Topo

Como a Kinopop, serviço à la Netflix para classe C, sentiu baque da Amazon

Kinopop, serviço de streaming brasileiro, é do estúdio de dublagem BKS - Divulgação
Kinopop, serviço de streaming brasileiro, é do estúdio de dublagem BKS Imagem: Divulgação

Adriano Ferreira

Colaboração para Tilt

13/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Kinopop, serviço de streaming nacional, adiou seus planos por causa da Amazon
  • Ideia era focar na mensalidade barata de R$ 15, mas Amazon veio com Prime de R$ 9,90
  • Ainda sem data, serviço deve trazer conteúdo de TVs brasileiras, como novelas

A Kinopop é uma empresa brasileira que pretendia iniciar seu streaming de filmes, documentários e séries, com foco nas classes C e D, no segundo semestre deste ano. Para conquistar esse público, vinha com a mensalidade de R$ 15, até então o menor valor do mercado brasileiro —a Netflix hoje cobra no mínimo R$ 21,90. Isso até a Amazon se mostrar mais rápida no gatilho.

A gigante do varejo trouxe em setembro seu serviço Prime (que inclui o streaming de vídeo) por R$ 9,90 mensais, o que provavelmente balançou os planos da futura estreante. Agora a Kinopop está sem data prevista para a estreia.

Ainda não existe uma garantia de que a plataforma —criada pelo tradicional estúdio de dublagens BKS— vai ter fôlego suficiente para permanecer na briga pelo menor valor do Brasil. Caso tivesse estreado em setembro, o serviço de streaming pretendia alcançar um milhão de assinantes até o final deste ano.

Sobre o atraso, Jake Neto, vice-presidente de Vendas e Licenciamentos Globais da BKS, esclarece: "Assim como em outras plataformas, como a Disney +, existem atrasos que acontecem, em especial, por motivo de ajustes de programação e nas estratégias comerciais. Esse foi o caso da Kinopop".

Administrado pela BKS (Bodhan Kostiw Studios), a maior empresa que atua no Brasil com serviços de dublagens e legendas de filmes desde a década de 1950, o conteúdo da Kinopop poderá ser assistido em diferentes aparelhos: Smart TVs (já virá instalada em TVs Samsung), celulares (Android e iOS) e navegadores de computador.

A mensalidade será gratuita no primeiro mês, e a conta de um assinante poderá acessar quatro dispositivos simultaneamente em perfis diferentes.

O cadastro para a assinatura deverá ser fácil e similar com o de outras plataformas presentes no mercado. Nas telas da página principal do Kinopop haverá imagens que ajudarão o internauta a inserir as informações e as diferentes opções de pagamento. Assim como na Netflix e afins, trará um menu de opções de conteúdo e um campo de busca. A possibilidade de baixar filmes e séries para assistir off-line também é considerada pela empresa.

No vídeo de divulgação do canal da empresa no YouTube, é possível identificar como parte do conteúdo previsto algumas produções da Disney e da Warner. Na área nacional, foram citados como exemplo 27 filmes do grupo de humor "Os Trapalhões" e algumas novelas. O catálogo prevê mil conteúdos licenciados.

As produções originais começarão a aparecer no ano que vem e terão suas gravações nos estúdios da empresa em Miami, com previsão para sair em 2020.

Além disso, haverá parcerias com a TV Caras e a TV Cultura para que seus programas sejam disponibilizados após a exibição na TV. Existem planos para que mais shows de TV e programas façam parte do catálogo.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Negócios