PUBLICIDADE
Topo

Come placa! Nanopartícula faz célula limpar artéria e evita ataque cardíaco

Macrófagos são células que defendem o corpo de invasores -
Macrófagos são células que defendem o corpo de invasores

Letícia Sé

Colaboração para Tilt

04/02/2020 04h00

Sem tempo, irmão

  • Nanopartícula estimula células imunes a comer placas arteriais
  • A expectativa é de avançar o tratamento de doenças e ataques cardíacos
  • Diferentemente dos tratamentos atuais, medicamento vai dentro das células imunes
  • Um dos pesquisadores já patenteou a nanotecnologia e deve comercializá-la

Cientistas americanos criaram uma nanopartícula que estimula as células de defesa (monócitos e macrófagos) a comer as placas de cálcio, gordura e outras substâncias que causam o entupimento das artérias. A descoberta foi publicada na revista científica Nature Nanotechnology e representa um grande avanço no combate a aterosclerose, distúrbio atinge 2 milhões de pessoas por ano no Brasil.

A nanopartícula é colocada dentro das células imunes, que são responsáveis por combater invasores no corpo. Lá dentro, ela libera um medicamento que estimula os macrófagos a sugar e comer as células mortas e doentes. Isso diminui e estabiliza o tamanho do entupimento dos vasos.

Os macrófagos já realizam, naturalmente, esse trabalho de limpeza do organismo. Mas, no caso desse tipo de doença cardíaca, é preciso estimulá-los a selecionar as células maléficas e a refazer o processo.

Descobrimos que podemos estimular macrófagos a comer seletivamente células mortas que causam ataques cardíacos. E nós podemos colocar a nanomolécula dentro dos macrófagos para mandá-los comer novamente
Bryan Smith, professor da Michigan State University, envolvido na pesquisa

O cientista disse que as nanodrogas podem, futuramente, reduzir o risco de diversos tipos de ataques cardíacos com menos efeitos colaterais para os pacientes. Isso porque o medicamento é depositado dentro das células imunes e não na superfície delas, como era feito até então.

A descoberta demonstra que os nanomateriais são capazes de buscar e enviar uma mensagem para as células necessárias ao combate de doenças cardíacas. "Nosso trabalho futuro incluirá o uso desses nanomateriais em modelos de animais grandes e testes em tecidos humanos. Acreditamos que é melhor que os métodos anteriores", afirmou Smith. O cientista registrou uma patente provisória e começará a comercializá-la ainda neste ano.

Health Tech