Topo

Nasa encontra buraco negro que cria estrelas em ritmo "furioso"

Buraco negro está a mais de 5,8 bilhões de anos-luz da Terra - Nasa/CXC/UCLA/Z. Li et al/NRAO/VLA
Buraco negro está a mais de 5,8 bilhões de anos-luz da Terra Imagem: Nasa/CXC/UCLA/Z. Li et al/NRAO/VLA

De Tilt, em São Paulo

21/11/2019 12h21

Cientistas da Nasa divulgaram na quarta-feira (20) que encontraram um os maiores e mais poderosos buracos negros de todos os tempos. A descoberta foi feita após os profissionais localizarem um aglomerado de galáxias batizado como Phoenix, a 5,8 bilhões de anos-luz da Terra.

Dados coletados pelo Observatório de Raios-X Chandra, da Nasa, e pelo telescópio Espacial Hubble, apontam que o aglomerado tem gerado estrelas em um "ritmo furioso".

Foi identificado que o Phoenix tem formado estrelas a 500 vezes a taxa da Via Láctea. O efeito é explicado pela força do buraco negro, que resfria gases na mesma proporção de quando um buraco negro para de injetar energia.

O efeito, no entanto, não deve durar muito tempo. De acordo com o pesquisador da Universidade Estadual de Michigan, Mark Voit, o buraco negro vai se comportar de forma "normal" em breve.

"Esses resultados mostram que o buraco negro tem ajudado temporariamente na formação de estrelas, mas quando seus efeitos se tornarem mais fortes ele começará a se comportar como os buracos negros em outros aglomerados, impedindo o nascimento de estrelas", afirmou.

Astronomia