PUBLICIDADE
Topo

Cientistas criam cobra-robô para usar no resgate em local de difícil acesso

Cobra-robô pode chegar a locais de difícil acesso - Divulgação/ Universidade Johns Hopkins
Cobra-robô pode chegar a locais de difícil acesso Imagem: Divulgação/ Universidade Johns Hopkins

Thiago Varella

Colaboração para Tilt

23/02/2020 04h00

A cobra, esse bichinho que bota medo em muita gente, se tornou uma grande fonte de inspiração para a ciência e a tecnologia. O animal ajudou cientistas a criar um robô que pode ser muito útil em catástrofes.

Cientistas da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, desenvolveram uma cobra-robô para trabalhar em serviços de busca e de resgate em terrenos inacessíveis em caso de catástrofes como, por exemplo, terremotos. O estudo foi publicado na revista Royal Society Open Science.

Inicialmente, os cientistas observaram como as cobras se moviam e usaram essa informação para criar um robô que consegue escalar degraus com agilidade.

Ao contrário de outras pesquisas que só levavam em conta a movimentação das cobras em terrenos planos, o estudo do professor Chen Li, da Johns Hopkins, analisou como a chamada "kingsnake" escalava os degraus do laboratório.

Os cientistas verificaram que as cobras dividiam seus corpos em três partes. As partes da frente e de trás se contorciam nos degraus como uma onda, enquanto a seção do meio permanecia rígida.

As partes que se contorciam proporcionam estabilidade e impedem que a cobra tombe. Quanto mais a cobra chegava ao degrau, mais a parte da frente do corpo se alongava enquanto a traseira ficava mais curta.

A cobra-robô da Johns Hopkins é estável e rápida, atingindo velocidades de um animal real.

No entanto, o único problema é que o sistema que mantém o robô estável em grandes degraus faz com que ele consuma muita energia elétrica. Tomara que consigam resolver isso e liberar a cobrinha para ajudar nos resgates. Veja abaixo como ela funciona.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS