Topo

Por que o laser virou a nova "arma" high tech de manifestantes pelo mundo?

Manifestantes apontam raios laser para a polícia durante um protesto em Hong Kong - Philip Fong/AFP
Manifestantes apontam raios laser para a polícia durante um protesto em Hong Kong Imagem: Philip Fong/AFP

Matheus Pichonelli

Colaboração para Tilt

25/11/2019 04h00

Sem tempo, irmão

  • Lasers "cegam" equipamentos de monitoramento, vigilância e reconhecimento
  • No Chile, um drone foi derrubado só com canetas laser
  • Apesar de não matar ou ferir, causa transtornos a jogadores de futebol ou pilotos de avião
  • Mas armas laser projetadas para causar cegueira estão proibidas desde 1998

Os bastões a laser (ou canetas a laser) usados por manifestantes de várias partes do mundo se tornaram ferramenta da disputa por território nas grandes cidades —uma disputa que tem nos sistemas de monitoramento e controle facial uma peça central.

Os lasers servem para "cegar" esses equipamentos de monitoramento. No Chile, manifestantes chegaram a derrubar um drone, que ficou desorientado após ser "alvejado" por feixes de luz verde apontados para ele ao mesmo tempo, numa espécie de pirâmide luminosa.

Uma das hipóteses é que, com a sobrecarga de luzes, o aparelho teria ficado desorientado e perdido altitude. Outra é que o superaquecimento do drone pode ter causado uma falha na bateria. Ou o operador do aparelho, controlado remotamente, perdeu a visão das câmeras e, consequentemente, a noção espacial de onde ele estava.

Em Hong Kong, ficou famosa uma cena, registrada em agosto, em que os opositores do governo local protestaram contra a prisão de um estudante sob a acusação de portar "armas ofensivas". Ele carregava dez canetas a laser.

Em outro ato, a jornalista italiana Alessandra Bocchi divulgou um vídeo em que manifestantes "disparavam" raios laser em direção a soldados e câmeras de monitoramento. "É uma ciberguerra contra a inteligência artificial chinesa", definiu ela.

A cena nos fez questionar se os protestos em Hong Kong seriam as mais distópicas já registradas, lembra?

Territorialismo

Como dissemos, uma manifestação é, antes de tudo, uma disputa por território. De um lado, uma multidão tenta tomar as ruas. Quanto mais gente, maior o recado. De outro, há um esforço das autoridades para conter essa ocupação.

Nesta disputa, uma forma de dispersão é enquadrar e criminalizar possíveis lideranças com leis de garantia da ordem ou acusações de terrorismo. Prisões, perseguições, processos jurídicos do tipo kafkiano acabam servindo, assim, de alerta para futuras mobilizações.

Para isso é preciso dar "rosto" às manifestações, mesmo que elas não tenham liderança formal. Esse "rosto" é adquirido pelas autoridades de diversas formas, com medidas como a proibição do uso de máscaras, e o uso, cada vez mais comum, de câmeras de controle e monitoramento. O uso desses equipamentos explica por que os protestos em Hong Kong, um centro de alta tecnologia, e também no Chile, remontam às batalhas de sabres de luz de "Star Wars".

Segundo Alcides Peron, pesquisador do Grupo de Análise de Políticas e Inovação da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e especialista em vigilância e novas tecnologias, o uso de raio laser em manifestações é uma tática relativamente nova. Elas se tornaram mais comuns por causa do seu barateamento e também em razão do nível de sofisticação da vigilância. Em Hong Kong, as câmeras estáticas são o alvo preferencial.

A localidade está em pé de guerra desde que a chefe-executiva da ilha propôs um projeto de extradição de moradores para julgamento na China. Os documentos usam o reconhecimento facial para confirmar a identidade das pessoas, segundo uma reportagem do Buzzfeed. Essas informações são armazenadas em um banco de dados com fotos em alta resolução para garantir recursos de identificação —inclusive por câmeras e vídeo.

Daí o receio dos manifestantes de serem identificados e que as autoridades façam alguma coisa contra eles a partir desses dados.

As canetas são usadas também para desmobilizar a linha de avanço policial, inclusive os que monitoram os atos por helicópteros.

No caso do drone, que ainda não tem tecnologia para fazer um reconhecimento facial preciso, o laser serve para evitar controle de território, já que o equipamento pode calcular a invasão de perímetro e possíveis atitudes suspeitas. "A visão de cima dá uma noção diferenciada da tática de enfrentamento. Eles sabem em quais pontos podem sufocar e dispersar uma manifestação", diz Peron.

Um drone inutilizado, portanto, é um aparato a menos à disposição.

Uma arma de guerra?

A palavra laser vem do inglês "Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation". Ou seja, é a amplificação de luz por emissão estimulada de radiação.

Uma caneta a laser, claro, não é uma arma de guerra —não no sentido convencional. Desde 1998, aliás, estão proibidas as armas a laser projetadas para causar cegueira. Elas não podem ser usadas em nenhum contexto, nem para fins militares.

Em 2016, o portal Gizmodo perguntou a uma especialista, Rebecca Thompson, doutora em física da American Physical Society, quantas canetas do tipo seriam necessárias para matar alguém. A conta não é nada generosa: seria preciso um laser de 1kW para queimar através do olho de uma pessoa para atingir o seu cérebro em um tempo razoável sem que ela pudesse fugir.

Como cada ponteiro laser tem cerca de 5mW, seriam necessárias 200 mil canetas a laser apontadas ao mesmo tempo para um ponto exato até causar um estrago do tipo. É possível, mas bem improvável.

Outros perigos

Ainda assim, os especialistas alertam há tempos para o que os novos manifestantes já perceberam: esse tipo de equipamento não é brinquedo.

Em 2014, o Inmetro identificou uma série de transtornos causados pelo uso indevido de canetas a laser —desde atrapalhar jogadores em estádios de futebol (os goleiros são os que sofrem mais) até desconcentrar pilotos de avião.

Uma análise do instituto apontou que metade de 12 marcas de uma amostra teve algum tipo de não conformidade com os padrões de segurança - uma delas tinha nove vezes mais potência do que o recomendado. O alerta era que lasers com potência superior a 5mW poderiam causar danos antes que o indivíduo tenha tempo de reagir.

Em São Paulo, um deputado estadual propôs, em 2011, a proibição da venda dessas canetas em todo o estado. O projeto de lei foi vetado pelo então governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Segundo o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), o uso indevido das ponteiras de raio laser contra cabines de aeronaves é risco potencial para as operações aéreas. Podem causar distração, ofuscamento e cegueira momentânea e comprometer a habilidade dos pilotos. "O risco pode levar a situação extrema de perda de controle em voo, em especial, nos casos de aeronaves tripuladas por um único piloto", diz a entidade.

Pelo Código Penal Brasileiro, expor uma embarcação ou aeronave a perigo pode render pena de reclusão de dois a cinco anos.

Pela internet, é possível encontrar apontadores de todo tipo, por preços que variam de R$ 30 a R$ 1.500. Curiosamente, parte dos equipamentos tem o selo made in China.

Um detalhe é que, à noite, nem todos os lasers são pardos quando apontados para o céu. Um laser vermelho opera com um comprimento de onda de cerca de 650 nanômetros; e um laser verde, com um comprimento de onda de cerca de 530 nanômetros, segundo explicou ao site da Universidade Federal do Rio Grande do Sul o professor de física Fernando Lang da Silveira.

"O espalhamento do verde é superior a duas vezes a intensidade do vermelho para a mesma intensidade da radiação que viaja no ar. Adicionalmente, a visão humana é cerca de nove vezes mais sensível para o verde do que para o vermelho", diz Silveira.

No Brasil, entre 2013 e 2014, uma série de manifestações (contra o aumento da passagem de ônibus e contra os gastos da Copa do Mundo) levou as autoridades a se articularem em diversos níveis de governo para promover ações de vigilância para subsidiar a ação policial em reuniões públicas de grande porte, segundo um relatório da ONG Artigo 19.

"Tal prática tem diversos desdobramentos, desde a filmagem sistemática de protestos pela polícia até o uso de imagens e informações de manifestantes em investigações policiais, campo em que se recorreu também a buscas em redes sociais e até quebra de sigilo de comunicações de ativistas, em casos com evidente viés criminalizador", aponta a ONG em relatório.

A tendência é que, à medida que esse sistema de identificação e monitoramento avance, chegando também aos drones, a guerra dos lasers se torne cada vez mais comum —seja aqui, seja na China.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Papo cabeça