Topo

Como ver o trânsito de Mercúrio, que ocorre poucas vezes a cada cem anos

O planeta Mercúrio é visto dos EUA, no terço mais baixo da imagem, enquanto passa em frente à face do Sol, em 9 de maio de 2016 - Bill Ingalls/Nasa
O planeta Mercúrio é visto dos EUA, no terço mais baixo da imagem, enquanto passa em frente à face do Sol, em 9 de maio de 2016 Imagem: Bill Ingalls/Nasa

De Tilt, em São Paulo

11/11/2019 09h58

Um evento incomum ocorrerá nesta segunda-feira (11), dia em que o planeta Mercúrio irá cruzar o Sol. Este é um dos pontos altos do ano para quem observa o céu, da perspectiva da Terra, e os astrônomos estão comemorando a oportunidade de testemunhá-lo. O Sol, Mercúrio e a Terra se alinharão, um fenômeno que ocorre apenas poucas vezes em um período de cem anos e é conhecido como trânsito (ou passagem) de Mercúrio.

No Brasil, Mercúrio passará em frente ao Sol entre 9h35 (horário de Brasília) e 15h04. Ele é o menor planeta do Sistema Solar e completa voltas em torno do Sol em 88 dias, passando entre o astro e a Terra a cada 116 dias.

De acordo com o site Space.com, este será o quarto dos 14 trânsitos de Mercúrio que ocorrerão durante o século 21.

Telescópio é necessário para acompanhar o fenômeno

Mercúrio aparecerá como um ponto preto, de apenas cerca de 1/194 do diâmetro do sol. Portanto, um telescópio que amplie pelo menos 50 pontos de potência é necessário para acompanhar o fenômeno. Se houver manchas solares no disco solar, observe quão mais escura a silhueta de Mercúrio parece ser comparada a uma mancha solar.

Além disso, precauções especiais devem ser tomadas ao visualizar o disco solar. Tenha muito cuidado para nunca olhar diretamente para o sol com um telescópio.

Os requisitos visuais são idênticos aos da observação de manchas solares e eclipses solares parciais: você precisa usar filtros solares especiais para proteger seus olhos. É muito mais seguro projetar a imagem do Sol através de um telescópio em um cartão ou tela branca.

Se você estiver usando um telescópio com uma grande abertura, de 20 cm ou mais, coloque uma máscara circular em frente à lente objetiva ou no espelho para "parar" a imagem, reduzindo assim a quantidade de luz e calor atingindo a lente ou o espelho.

"É algo raro, porque requer que o Sol, Mercúrio e a Terra estejam em um alinhamento quase perfeito", disse Pascal Descamps, do Observatório de Paris, à agência AFP.

Trânsito deve ter 5h30 de duração

Mercúrio levará quase cinco horas e meia para passar pela frente do Sol. O trânsito será amplamente visível na maior parte da Terra, incluindo as Américas, os oceanos Atlântico e Pacífico, Nova Zelândia, Europa, África e oeste da Ásia. Não será visível da Ásia Central e Oriental, Japão, Indonésia e Austrália.

O trânsito começa antes do nascer do sol para observadores no oeste da América do Norte. Em um mapa dos Estados Unidos, traçando uma linha de aproximadamente Lake Charles (Louisiana) até Sault Ste. Marie (Michigan), em qualquer lugar a oeste dessa linha, Mercúrio já estará em silhueta contra o disco solar. O trânsito termina após o pôr do sol na Europa, África, oeste da Ásia e Oriente Médio.

Todo o trânsito será visível do início ao fim no leste da América do Norte, América Central e do Sul, sul da Groenlândia e uma pequena fatia da África Ocidental.

O primeiro contato é quando o disco de Mercúrio toca pela primeira vez a borda oriental (esquerda) do Sol. Demora cerca de dois minutos para o disco de Mercúrio passar completamente para o disco solar (segundo contato). O maior trânsito é quando Mercúrio aparecerá mais próximo do centro do Sol.

O terceiro contato é quando a borda frontal de Mercúrio atinge a borda oeste (direita) do Sol. Dois minutos depois, Mercúrio sai completamente do disco solar (quarto contato). No entanto, a sua órbita ao redor do Sol é inclinada em relação à órbita da Terra, de modo que, da nossa perspectiva, na maioria das vezes ele parece passar por cima ou por baixo do Sol.

Quando ocorre um trânsito em novembro, como desta vez, Mercúrio estará próximo do ponto de periélio em sua órbita — o ponto mais próximo do Sol e o mais distante da Terra, e onde sua velocidade aparente é mais rápida. Assim, um trânsito central em novembro tem uma duração de apenas 5 horas e meia, o que é praticamente o que experimentaremos hoje.

Os trânsitos de Mercúrio não ocorrem aleatoriamente. Em intervalos de 13 e 33 anos, Mercúrio e a Terra retornam quase simultaneamente aos mesmos pontos em suas respectivas órbitas e, portanto, um trânsito é repetido frequentemente após esse intervalo de tempo.

Podemos olhar para trás no tempo e encontrar trânsitos ocorrendo 13 anos atrás, em 8 de novembro de 2006, e 33 anos atrás, em 13 de novembro de 1986.

Curiosamente, os trânsitos de 9 de maio de 1970 e 10 de novembro de 1973 caíram no sábado, enquanto os de 9 de maio de 2016 e 11 de novembro de 2019 caíram na segunda-feira.

O próximo trânsito de Mercúrio não ocorrerá até 13 de novembro de 2032.

O trânsito de Mercúrio foi registrado pela primeira vez pelo astrônomo francês Pierre Gassendi, que o observou através de um telescópio em 1631, duas décadas depois de o instrumento ter sido inventado.

O astrônomo alemão Johannes Kepler tinha previsto corretamente o trânsito, mas morreu em 1630, antes de poder testemunhar o evento.

"É sempre emocionante ver fenômenos astronômicos raros como esse trânsito de Mercúrio", disse o presidente da RAS, Martin Barstow. "Eles mostram que a astronomia é uma ciência acessível a todos", afirmou à AFP.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Astronomia