PUBLICIDADE
Topo

Hackers mudam ataque em "sequestro" de PC: agora pedem nudes para liberá-lo

Arte UOL
Imagem: Arte UOL

Vinícius de Oliveira

Colaboração para Tilt

20/02/2020 04h00

Sem tempo, irmão

  • Tática encripta arquivos de computador e impede acesso
  • Acesso é restabelecido após a vítima enviar fotos íntimas
  • Principais vítimas do ransomware são mulheres
  • Empresa lançou ferramenta grátis para ajudar vítimas a desencriptar os arquivos

Um novo tipo de esquema de crime digital está causando muita dor de cabeça para mulheres do mundo inteiro. Alguns devem ter ouvido falar do ransomware, que é usado para "sequestrar" arquivos do seu computador, com criptografia que impede acesso a eles. Normalmente, para "libertá-los" dos hackers, é preciso pagar um resgate em bitcoin ou alguma outra moeda virtual. Mas desta vez, a moeda de troca é outra: nudes.

A empresa de segurança Emsisoft confirmou que uma variação do vírus está pedindo fotos íntimas das vítimas. O malware exibe uma mensagem pedindo que sejam mandadas fotos dos seios das donas dos aparelhos para um endereço de email e assim recuperar o acesso aos arquivos.

"Esta versão do malware foi criada como uma pegadinha, mas isso não a torna menos problemática para aquelas mulheres que possam vir a ser atingidas por ela", afirmou o analista Brett Callow, da Emsisoft, em entrevista ao site da revista especializada Fast Company.

Para combater essa ameaça, a empresa lançou uma ferramenta de decodificação grátis que ajuda a desencriptar os arquivos infectados pelo malware. Assim, as vítimas não terão a necessidade de realizar qualquer tipo de pagamento para acessar os arquivos.

Esta não é a primeira vez que um malware solicita nudes como moeda de troca. Em 2017, a empresa de segurança digital Kaspersky também revelou a existência de um outro tipo de ransomware que pedia fotos explícitas para liberar o acesso aos computadores infectados.

Outros casos comuns são os de golpistas que usam aplicativos de paqueras para conseguir fotos íntimas e, depois, ameaçam as vítimas para não vazarem as imagens.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Segurança