que revela um estudo feito por pesquisadores da Faculdade de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia e do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Stony Brook, ambas nos Estados Unidos. A pesquisa foi publicada na quinta (12) na revista Nature Scientific Reports.

As redes sociais podem mostrar sinais de sofrimento médico, por exemplo. À medida que os pacientes se aproximam de una eventual visita ao pronto-socorro, os pesquisadores descobriram que as postagens no Facebook discutiam cada vez mais a família e a saúde, em uma linguagem mais ansiosa, preocupada e deprimida.

"Quanto melhor entendermos o contexto em que as pessoas estão buscando atendimento, melhor elas poderão ser atendidas", afirmou Sharath Chandra Guntuku, pesquisadora do Centro de Saúde Digital da Penn Medicine e uma das autoras do estudo.

A pesquisa foi feita da seguinte maneira: 2.915 pacientes foram recrutados em um hospital e todos concordaram em compartilhar seus posts no Facebook e seus registros médicos. Desses, 419 haviam visitado um pronto-socorro recentemente. As postagens de dois meses e meio antes da data da visita de emergência dos pacientes foram analisadas por meio de um algoritmo que processava a linguagem para encontrar mudanças ao longo do tempo.

No fim, os pesquisadores constataram que a maioria dos pacientes sofreu uma mudança significativa na linguagem antes de ir para o pronto-socorro. Antes da visita, os pacientes eram menos propensos a postar sobre lazer (sem usar palavras como "brincar", "diversão" e "cochilo") ou usar gírias da internet e linguagem informal (como usar "vc" em vez de "você") .

O autor do estudo, H. Andrew Schwartz, PhD, professor assistente de Ciência da Computação na Stony Brook University e colaborador do Centro de Medicina Digital para Saúde Digital da Penn, disse que a diminuição da linguagem informal "parece andar de mãos dadas" com um aumento da linguagem relacionada à ansiedade.

"Parece que ficamos mais graves e sérios quando não estamos bem", disse Guntuku. "Quando a saúde está em baixa, a necessidade de pertencimento aumenta e aparece no que se publica nas mídias sociais".

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS