Topo

Sensor na tela, bateria... Tudo o que a Samsung busca inovar no celular

O que podemos esperar dos futuros celulares da Samsung?  - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
O que podemos esperar dos futuros celulares da Samsung? Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Gabriel Francisco Ribeiro*

Do UOL, em San Francisco (EUA) e Seul (Coreia do Sul)

10/12/2018 04h00Atualizada em 10/12/2018 08h56

As tecnologias de celulares estão em constante mudança. Comparando o primeiro smartphone real --o iPhone lançado em 2007-- com os aparelhos apresentados recentemente, a mudança é para lá de nítida. Mas o que mais pode vir de revolução por aí?

Alguns dos principais executivos da Samsung nos Estados Unidos e Coreia do Sul deram respostas para muitas das perguntas e dúvidas que temos sobre os dispositivos. Celular dobrável à parte, a companhia líder em vendas de smartphones já projeta diferentes cenários para o futuro.

Veja também:

Um deles envolve os sensores na tela do aparelho --rumores fortes apontam que o Galaxy S10 já contará com um sensor de digital embutido na tela do celular. Outra coisa que sempre queremos é a presença de uma bateria maior para nossos aparelhos.

Mas ainda tem muito mais coisas pela frente: celular menor para mulheres, tela realmente infinita, assistentes de voz melhores, Confira abaixo o que podemos esperar de futuros aparelhos da Samsung, nas palavras de executivos da companhia:

Tela em toda a frente do celular

"Têm alguns componentes que precisam estar nas bordas. Quando você fala da parte de baixo do display, tem algumas limitações que impedem o 'full display'. Começamos com o S7 a estabilizarmos o painel, minimizar os componentes em cima e embaixo. Atualmente temos quase um 'full  display'. Achamos que isso pode ser mostrado no futuro."

Harksang Kim, vice-presidente da empresa e líder de pesquisa e desenvolvimento da área de visual mobile

Celular menor para mulheres

"O tamanho do display aumenta se for possível a usabilidade dos usuários, baseado no que podemos fazer. Projetamos sim telas maiores do que as de 6,4 polegadas com o usuário podendo segurar e tendo em conta nossas tecnologias atuais. Mas também pensamos em diminuir a tela para mulheres. Essa é uma demanda que tivemos e vamos atrás disso também."

Kim

Mais bateria

"Nós estamos trabalhando em diminuir alguns elementos do display para aumentar o espaço da bateria. Queremos dar mais espaço para as baterias nos próximos dispositivos."

Kim

Sensores na tela (como leitor de digital)

"Sensores no display têm algum potencial. Mas precisamos de soluções. Outras companhias mostraram tecnologias, mas têm problemas. Queremos estabilizar, ver se a segurança está lá. Podemos esperar isso para breve."

Kim

O celular daqui a cinco anos

"Acho que podemos prever muitas mudanças em termos de hardware. Dessa perspectiva de hardware, em cinco anos o celular dobrável é uma tecnologia que podemos vislumbrar. O próximo ponto seria sobre app e performance. Uma futura tecnologia que projetamos são smartphones com tecnologias mais compreensíveis, assistentes de voz melhores. Também pode existir tecnologia que pode permitir que o celular analise o clima onde você está, falar para você levar o guarda-chuva."

Kim

O futuro dos assistentes

"A abordagem atual é funcional, mas não personalizada. É bom para funções comuns como 'tocar música de criança', mas não para pessoais como 'mostrar a nota do meu filho na escola'. Temos que repensar essa tecnologia para os usuários. Como resolver? Temos que dar poder aos usuários para não apenas entender a AI, mas também ajudar a criar a AI. Por exemplo, ao falar 'mostre as notas do meu filho', o sistema pode responder 'não sei fazer isso, me mostre'. Aí o usuário mostra uma vez e ele entende as próximas. É empoderar o usuário. E se uma pessoa ensina, valerá para os outros usuários, respeitando a privacidade das informações.".

Larry Heck, vice-presidente sênior de pesquisa de Inteligência Artificial

O design do futuro

"Entre tendências em geral, uma das coisas agora é deixar a tecnologia mais semelhantes ao estilo de vida de cada um, não tanto com aquela cara tecnológica do produto. Dá para ver isso nos 'vestíveis', produtos de áudio para casa feitos com madeira. As coisas precisam 'desaparecer' para ficar mais elegantes."

Greg Holt, designer principal do Centro de Design e Inovação da Samsung em San Francisco

Assistentes de voz podem remodelar produtos?

"Às vezes existe a solução técnica, mas nós do design temos que pensar além. Tem que ser confortável para o usuário, não pode deixar as pessoas com medo de usar. Pensamos bastante nisso e passamos para eles. Há cinco anos as pessoas falavam com a Siri baixinho para não parecerem loucas, agora começou a ficar mais normal."

Holt

Entalhe em um celular da Samsung?

"Os smartphones são uma combinação de hardware e design para a interface do usuário. Nós estamos constantemente revisando nossas diferentes linhas. Atualmente, usamos a tela infinita. Esse agora é o nosso ponto forte para as linhas que temos, mas estamos constantemente revisando o mercado para nossos futuros lançamentos".

Sang Il Park, designer de produto responsável pelo Galaxy A9

Entrada para fone de ouvido: vai sumir ou não?

"Pela perspectiva do usuário, é mais conveniente ter do que não ter. Algumas companhias estão se livrando e querendo conduzir o mercado e usuários. A Samsung vê que para os usuários dar diversidade e opções é importante, por isso seguimos com a entrada de fone de ouvido".

Park

* O repórter viajou a convite da Samsung

Mais Smartphone