PUBLICIDADE
Topo

OCDE: financiamento de países ricos para luta contra mudança climática é insuficiente

17/09/2021 08h03

Paris, 17 Set 2021 (AFP) - O financiamento da luta contra as mudanças climáticas fornecido pelos países desenvolvidos aos países em desenvolvimento aumentou 2% entre 2018 e 2019, atingindo um total de US$ 79,6 bilhões - informou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), nesta sexta-feira (17).

Em 2009, os países ricos se comprometeram a que, até 2020, repassariam anualmente US$ 100 bilhões anuais para os países em desenvolvimento para se adaptarem ao impacto da mudança climática e reduzirem suas emissões de gases de efeito estufa.

Essa promessa não cumprida tem sido motivo de críticas recorrentes dos países pobres, as primeiras vítimas do impacto do aquecimento do planeta, e ameaça ser um tema polêmico na próxima Conferência do Clima da ONU (COP26), em Glasgow, em novembro.

A ajuda pública e privada dos países da OCDE (38 no total) foi de US$ 79,6 bilhões, em 2019, o último ano com dados disponíveis, em comparação com US$ 78,3 bilhões no ano anterior.

Faltam, portanto, mais de US$ 20 bilhões para cumprir os compromissos de Copenhague. E a taxa de crescimento da ajuda, em termos anuais, continua diminuindo, reconhece a OCDE.

Os números para a suposta data-limite (2020) devem estar disponíveis somente em 2022. O impacto da pandemia da covid-19 deve ser significativo.

Por região, a Ásia ficou com 43% do financiamento, seguida da África, com 26%. América Latina e Caribe ficaram em terceiro lugar, com 17%.

A OCDE prometeu "uma análise rigorosa para tirar conclusões para o próximo período, até 2025", depois que os números estiverem prontos, assim como a avaliação do impacto da pandemia.

Os recursos destinados à redução de emissões representaram, em 2019, dois terços do total, com destaque para os setores de energia e transporte. Já as ajudas para adaptação aos impactos das mudanças climáticas aumentaram 20%, chegando a US$ 20,1 bilhões.

Divulgada em 2016, a última avaliação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente estimou que, apenas para se adaptarem às mudanças causadas pelo aquecimento global, as necessidades dos países em desenvolvimento seriam de entre US$ 140 bilhões e US$ 300 bilhões anuais até 2030.

abd/jz/mis/tt