PUBLICIDADE
Topo

Desastre de Natal: gambiarra com pisca-pisca pode dar muita dor de cabeça

Cidade iluminada durante o Natal Luz de Gramado - iStock
Cidade iluminada durante o Natal Luz de Gramado Imagem: iStock

Rodrigo Lara

Colaboração para Tilt

22/12/2019 16h28

Sem tempo, irmão

  • Pisca-piscas parecem inofensivos, mas fios finos e mal isolados trazem risco de choque
  • Em gambiarras de tomadas, fios podem esquentar mais do que deveriam
  • Fora de casa, variações de temperatura e umidade aceleram desgaste da fiação
  • Escolha produtos elétricos com certificação do Inmetro, com qualidade atestada

Vai chegando o final do ano, e o que mais vemos nas cidades brasileiras são luzinhas brilhantes do Natal. Mas além do clima de felicidade, trazem um risco de acidentes. O pisca-pisca parece inofensivo, mas boas chances de essas luzes causarem problemas, se forem mal instaladas ou sem a devida manutenção.

"Há por exemplo, o risco de choque elétrico, por eles terem fios finos e mal isolados. Lâmpadas queimadas podem deixar partes energizadas expostas", explica Edson Martinho, diretor executivo da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel).

É certo que as decorações que utilizam lâmpadas de LED oferecem risco menor, já que a tensão utilizada é a de 12V. Ainda assim, elas não estão imunes a problemas, especialmente se houver gambiarras na instalação — como verdadeiros "Megazords" de tomadas ou muito pisca-pisca emendado um nos outros.

Se você é daqueles que gosta dessa improvisação, cresce bastante a chance de você ter um Natal para lembrar — pelos motivos errados.

"A nossa rede elétrica, seja 110V ou 220V, já tem uma tensão considerada perigosa. Enfeites de Natal ligados nela oferecem riscos se alguns cuidados de segurança não forem respeitados. Gambiarras como deixar fios desencapados, emendar um pisca-pisca no outro ou alterar o plugue que é ligado à tomada são problemas que podem gerar uma série de transtornos", diz Pedro Al Shara, CEO da TS Shara, fabricante de estabilizadores e nobreaks.

E acredite: o choque não é o pior dos problemas causados por um pisca-pisca mal instalado. Se um número grande desses adereços forem ligados juntos e de maneira não planejada, há uma probabilidade grande de os fios esquentarem mais do que deveriam. Se a situação persistir, eles podem derreter e, em casos extremos, causar um curto-circuito que pode acabar se tornando um incêndio

Sol e chuva causam problemas

Se os enfeites pendurados dentro de casa já exigem uma atenção especial antes de serem instalados, aqueles que ficam no exterior merecem ainda mais cuidado.

As variações de temperatura e umidade aceleram o desgaste da fiação do pisca-pisca. Fios desgastados e quebradiços, por sua vez, aumentam a chance da exposição de partes metálicas e, consequentemente, de haver um curto-circuito.

"Há produtos específicos para utilização em ambientes externos, que são isolados de umidade. Normalmente, eles têm proteção que lembra uma mangueira", explica Martinho. "Mas é preciso tomar cuidado, pois há muitos produtos que são vendidos para área externa, mas não possuem as características ideais desta categoria", complementa.

Geralmente quando se faz a instalação de um pisca-pisca na parte exterior da casa, utilizam-se extensões. Fazer isso em instalações de baixa potência não é necessariamente perigoso — ainda assim, você adicionará mais uma variável para possíveis problemas. O que exige atenção, no entanto, é o estado de conservação do acessório.

"Recomenda-se a escolha de extensões de boa qualidade e que seja evitado o contato com água em instalações externas. Já em grandes instalações, com muitas luzes de Natal, é aconselhável consultar um eletricista ou especialista capacitado para executar o serviço", salienta Shara.

Escolha certo

Por fim, é importante escolher um produto com certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Segundo o órgão, as luzes natalinas são regulamentadas pelas portarias nº 335/11 e 382/2010, relacionadas a dispositivos elétricos de baixa tensão, e devem seguir algumas premissas para serem vendidos.

De acordo com a entidade, só são certificados os produtos que:

  • trazem na embalagem nome ou a marca ou o logotipo do fabricante/importador, razão social, endereço e CNPJ do encartelador ou montador, a tensão a que se destinam em volt (V) e potência máxima do conjunto em watt (W);
  • tenham a seção nominal mínima do cabo de 0,5 mm², compatível com o determinado na norma NBR NM IEC 60.335-1;
  • plugues com o selo de identificação da conformidade do Inmetro e indicação da tensão nominal em volt (V), potência em watt (W) ou a corrente nominal em ampère (A), conforme previsto na Portaria Inmetro nº 85/2006.

Além disso, o Inmetro recomenda que não se compre produtos no comércio informal, já que há muitas dessas luzes são importadas ilegalmente, ou seja, sem estar em conformidade com os parâmetros de segurança estipulados pelo órgão. Outra sugestão é guardar a nota fiscal do produto, já que ela comprova a origem do item e pode ser extremamente valiosa em caso de problemas.

Veja abaixo uma lista de cuidados para evitar que o seu Natal vire uma tremenda dor de cabeça:

  • Antes de instalar: faça uma inspeção cuidadosa para saber se as luzes estão em bom estado. O mesmo vale para extensões;
  • Nada de gambiarras: não faça emendas nos fios nem altere os plugues da tomada. É ideal também evitar emaranhados de fios e usar a mesma fonte de energia para ligar diversas luzes natalinas;
  • Exterior da casa: procure dispositivos destinados a esse fim, que contem com proteção adicional contra efeitos do clima
  • Interior da casa: não deixe os fios próximos de objetos como cortinas ou sofás, que poderiam propagar um possível incêndio;
  • Tire da tomada: evite deixar o pisca-pisca ligado durante toda a noite ou quando não estiver em casa. Quanto menos tempo direto eles passarem ligados, menor a chance de acidentes;
  • Selo de qualidade: sempre compre produtos certificados pelo Inmetro.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Segurança