PUBLICIDADE
Topo

Helicóptero da Nasa faz voo histórico em Marte

Nasa faz teste de voo do helicóptero Ingenuity em Marte - Imagem: NASA/JPL-Caltech/ASU
Nasa faz teste de voo do helicóptero Ingenuity em Marte Imagem: Imagem: NASA/JPL-Caltech/ASU

Da AFP, em Washington

19/04/2021 20h54

O helicóptero Ingenuity da Nasa fez um rápido voo nesta segunda-feira (19) em Marte e se tornou a primeira aeronave a motor a voar em outro planeta.

A notícia foi recebida em meio a aplausos e gritos de alegria na sala de controle do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa na Califórnia.

"Já podemos dizer que os humanos fizeram voar um dispositivo motorizado em outro planeta!", comemorou MiMi Aung, chefe do projeto do helicóptero.

Às 7H34 GMT (4H34 de Brasília), o aparelho de 1,8 quilo se elevou três metros sobre a superfície marciana e pousou depois de 39,1 segundos.

"Está inclusive em melhor estado do que antes deste voo, se desfez um pouco do pó que cobria seus painéis solares e está produzindo mais energia solar inclusive do que antes", informou à imprensa Bob Balaram, engenheiro-chefe do Ingenuity.

Os dados e imagens do voo autônomo foram transmitidos à Terra, a 278 milhões de quilômetros de distância, onde foram recebidos pelo conjunto de antenas da agência espacial americano e processados mais de três horas depois.

Um curto vídeo do voo, filmado pelo rover Perseverance, que levou o Ingenuity até o planeta vermelho antes de se desligar, foi difundido antes do anúncio. Nele se vê o veículo planando e pousando depois.

O próprio helicóptero enviou uma foto em preto e branco, mostrando sua sombra sobre Marte.

A agência havia programado o voo para 11 de abril, mas adiou por um problema de software que foi identificado durante um teste de alta velocidade dos rotores do helicóptero.

Este curto voo representou um desafio técnico já que o ar marciano tem menos de 1% da pressão atmosférica da terrestre.

Isso tornava muito mais difícil conseguir a elevação, apesar de que seria parcialmente ajudado por uma atração gravitacional que é de um terço a da Terra.

As equipes da Nasa tiveram que conceber um veículo ultraleve cujas pás girassem muito mais rápido do que um helicóptero normal para consegui-lo. Com seus quatro pés e duas pás superpostas (de 1,2 metro de comprimento), o Ingenuity parece um drone grande.

- Lembrança dos pioneiros -A agência espacial americana comparou a façanha desta segunda-feira ao primeiro voo motorizado na Terra, que os americanos atribuem aos irmãos Wright em 1903 na Carolina do Norte, Estados Unidos.

Por isso, a Nasa introduziu um pedaço de tecido do avião dos Wright no Ingenuity para homenagear aquele voo.

Como lembrança daqueles pioneiros, o terreno sobre o qual o Ingenuity voou - "o primeiro de muitos outros em outros mundos", com a finalidade de celebrar "o engenho e a inovação que continuam propulsionando a exploração", tuitou o administrador associado da Nasa, Thomas Zurbuchen.

O dispositivo tinha instruções pré-configuradas na Terra, mas voou com autonomia graças aos dados de seus sensores e sua câmera, analisando ele mesmo sua posição em relação ao solo.

No dia seguinte ao voo, enquanto suas baterias forem recarregadas, o helicóptero deve transmitir outra foto a cores do horizonte, tirada por sua outra câmera.

Mas as imagens mais espetaculares devem ser enviadas pelo rover Perseverance, posicionado para observar a vários metros dali, incumbido de filmar o voo.

O vídeo completo será transmitido "nos próximos dias", informou anteriormente Elsa Jensen, encarregada das câmeras do rover.

"Haverá surpresas e vocês as conhecerão ao mesmo tempo que nós. Então, vamos todos pegar a pipoca", antecipou.

- Assumir riscos -A Nasa tinha se preparado para quatro cenários, segundo MiMi Aung: um sucesso total do voo, um parcial, faltando dados ou um fracasso.

Agora que foi um sucesso, um segundo voo já poderia ser realizado em 22 de abril. Há vários previstos, com dificuldades crescentes.

A Nasa queria que o helicóptero se elevasse até cinco metros de altura e tentasse avançar lateralmente depois.

"A vida útil" do Ingenuity estará "determinada pela forma como pousar" a cada vez, explicou MiMi Aung. Ou seja, que evite cair.

"Quando chegarmos ao quarto ou quinto voo, vamos nos divertir", prometeu. "Queremos realmente levar nosso veículo até o limite" e "assumir riscos", acrescentou a encarregada, dando a entender que a Nasa poderia fazer com que o helicóptero caísse de propósito.

Aconteça o que acontecer, após no máximo um mês, a experiência do Ingenuity deverá terminar para que o rover Perseverance possa se dedicar totalmente à sua tarefa principal: buscar indícios de água pretérita em Marte.