PUBLICIDADE
Topo

Mais rápido e sustentável, avião elétrico da Rolls-Royce chega em junho

Avião elétrico desenvolvido pela Rolls-Royce - Divulgação
Avião elétrico desenvolvido pela Rolls-Royce Imagem: Divulgação

João Paulo Carvalho

Colaboração para Tilt, em Madri

17/02/2020 04h00

Sem tempo, irmão

  • Avião é 100% elétrico e pode ser recarregado com energia solar ou turbina de energia eólica
  • A velocidade da aeronave é 20% menor que a média dos aviões convencionais
  • Modelo é relativamente pequeno e tem capacidade para apenas um passageiro
  • Os aviões convencionais correspondem a 2% da emissão mundial de carbono

O avião elétrico mais rápido do mundo deve estar nos céus até o final de junho. Pelo menos essa é a expectativa da Rolls-Royce, que encabeça o projeto. A ideia não é estar no Livro dos Recordes Guinness, mas contribuir com o meio ambiente.

O avião é 100% elétrico. Todas as baterias, motores e geradores do avião funcionam de forma sustentável. A velocidade da aeronave é 20% menor que a média dos aviões convencionais. O trajeto de um voo de duas horas, por exemplo, seria completado em, aproximadamente, 24 minutos a mais. A compensação viria na forma de sustentabilidade já que ele pode ser recarregado com energia solar ou uma turbina de energia eólica.

As viagens pelo ar poluem dez vezes mais que as feitas em trens, ônibus e carros. Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), os aviões correspondem a 2% da emissão mundial de carbono. O órgão também estima que até 2037 o número de passageiros aéreos ultrapassará os oito milhões. De acordo com a Agência Europeia de Meio Ambiente (AEA), a cada voo realizado, uma aeronave emite 258 gramas de CO2 (dióxido de carbono) por passageiro.

"É claro que fica difícil estabelecer uma mudança total dos modelos de combustão para os elétricos, ainda mais quando se trata de distâncias mais longas. O consumo a partir de agora, no entanto, precisa e deve ser mais consciente", afirma o diretor-executivo da Rolls-Royce, Rob Watson. "Construir o avião elétrico mais rápido do mundo é uma reformulação drástica no mundo da aviação. Nosso objetivo não é bater nenhum recorde mundial, mas estar na vanguarda das transformações tecnológicas e, ao mesmo tempo, sermos ambientalmente conscientes", acrescenta.

avião elétrico da Rolls-Royce - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O modelo é relativamente pequeno e tem capacidade para apenas um passageiro. Ele possui um novo sistema de propulsão com três motores elétricos auxiliares de alta intensidade. Eles funcionam com um pacote de baterias de 750 kW, que dura, aproximadamente, três horas e meia cada um, segundo a Rolls-Royce.

A aeronave também possui um sistema de refrigeração direto, que serve para proteger as células das altas temperaturas, e hélices menores para reduzir os ruídos. Ainda de acordo com a Rolls-Royce, a eficiência enérgica é de 90%. Segundo os ingleses, o avião conseguirá atingir a velocidade de 480 km/h. Para se ter uma comparação, um avião comercial em voo de cruzeiro atinge a velocidade de aproximadamente 850 km/h.

Todos os componentes do modelo são projetados dentro de um novo conceito que pretende não só percorrer a distância máxima em um curto espaço de tempo, mas modificar a capacidade elétrica do motor sem fazer com que ele produza resíduos tóxicos e prejudique o meio ambiente.

A parte exterior do avião é bem distinta dos modelos convencionais. As asas mais largas impulsionam a subida da aeronave e a mantém voando com uma propulsão menos elevada. Situadas na parte traseira, elas compensam o peso dos motores e baterias.

O avião faz parte do projeto conhecido como ACCEL (Accelerating the Electrification of Flight ou Acelerando a eletrificação do voo, em tradução livre). Além da Rolls-Royce, a fabricante de motores e controladores elétricos Yasa e a empresa de aviação Electroflight também integram o time. O dinheiro para colocar o plano em ação sai do Instituto de Tecnologia Aeroespacial (ATI) e do Departamento de Estratégia Empresarial, Energética e Industrial do Reino Unido.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS