PUBLICIDADE
Topo

Escritórios vazios, casas cheias: covid-19 também ameaça internet

05.mar.2020 - Equipe médica iraquiana descansa após verificar a temperatura dos passageiros, em meio a um surto de coronavírus, no aeroporto de Najaf - Alaa al-Marjani/Reuters
05.mar.2020 - Equipe médica iraquiana descansa após verificar a temperatura dos passageiros, em meio a um surto de coronavírus, no aeroporto de Najaf Imagem: Alaa al-Marjani/Reuters

Scott Moritz

Da Bloomberg

06/03/2020 16h17

Com mais pessoas trabalhando de casa para evitar o coronavírus, a Internet vai falhar? Em uma análise rápida, provavelmente não. Mas interrupções não estão descartadas.

Para proteger trabalhadores e ajudar a conter a propagação da covid-19, empresas como Twitter e JPMorgan Chase têm recomendado a funcionários que podem trabalhar de casa a ficarem em casa. Ao todo, 42 milhões de norte-americanos, cerca de 29% da força de trabalho dos EUA, podem trabalhar de casa. E, com o fechamento de escolas para deixar crianças fora de perigo, a pressão sobre redes domésticas aumenta.

"O elo fraco da cadeia, onde o sistema pode ficar sobrecarregado, será a rede de banda larga doméstica", disse Lisa Pierce, especialista em rede da Gartner. "As pessoas enfrentarão congestionamento, como na estrada, onde a velocidade cai de 100 quilômetros por hora para 30."

Residências e bairros nos EUA atendidos por conexões com cabos de menor largura de banda e fios de cobre estarão entre os primeiros afetados. Famílias inteiras que compartilham um único sinal de Wi-Fi, todas conectadas ao mesmo tempo para trabalhar ou com TVs e tablets ligados para se manterem conectadas e entretidas, também podem enfrentar conexões mais lentas.

Rede forte

No geral, grandes redes de cabos de fibra óptica que atravessam os EUA continuarão em operação com o transporte do tráfego de internet entre cidades, segundo operadoras de telefonia dos EUA como AT&T e Verizon Communications.

"Como engenheiro, digo que teremos capacidade em nosso sistema que empregados e clientes precisam acessar em momentos como este", disse Jeff McElfresh, diretor-presidente da AT&T Communications, que supervisiona serviços de telefonia fixa, sem fio e de TV. "Podemos fornecer a capacidade de trabalhar onde clientes precisam trabalhar e ajudá-los a continuar sendo produtivos."

A confiança de operadoras de telefonia em suas redes se deve, em parte, ao fato de que o volume de tráfego não vai necessariamente mudar. O que vai mudar são os padrões. O tráfego terá origem mais em áreas residenciais e menos em escritórios com fortes conexões. As empresas de cabo e telefonia que fornecem banda larga doméstica podem enfrentar gargalos em nós da rede onde várias linhas convergem.

Entre os maiores congestionamentos de rede estariam serviços de vídeo e redes sociais, como Netflix, YouTube, Facetime e Skype, segundo Roger Entner, analista da Recon Analytics.

"O vídeo já representa 70% de todo o tráfego de rede", disse. "No momento em que você adiciona videoconferência a todos os programas que as crianças assistem porque as escolas estão fechadas, pode ser um problema se todo mundo estiver tentando assistir ao mesmo tempo."

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Negócios