Topo

Google defende suas atividades em saúde, que preocupam EUA

Alvo é o projeto Nightingale, parceria entre Google e Ascension que quer coletar e analisar dados médicos de dezenas de milhões de pacientes para ajudar os médicos a estabelecer melhor o tratamento e garantir um melhor acompanhamento administrativo - Getty
Alvo é o projeto Nightingale, parceria entre Google e Ascension que quer coletar e analisar dados médicos de dezenas de milhões de pacientes para ajudar os médicos a estabelecer melhor o tratamento e garantir um melhor acompanhamento administrativo Imagem: Getty

Da AFP, em San Francisco (EUA)

13/11/2019 17h55

Uma parceria entre o Google e a Ascension, uma empresa de serviços de saúde, levantou preocupações nos Estados Unidos, um sinal de que a coleta em larga escala de dados pessoais pelos gigantes do Vale do Silício tem cada vez mais obstáculos.

De acordo com um artigo do Wall Street Journal publicado na terça-feira, um regulador americano abriu uma investigação sobre esse projeto conjunto, chamado Nightingale, inspirado em uma enfermeira britânica do século XIX, conhecida por usar estatísticas para melhorar os cuidados médicos.

O projeto conjunto permitirá a coleta e análise dos dados médicos de dezenas de milhões de pacientes para ajudar os médicos a estabelecer melhor o tratamento e garantir um melhor acompanhamento administrativo.

Nada de novo, segundo o Google. "Nosso trabalho na Ascension é fornecer as mais recentes tecnologias para um serviço de saúde, como fazemos para dezenas de outras organizações de assistência médica", disse Tariq Shaukat, presidente da Google Cloud Products and Solutions.

Os dados em questão vão da identificação (nomes, datas de nascimento, endereço, família) aos antecedentes e análises laboratoriais, passando pelos medicamentos administrados.

"Nossos parceiros usam a Google para gerenciar os dados de seus pacientes, respeitando a privacidade de maneira segura e estrita", afirmou a gigante da Internet em comunicado divulgado após o primeiro artigo publicado no jornal americano na segunda-feira.

As críticas, entretanto, sugerem que a Google não notificou as pessoas envolvidas de que suas informações seriam compartilhadas.

"Nada secreto"

"Nosso trabalho com a Google não tem nada de secreto", disse Eduardo Conrado, vice-presidente executivo da Ascension.

"A Google anunciou isso em julho (em uma conferência para analistas). Os gerentes da Ascension foram informados, foram realizadas sessões informativas em toda a empresa e os enfermeiros e médicos na linha de frente não foram apenas informados, mas também participaram ativamente no projeto."

A Ascension gerencia 2.600 estabelecimentos, incluindo 150 hospitais e 50 residências geriátricas em 20 estados dos Estados Unidos.

Ambas as empresas garantem que seu projeto respeita a lei de saúde e de seguro médico dos Estados Unidos de 1996, a HIPAA, que é a referência nessa área.

A legislação permite que os hospitais compartilhem dados com parceiros privados sem necessariamente informar os pacientes, desde que essas informações sejam usadas exclusivamente para auxiliar a organização em sua missão de saúde.

De acordo com o contrato, o Google permitirá que a Ascension transfira informações digitalizadas sobre seus pacientes de seus data centers nos estabelecimentos para "seu próprio ambiente do Google Cloud, privado e seguro".

É essa transferência que preocupa. O jornal New York Times, por exemplo, garante que "dezenas" de funcionários da Google terão acesso a essas informações confidenciais, de acordo com documentos internos.

A Google, principal subsidiária da Alphabet, obtém a maior parte de sua lucrativa receita com publicidade direcionada à Internet, graças aos dados que coleta sobre seus usuários. A empresa foi multada várias vezes pelo gerenciamento dessas informações pessoais.

Inteligência artificial

"Para ser claro: os dados da Ascension não podem ser usados para outros fins que não os serviços incluídos neste contrato. Os dados do paciente não podem ser combinados ou combinados com os dados do consumidor do Google", disse Tariq Shaukat.

O grupo fornecerá aos médicos e enfermeiros da Ascension ferramentas que usam inteligência artificial para "melhorar a qualidade dos tratamentos".

A Google não é a única que investe na nuvem (serviços de computador e armazenamento remoto) e na inteligência artificial para a saúde.

Amazon e Microsoft, como Dell e IBM, mudaram seus chips neste mercado que potencialmente valerá bilhões de dólares em 3 ou 4 anos, dizem especialistas.

"Cada uma dessas empresas tem seu próprio enfoque", diz o analista Rob Enderle. Segundo ele, a nuvem é crucial na evolução do setor de saúde, pois os dados dos pacientes são armazenados separadamente, o que não facilita o acesso dos profissionais às informações vitais de que precisam.

"É uma pena que essa explosão de desconfiança sobre a Google", diz. "Estão tentando fazer algo bem, e o Projeto Nightingale é essencialmente projetado para melhorar a qualidade dos cuidados médicos".

Google demonstra supremacia quântica

UOL Tilt

Dados