PUBLICIDADE
Topo

Facebook mobiliza plataformas de mensagens para enfrentar o coronavírus

O Facebook lançou um "hackathon", convidando voluntários para projetar soluções usando o Messenger - Arte UOL
O Facebook lançou um "hackathon", convidando voluntários para projetar soluções usando o Messenger Imagem: Arte UOL

Da AFP, em San Francisco

23/03/2020 18h58

O Facebook incentiva as autoridades e os engenheiros informáticos a utilizarem o Messenger para combater a pandemia do novo coronavírus, depois que suas plataformas adquiriram um papel essencial na comunicação durante a crise na saúde.

"Estamos lançando uma associação com vários desenvolvedores para proporcionar serviços gratuitos às organizações de atenção médica para lhes ajudar a usar o Messenger em grande escala como resposta à crise da Covid-19", disse o Facebook em comunicado divulgado hoje.

As redes sociais enfrentam uma onda de desinformação ligada à crise na saúde, com a disseminação de rumores sem fundamento e conselhos falsos que chegam a ser perigosos, enquanto 1,7 bilhão de pessoas em todo o mundo estão confinadas em suas casas e muitas delas mantêm contato através das redes sociais.

O Facebook também lançou um "hackathon" nesta segunda-feira, convidando voluntários para projetar soluções usando as ferramentas do Messenger.

Os codificadores podem, por exemplo, ajudar as instituições de saúde a automatizar respostas a perguntas comuns, fazendo com que suas equipes possam se concentrar em tarefas mais difíceis.

O Unicef já está usando o Messenger para divulgar informações sobre a Covid-19, segundo o Facebook.

A rede social multiplicou as medidas para que suas diferentes plataformas não contribuam, indiretamente, para alimentar a incerteza e o pânico.

Em relação ao aplicativo WhatsApp, pertencente ao Facebook, é apontado como permissivo em relação ao compartilhamento de mensagens contraprodutivas.

"Peço a todos que parem de compartilhar notícias não verificadas em grupos do WhatsApp", escreveu o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, em seu Twitter na última semana.

"Essas mensagens assustam as pessoas. Elas as perturbam e podem causar danos reais. Use fontes confiáveis e oficiais para sua informação".