Topo

Barrada no baile galático: estrela é "expulsa" para fora de buraco negro

Localização da estrela S5-HVS1 no céu e a direção do seu movimento. A estrela está voando para longe do centro galáctico, de onde foi ejetada 5 milhões de anos atrás - Sergey Koposov/Divulgação
Localização da estrela S5-HVS1 no céu e a direção do seu movimento. A estrela está voando para longe do centro galáctico, de onde foi ejetada 5 milhões de anos atrás Imagem: Sergey Koposov/Divulgação

De Tilt, em São Paulo

18/11/2019 13h50Atualizada em 19/11/2019 10h45

Pesquisadores da Austrália, Reino Unido, Chile e Estados Unidos descobriram que, no centro da Via Láctea, há cinco milhões de anos, uma estrela foi "expulsa" para fora de um buraco negro. As informações apontam que o astro atingiu 6 milhões de quilômetros por hora.

Os resultados foram publicados online em 4 de novembro na publicação "Monthly Notices" da Royal Astronomical Society, entidade de astronomia do Reino Unido.

Segundo o site da universidade Carnegie Mellon —uma das envolvidas na descoberta— os especialistas notaram que a estrela, que recebeu o nome S5-HVS1 e foi vista na Constelação de Grus, se movia com velocidade dez vezes mais rápido do que a maioria das estrelas da galáxia.

De acordo com os pesquisadores, o astro saiu do buraco negro devido a uma disputa gravitacional com outra estrela.

"A velocidade da estrela descoberta é tão alta que será inevitável que ela deixe a galáxia e nunca mais volte", disse Douglas Boubert, da Universidade de Oxford e coautor do estudo.

O caso foi avistado por um telescópio Anglo Australiano, um equipamento de 3,9 metros. Já a velocidade do astro foi analisada pelo satélite Gaia da Agência Espacial Europeia (ESA).

"Isso é superemocionante, pois suspeitamos há muito tempo que os buracos negros podem ejetar estrelas com velocidades muito altas. No entanto, nunca tivemos uma associação inequívoca de uma estrela tão rápida com o centro galáctico", disse o professor assistente de física da Universidade Carnegie Mellon, Sergey Koposov.

Estrelas super-rápidas podem ser expelidas por buracos negros por meio do Mecanismo de Hills, proposto pelo astrônomo Jack Hills, no qual estrelas são ejetadas dos centros das galáxias em alta velocidade após uma interação entre um sistema de estrelas binárias e o buraco negro no centro da galáxia.

"Esta é a primeira demonstração clara do mecanismo de Hills em ação", disse Ting Li, do Carnegie Observatories e da Universidade de Princeton, e líder da colaboração. "Ver esta estrela é realmente incrível, pois sabemos que ela deve ter se formado no centro galáctico, um lugar muito diferente do nosso ambiente local. É um visitante de uma terra estranha".

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Astronomia