Topo

"Cabem três vidas inteiras": Startup faz colchão gigante para trisal

Matheus, Tiago e Renato vivem juntos há seis meses - Arquivo pessoal
Matheus, Tiago e Renato vivem juntos há seis meses Imagem: Arquivo pessoal

Bruna Souza Cruz e Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo

15/02/2019 18h56Atualizada em 16/02/2019 10h45

Três amores, uma casa e uma necessidade: ter mais conforto na hora de descansar depois de um longo dia de trabalho. Por que não comprar um colchão maior para acomodar as três pessoas de uma vez?

Foi com essa difícil missão que a Matheus Maia, 33 anos, Renato Marques da Silva, 33, e Tiago Pizzolo, 30, saíram em busca de uma opção mais confortável para as noites de sono. A jornada foi difícil, mas uma startup brasileira especializada em tecnologia do sono resolveu aceitar o desafio.

O trisal (relacionamento amoroso entre três pessoas) mora junto há seis meses e iniciou a busca por um colchão maior em janeiro deste ano. Pesquisas online, visitas em lojas especialistas. Nada adiantou.

Até que uma mensagem sem grandes pretensões enviada por Matheus via Instagram despertou o interesse da startup Zissou, que comercializa colchões que literalmente cabem em caixas bem pequenas - ela utiliza uma tecnologia de compactação, bem popular nos Estados Unidos, onde a Casper Sleep é líder de mercado.

Os rapazes já estavam conformados de que a startup só teria o tamanho king para comercializar. No entanto, receberam uma nova mensagem dela dizendo que estava decidida a ajudá-los.

A empresa aceitou fazer um colchão fora dos seus padrões e que tivesse um tamanho suficiente para os três dormirem tranquilos.

"A gente se conhece há anos, mas os três começaram a morar juntos há seis meses. A cama era do tamanho Queen e alguns probleminhas para dormir surgiram", afirmou Tiago.

Ele acrescenta que foi "obrigado" a dormir no meio pelo fato de ter chegado por último no relacionamento. Logo, o aperto sobrava para ele. "A gente tinha que dormir coordenado. Todo mundo para a direita. Depois todo mundo junto virando para a esquerda. Quando um se mexia, eu acordava", lembrou.

Os rapazes contam que a receptividade da empresa foi bem bacana, mas o que mais surpreendeu foi o fato de o colchão "gigante" ter sido entregue dentro de uma caixa super compacta de mais ou menos 1 metro de altura e 30 centímetros de largura. 

"O legal é que ele vem todo pequeno dentro de uma caixa, tipo um rocambole. Aí, tiramos, desdobramos e ele começou a ficar no formato do colchão normal", contou Tiago. A solução, desta forma, também é ótima para quem tem problemas em passar colchões por escadas de prédios, janelas e portas.

Rapazes durante a entrega do colchão customizado - Arquivo pessoal
Rapazes durante a entrega do colchão customizado
Imagem: Arquivo pessoal

Tecnologia do "bed in a box"

O colchão customizado foi entregue nesta quinta-feira (14), data em que vários países comemoram o Dia dos Namorados. O produto foi ainda mais celebrado por ser aniversário de namoro dos três rapazes.

A diferença do colchão em relação aos outros é que ele tem 20 cm a mais de largura do que um modelo king size. Mas o grande destaque é que, mesmo sendo grande, ele é vendido em uma caixa bem pequena.

Para isso funcionar, o colchão é selado a vácuo com ajuda de uma máquina de 60 toneladas. Ela comprime o colchão, que depois é dobrado e enrolado, explicou Amit Eisler, co-fundador da Zissou. Todo o design dos produtos da startup é feito no Brasil, mas a fabricação é realizada nos Estados Unidos.

"Ele chega na caixa para o consumidor tipo um rolinho. Quando ele desenrola e abre, ele começa a se expandir. Leva de 3 a 4 horas para voltar ao formato original. Essa é a tecnologia do bed in a box, que tem causado uma revolução nessa indústria [do sono]", explicou o executivo.

Segundo ele, os materiais de colchões assim precisam ser muito resistentes para aguentar a compressão e voltar ao tamanho original. Os modelos vendidos no Brasil são o resultado de um ano de pesquisas.

Os valores do colchão com a tecnologia de compressão vão de R$ 2.990 (de solteiro) a R$ 5.990 (king).

O trisal contou para a reportagem que pagou o preço do colchão modelo king, já que a versão "gigante" não existia até o momento.

"A gente teve o contato deles no início de janeiro. Então, a gente foi ver se era viável produzir um tamanho maior e que coubesse na caixa. E conseguimos desenvolver. Eles toparam ser o beta tester dessa ação e acabou dando certo, ficaram superfelizes. Agora estamos avaliando se existe mercado para que a gente adicione esse tamanho ao nosso portfólio", afirmou Eisler sobre o maior modelo já feito pela startup.

Testado e aprovado

A primeira noite do casal no colchão "gigante" foi maravilhosa, segundo eles. Todos acharam o material bem confortável.  

Nem a falta de roupa de cama do tamanho do novo colchão é motivo de dor de cabeça. Os rapazes não pensaram muito nisso ainda, mas a ideia é encomendá-las sob medida.

"A vantagem é que agora a gente tem opção. Se quiser dormir juntinho, tem. Se quiser dormir separado, agora dá", brincou Matheus.

Curiosidades de tecnologia