PUBLICIDADE
Topo

Em busca de domínio em telecomunicações, China lançará rival do GPS em 2020

Em dezembro, China lançou satélites do sistema Beidou, que começará a funcionar no ano que vem - Xinhua/Guo Wenbin
Em dezembro, China lançou satélites do sistema Beidou, que começará a funcionar no ano que vem Imagem: Xinhua/Guo Wenbin

Rodrigo Trindade

De Tilt, em São Paulo

29/12/2019 14h00

Sem tempo, irmão

  • Sistema Beidou começará a operar após o lançamento de dois satélites em 2020
  • Ele chega para competir com o GPS americano, essencial para usuários de smartphones
  • Em conjunto com 5G, sistema faz parte de estratégia chinesa nas telecomunicações

Referência mundial de geolocalização, a rede GPS (Sistema de Posicionamento Global, da sigla em inglês) está prestes a ganhar um concorrente chinês. A tecnologia da Força Aérea americana, operada pelos Estados Unidos e usada pelo mundo todo, passará a disputar espaço com o Sistema de Satélites de Navegação Beidou em 2020.

Na última sexta-feira (27), a China confirmou que o lançamento dos dois últimos satélites do sistema Beidou serão realizados no primeiro semestre do ano que vem. Em entrevista coletiva, o diretor do projeto, Ran Chengqi, afirmou que o país já tem uma constelação de 24 satélites na órbita terrestre — o "núcleo" do sistema de posicionamento.

"Antes de junho de 2020, planejamos o lançamento de mais dois satélites na órbita geostacionária e o sistema Beidou-3 estará completo", disse Ran à agência de notícias AP.

O concorrente chinês do GPS é mais uma demonstração de como o país asiático está avançado em tecnologias de telecomunicação, o que gera desconforto aos Estados Unidos, antes dominantes neste campo. A constelação de satélites de geolocalização passará a operar um ano depois do 5G chinês começar a ser tratado por americanos como uma ameaça de segurança nacional — o caso Huawei é simbólico desta preocupação.

Tanto o domínio 5G quanto o sistema Beidou fazem parte da estratégia chinesa de liderança nas telecomunicações. Combinadas, as duas tecnologias fazem parte do plano de testar tecnologia de carros autônomos na cidade de Wuhan.

O sistema Beidou também traz consigo a ambição chinesa de estender o serviço para outros países, como parte da Iniciativa do Cinturão e Rota. "Como uma infraestrutura espacial para a China prover serviços públicos ao mundo, o sistema Beidou sempre aderirá ao desenvolvimento do conceito 'Beidou da China, Beidou do mundo e Beidou de primeira classe', servindo ao mundo e beneficiando a humanidade", afirmou Ran.

A quem se pergunta se a rede chinesa terá como competir com o GPS globalmente, a resposta é: provavelmente. Ran detalhou ao jornal Nikkei Asian Review que 70% dos smartphones chineses estão equipados para funcionar com o Beidou.

Empresas chinesas, não por acaso, estão entre as líderes no mercado de celulares. A Huawei superou a Apple em 2018 e virou a segunda maior do ramo, atrás da sul-coreana Samsung. Segundo a empresa de análise de mercado Counterpoint Research, entre as sete empresas que mais vendem smartphones no mundo atualmente, cinco são da China: Huawei, Oppo, Xiaomi, Vivo e Realme.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Negócios