PUBLICIDADE
Topo

E o Brasil? Por que a startup bilionária Loggi terá polo tec em Portugal?

Motoboy da startup de logística Loggi, que recebeu investimento que elevou seu valor de mercado à casa do US$ 1 bilhão. - Divulgação
Motoboy da startup de logística Loggi, que recebeu investimento que elevou seu valor de mercado à casa do US$ 1 bilhão. Imagem: Divulgação

Helton Simões Gomes

De Tilt, em São Paulo

06/12/2019 04h00

Sem tempo, irmão

  • Brasileira Loggi abrirá seu 1º escritório fora do país; será em Lisboa
  • Vibe tecnológica, bom ecossistema e proximidade do mercado europeu foram razões
  • Expansão internacional faz parte do plano após passar a valer US$ 1 bi
  • Startup agora quer ampliar uso da tecnologia no processo logístico

A startup brasileira de logística Loggi está prestes a inaugurar seu primeiro escritório fora do Brasil. E se você acha que, por ser uma empresa de tecnologia, o destino da empresa é o Vale do Silício, na Califórnia, é melhor tentar de novo.

Após virar um unicórnio, ou seja, passar a valer mais de US$ 1 bilhão, a startup vai cruzar o oceano Atlântico e desembarcar em terras europeias: marcou para janeiro de 2020 a abertura de seu centro de pesquisa e desenvolvimento em Lisboa, capital de Portugal, que deverá empregar centenas de pessoas até 2021.

Mas por que evitar o efervescente polo tecnológico norte-americano e optar pelo Velho Continente?

Lisboa é um mercado com muito potencial, está se tornando um dos principais mercados tecnológicos da Europa
Eduardo Thuler, líder da Loggi em Portugal

Para o executivo, há, pelo menos, três bons motivos para se instalar na cidade:

  • a vibe: Lisboa tem virado um polo de debate sobre novas abordagens de tecnologia. Não é só lar de boas universidades que estudam o assunto: sedia também a maior conferência de tecnologia do mundo, o Web Summit;
  • boas condições: o governo português criou um programa de investimento em tecnologia, que abrange aceleradora, investimento em empresas iniciantes e atração de talentos estrangeiros via facilitação de visto para profissionais de tecnologia;
  • entrada para mercado europeu: estar em território português é meio caminho andado para atender empresas europeias, acessar tecnologias e atrair mão de obra qualificada.

"A gente tem um desafio muito grande pela frente. Queremos chegar a mil profissionais de tecnologia", diz Thuler. "Queremos ter acesso a um 'pool' de talentos do mundo inteiro. Quando permanecemos no Brasil, ficamos restritos."

A meta de contratações, no entanto, será alcançada aos poucos. Para começar, a Loggi abriu nesta semana 100 vagas de emprego, tanto para brasileiros quanto para portugueses. As vagas são destinadas às áreas de engenharia de software, gerenciamento de produto, experiência e interface do usuário, tecnologia da informação e recursos humanos.

Para ajudar a convencer os candidatos, a empresa ajudará na mudança (da obtenção do visto aos custos da mudança e da acomodação no país estrangeiro, inclusive da família).

O unicórnio brasileiro da logística

A expansão é feita após a Loggi receber um investimento de US$ 150 milhões, liderado pela japonesa SoftBank (que já apostou no Uber e no WeWork) e pela Microsoft, mas que contou também com os fundos GGV, Fifth Wall e Velt Partners. Esse aporte catapultou a avaliação de mercado da startup para US$ 1 bilhão.

Se nasceu com o propósito de facilitar a contratação rápida de motoboys, a startup já virou uma operadora de logística, que atende grandes empresas do comércio eletrônico brasileiro, da Amazon à B2W (Submarino, Shoptime, Americanas), passando por Magazine Luiza.

loggi - Divulgação/Loggi - Divulgação/Loggi
Eduardo Thuler, líder da Loggi em Portugal
Imagem: Divulgação/Loggi

O dinheiro do aporte será usado para ampliar o uso de tecnologia na solução de gargalos logísticos, explica Thuler. E a expansão internacional é parte desse plano, porque os profissionais alocados em Lisboa criarão tecnologia para melhorar a operação da startup.

"Estamos buscando gente boa e sênior para trabalhar nos desafios de logística, porque queremos reinventar como ela é feita", diz o executivo.

Estradas esburacadas, combustível caro, condutores mal treinados, custos que mudam a toda hora. Thuler disse que também acreditava que estes eram os entraves da logística no Brasil —antes passou por Google, onde foi gerente de produto, e Catho, onde foi executivo-chefe. Isso mudou após entrar em outubro deste ano na Loggi.

"Eu tinha essa visão. Mas o que o que falta é inteligência em tono da logística. Algumas empresas dizem que são precisos 20 dias úteis para levar um produto de São Paulo ao interior do Nordeste. Isso não tem a ver com estrada ruim, mas com um procedimento errado. Uma vez que aplicamos novos métodos como o usa de inteligência artificial, conseguimos alterar os processos que causam esse atraso."

Para trechos como este, a Loggi consegue fazer entregas em até dois dias, diz o executivo. Para percursos menores, como os feitos dentro de capitais, o prazo cai para até um dia. Não à toa, a empresa é uma das parceiras da Amazon no serviço Amazon Prime, que promete levar produtos à casa de clientes em até 48 horas.

Atualmente, a empresa já trabalha de forma diferente da de transportadoras tradicionais e dos Correios. Caminhões próprios levam as mercadorias das grandes varejistas até o centro de distribuição em Cajamar (SP). Lá, uma triagem é feita, e os produtos já são separados conforme o destino final de cada um. De lá, outro caminhão leva pacotes com até 12 itens para as agências de onde saem os motoboys.

De olho no mercado europeu

Abrir um escritório em Lisboa também é uma forma de entrar aos poucos na Europa. "Em paralelo, estamos trabalhando na segunda fase do plano, que é levar as ofertas da Loggi para o mercado europeu", diz Thuler. Para convencer varejistas europeias, a startup vai usar a similaridade de sua operação com a de outras empresas da economia colaborativa e o apelo com a redução de custos.

"Um dos elementos disruptivos do nosso negócio é a ideia de entregarmos completamente sem usar frota própria, como faz o Uber com as corridas compartilhadas, ou o Airbnb, com habitação."

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS