PUBLICIDADE
Topo

Grandes bancos e companhias aéreas de EUA e Austrália voltam a sair do ar

Reprodução
Imagem: Reprodução

Em Sidney

17/06/2021 11h27

Os principais bancos e companhias aéreas da Austrália e dos Estados Unidos estão entre os negócios impactados por um novo corte de seus serviços on-line nesta quinta-feira (17), relacionado a um problema com o provedor de serviços tecnológicos Akamai.

A interrupção durou quase uma hora, intervalo durante o qual os usuários não conseguiram acessar os sites, nem os aplicativos móveis das empresas afetadas.

Entre as companhias aéreas atingidas, estão as americanas Delta, American, United e Southwest, assim como a australiana Virgin Australia e o maior banco do país oceânico, o Commonwealth Bank.

"Estamos a par do assunto e trabalhamos ativamente para recuperar o serviço o mais rápido possível", disse à AFP um porta-voz do provedor americano Akamai, identificado pelos afetados como a origem do corte.

As interrupções foram detectadas às 14h10, horário de Sydney (2h10 em Brasília), e afetaram o serviço postal da Austrália, além de vários bancos do país, como Commonwealth, ANZ, Westpac e ME Bank. Todos tinham problemas com seus aplicativos móveis, ou produtos bancários on-line.

Clientes de vários bancos regionais relataram que os serviços on-line de suas entidades não estavam funcionando.

A companhia aérea Virgin Australia disse ser "uma das várias organizações afetadas pelos problemas do sistema de difusão de conteúdo do Akamai".

Na semana passada, um erro de software no provedor de serviços informáticos americanos Fastly causou problemas em "sites" de instituições como a Casa Branca e o governo britânico, de jornais como The New York Times, Le Monde e BBC, além de empresas como Amazon e Reddit.

Akamai oferece uma gama de produtos para melhorar o funcionamento e a segurança dos "sites" de seus clientes.

A empresa não especificou a origem do problema, embora um de seus clientes afetados tenha informado que usa os serviços da Akamai para a "autenticação de rede".

Embora não haja indícios de que estes problemas tenham sido causados por agentes mal intencionados, esta ocorrência se dá em um momento de preocupação com cibersegurança em muitas empresas após uma série de ataques cibernéticos.

O gasoduto americano Colonial Pipeline foi fechado temporariamente, após um ataque em maio deste ano, e a JBS foi forçada a interromper suas operações nos Estados Unidos e na Austrália. Ambas as empresas reconheceram que pagaram um resgate para retomar sua atividade.

Gigante brasileira do setor de carnes, a JBS relatou ter sido vítima de um ciberataque em larga escala. Sua unidade nos Estados Unidos disse ter sofrido extorsão, por meio de um ataque cibernético que a obrigou a suspender parte de sua produção na América do Norte e na Austrália. Segundo a companhia, a invasão teria sido originada na Rússia.