Topo

Haja fome! iFood recebe mais de 7 pedidos a cada segundo no Brasil

Motociclista do iFood, app de entrega de comida, andando pela região central de São Paulo - Fábio Vieira/FotoRua
Motociclista do iFood, app de entrega de comida, andando pela região central de São Paulo Imagem: Fábio Vieira/FotoRua

Helton Simões Gomes

De Tilt, em São Paulo

29/08/2019 04h00

Sem tempo, irmão

  • iFood bate marca de 20 milhões de pedidos por mês após chegar a 662 cidades
  • App de delivery de comida também chegou a 100 mil restaurantes
  • A plataforma também passou a contar com 272 mil entregadores

O que você faz em um segundo? No iFood, um dos maiores aplicativos de delivery de comida do Brasil, isso é tempo suficiente para que mais de sete pedidos sejam feitos. Em dois anos, o volume de solicitações cresceu mais de três vezes.

A empresa informou ter atingido em julho a marca de 20 milhões de solicitações de comida por mês. O segmento de serviços online em que o iFood atua é o terceiro que atrai usuários no Brasil - fica atrás apenas dos apps de transporte e de streaming de vídeo.

Conforme dados do TIC Domicílios 2018, divulgados pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC.br), são 15,2 milhões de pessoas o número de usuários de serviços online de pedido de refeição no Brasil.

Esse nível de pedidos foi alcançado porque a empresa expandiu sua atuação. Chegou a 662 cidades e a 100 mil restaurantes - a título de comparação, no fim do ano passado, eram 483 municípios e 50 mil restaurantes.

Outro indicador que cresceu foi o número de entregadores, que saltou para 272 mil - 72 mil cadastrados no próprio app do iFood mais outros 200 mil empregados juntos aos restaurantes.

Ao lado de outros aplicativos de serviços, como Uber, 99 e Rappi, o iFood virou alternativa para trabalhadores autônomos que não conseguem se inserir no deprimido mercado de trabalho. Em abril, eram 4 milhões os que usavam as plataformas como fonte de renda.

"Somos uma empresa brasileira que gera mais de 2.500 empregos diretos. Além disso, trabalhamos para desenvolver todo o ecossistema que inclui restaurantes, parceiros de entrega e produtores e distribuidores de insumo e embalagens", informa o CEO do iFood, Carlos Moyses, por meio de nota.

O crescimento do iFood foi acelerado após a empresa receber um aporte recorde para o setor de startups da ordem de US$ 500 milhões. O dinheiro foi captado da Movile, sua empresa-mãe, e de outros investidores, como a Naspers e a Innova Capital, do bilionário Jorge Paulo Lemann.

A ideia era usar os recursos do aporte na ampliação da infraestrutura do iFood no Brasil e implementar novas tecnologias no aplicativo de delivery de comida.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Fique por dentro