PUBLICIDADE
Topo

Cientistas mantêm computador ligado por um ano com energia de algas

Alga coleta energia do sol através da fotossíntese que gera uma corrente elétrica - Universidade de Cambridge
Alga coleta energia do sol através da fotossíntese que gera uma corrente elétrica Imagem: Universidade de Cambridge

16/05/2022 08h25

Segundo eles, sistema "tem potencial como uma maneira confiável e renovável de alimentar pequenos dispositivos".

Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, usaram algas para manter um computador ligado continuamente por um ano.

Segundo a instituição, o sistema tinha um tamanho semelhante a uma bateria AA e continha uma espécie não tóxica de alga azul-esverdeada chamada synechocystis.

A alga "colhe naturalmente a energia do sol através da fotossíntese", disse a universidade.

Os pesquisadores acreditam que o sistema "tem potencial como uma maneira confiável e renovável de alimentar pequenos dispositivos".

Eles disseram que o sistema foi feito de "materiais comuns, baratos e amplamente recicláveis".

"Isso significa que pode ser facilmente replicado centenas de milhares de vezes para alimentar um grande número de pequenos dispositivos como parte da Internet das Coisas", afirmaram.

A Internet das Coisas é uma vasta e crescente rede de dispositivos eletrônicos que usam uma pequena quantidade de energia que coleta e compartilha dados em tempo real via internet, como smartwatches.

A corrente elétrica gerada pela fotossíntese interage com um eletrodo de alumínio que é usado para alimentar o microprocessador.

O professor Christopher Howe, do departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, disse: "Nosso dispositivo fotossintético não funciona como uma bateria porque está continuamente usando luz como fonte de energia".

No experimento, o dispositivo foi usado para alimentar um Arm Cortex M0+, que é um microprocessador amplamente utilizado em dispositivos de Internet das Coisas.

A Arm, empresa de design de microprocessadores com sede em Cambridge, colaborou com os pesquisadores de Cambridge no projeto.

Paolo Bombelli, também do departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, afirmou: "Ficamos impressionados com a consistência com que o sistema funcionou por um longo período de tempo ? pensamos que poderia parar depois de algumas semanas, mas continuou".