PUBLICIDADE

Realme 7 Pro

Moto G 5G Plus

Topo

Realme 7 Pro x Moto G 5G Plus: em qual intermediário vale a pena investir?

Reprodução
Imagem: Reprodução

Vinícius de Oliveira

Colaboração para Tilt

02/06/2021 04h00

A fabricante chinesa Realme chegou ao Brasil no início de 2021 com o Realme 7 Pro, um celular intermediário com recursos avançados. Seu grande destaque fica por conta do carregador 65 W, um dos mais potentes disponíveis no mercado brasileiro.

Na mesma categoria de smartphone, temos o Moto G 5G Plus, o primeiro da linha G da Motorola compatível com a rede de quinta geração - ainda em implantação no Brasil.

Por terem funções e preços parecidos (o Realme 7 Pro por a partir de R$ 2.099,99 e Moto G 5G Plus por a partir de R$ 2.299,00), Tilt decidiu comparar os dois aparelhos.

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelo link recomendado neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.


Realme
TILT
3,8 /5
Veja o review

Realme 7 Pro

Preço

R$ 3.000 - Preço de lançamento R$ 2.032,19 - Preço em 31/03/2021 Comprar
Divulgação
TILT
3,8 /5
Veja o review

Moto G 5G Plus

Preço

R$ 2.999 (lançamento) R$ 2.699 (11/11/20) Comprar
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

4,0

4,0

4,0

4,0

4,0

4,0

4,0

4,0

3,0

3,0

4,0

4,0

3,0

4,0

4,0

4,0

5,0

4,0

4,0

4,0

3,0

4,0

4,0

3,0

Pontos Positivos

  • Tem entrada para fone de ouvido
  • Vem com capinha transparente
  • Bom conjunto de câmeras
  • Carregamento total do celular em 35 minutos
  • Compatibilidade com o 5G
  • Duas câmeras de selfie
  • Bateria honesta

Pontos Negativos

  • Desbloqueio digital sob a tela não é muito preciso
  • Acabamento em plástico na traseira
  • Apresentou travamentos (atualizações posteriores tornaram celular mais estável)
  • Não tem 5G, só 4G; mas é algo que só terá impacto quando a quinta geração chegar ao Brasil
  • Fotos tiradas em locais com pouca iluminação podem sair sem nitidez e estouradas

Veredito

É um bom aparelho intermediário para quem odeia esperar o telefone carregar e com bom hardware. De negativo, fica a falta de 5G (que deve fazer diferença só no futuro, quando o recurso chegar ao Brasil) e os travamentos apresentados, que foram reduzidos com atualizações de software.

A experiência de usar a tela, ainda que ela seja LCD, e a duração da bateria merecem pontos positivos. O desempenho fica dentro da média e é bom para a maioria das atividades do dia a dia. Por outro lado, as câmeras ainda falham quando o ambiente possui pouca iluminação. Ter a compatibilidade com o 5G é um plus, mas não deve ser o único motivo para a compra do celular.

O Realme 7 Pro não traz grandes alterações no design. Ele tem um furinho na parte da frente para a câmera de selfie e bordas pequenas, suficientes para evitar toques involuntários na tela.

A traseira dele é de plástico, mas o acabamento dá a impressão de ser mais caprichado. Além da porta USB-C, também há entrada convencional de fone de ouvido.

O Moto G 5G Plus também possui uma traseira de plástico. O ponto negativo fica por conta do acabamento espelhado na traseira, que suja mais e fica com marcas de dedo após o uso.

Na parte frontal, o celular possui dois furinhos — um para cada câmera de selfie. A Motorola também manteve a entrada de fone de ouvido convencional.

Veredito: Optamos aqui pelo Realme 7 Pro, que parece ter um melhor acabamento do que o concorrente, enquanto o Moto G 5 Plus dá a impressão de ser frágil.

A tela Super Amoled de 6,4 polegadas (16,25 cm), com alta resolução, do Realme 7 Pro é mais do que suficiente para assistir a vídeos na Netflix ou no YouTube.

O sensor biométrico sob a tela, no entanto, deixa a desejar. A precisão é satisfatória, mas se o dedo estiver um pouco suado, ele falha. Em contrapartida, há um sistema de reconhecimento facial que auxilia nessas horas.

Já o Moto G 5G Plus tem um painel de LCD, inferior ao Super Amoled do aparelho chinês. A tela é levemente maior (6,7 polegadas - 17 cm) e tem taxa de atualização de 90 Hz, acima da maioria dos celulares do mercado — quanto maior o número maior a qualidade e a suavidade com que as imagens aparecem na tela. O concorrente tem taxa de atualização de 60 Hz.

O sensor de digitais fica na lateral do celular, no mesmo lugar do botão que liga e desliga o aparelho.

Veredito: Apesar de ser de LCD, o tamanho da tela e a frequência do Moto G 5G Plus é ponto a ser considerado para quem usa o celular para games. Com 90 Hz, a experiência em jogos tende a ficar mais fluída.

Com uma potência de bateria de 4.500 mAh e 5.000 mAh, Realme 7 Pro e Moto G 5G Plus têm, respectivamente, baterias satisfatórias para um dia inteiro de uso. O 5G, no entanto, possivelmente vai gastar mais rapidamente a bateria do aparelho da Motorola no futuro.

O grande destaque nesse quesito é o carregador de 65 W do Realme 7 Pro. Na prática, o celular é carregado de 0% a 100% em 35 minutos. Já o Moto G 5G Plus entrega um carregador de 20 W que, segundo a Motorola, o carrega completamente em menos 1h30.

Veredito: Com capacidades similares de bateria, o Realme 7 Pro leva vantagem pelo carregador ultrarrápido.

Principais

A Realme investiu em um bom conjunto de lentes para o seu aparelho intermediário. A traseira do 7 Pro vem com quatro câmeras, uma teleobjetiva de 64 MP, ultra-angular de 8 MP, macro de 2 MP e sensor de profundidade de 2 MP.

Em testes de Tilt, as fotos à luz do dia ficaram ótimas, com detalhes bem definidos. À noite ou com pouca iluminação, o resultado é satisfatório, porém, ao dar zoom, os detalhes ficam desfocados ou levemente granulados.

O concorrente da Motorola também tem uma traseira quádrupla (principal de 48 MP, ultra-angular de 8 MP, macro de 5 MP e sensor de profundidade de 2 MP). Ele entregou fotos boas em locais com iluminação equilibrada nos testes feito por Tilt.

O mesmo não aconteceu com fotos em ambientes com pouca iluminação ou à noite. As imagens ficaram borradas e com pouca nitidez. O modo noturno auxilia através de inteligência artificial, mas não deixa tão natural.

Veredito: Foto é um quesito muito importante para a maioria dos donos de smartphones, por isso o Realme 7 Pro nos satisfaz mais neste quesito.

Frontal

Com um sensor de 32 MP, as selfies tiradas pelo Realme 7 Pro saem com uma boa definição mesmo em ambientes com pouca luz.

A vantagem do Moto G 5G Plus está nas duas lentes: a ultra-angular de 8 MP que permite tirar selfies de grupo sem aglomeração, além da principal de 16 MP. No entanto, o desempenho deixa a desejar quando as condições de luz não são tão favoráveis.

Veredito: O aparelho da Motorola tem desempenho negativo em ambientes de pouca luz, por isso o celular da Realme é a nossa escolha.

Em testes feitos por Tilt, o Realme 7 Pro travou durante as primeiras semanas de uso. Aplicativos de redes sociais como Twitter, WhatsApp e Instagram fechavam do nada quando um link externo era clicado.

A Realme liberou atualizações do sistema que corrigiram o problema e diminuíram a instabilidade.

O Moto G 5G Plus não apresentou engasgos ou travamentos durante o uso e a navegação da internet ocorreu sem falhas. Isso pode ser um reflexo da escolha do processador.

Em testes de benchmark do AnTuTu, o processador Snapdragon 765 do Moto G 5G Plus tem desempenho um pouco melhor do que o Snapdragon 720G do Realme 7 Pro: são 283 mil pontos contra 270 mil.

Ambos possuem a mesma quantidade de memória RAM (8 GB) e de armazenamento interno (128 GB)

Veredito: Escolhemos o Moto G 5G Plus por ter apresentado uma experiência de desempenho melhor durante os testes feitos por Tilt.

O Realme 7 Pro tem alto-falantes na parte inferior e na parte superior, o que melhora a experiência de áudio. Além disso, ele possui três espaços para cartões, ou seja, você pode usar dois chips de operadora e ainda expandir a memória em mais 256 GB.

Já o Moto G 5G Plus tem dois compartimentos, sendo um deles híbrido. Isto é, para expandir o armazenamento (até 1 TB), você perde a função de dois chips.

Na caixa, você encontra um fone de ouvido, item que tem se tornado raridade. A grande vantagem do modelo está na conectividade 5G, que o concorrente não tem.

Veredito: Optamos pelo Moto G 5G Plus pela conectividade 5G, que deve estar disponível nas grandes cidades a partir de julho de 2022.

Com uma diferença de R$ 200, o Realme 7 Pro e o Moto G 5G Plus são ótimas opções para quem está procurando um celular intermediário.

Nesse comparativo, o Realme 7 Pro levou a melhor em relação ao Moto G 5G Plus. O smartphone da empresa chinesa se mostrou superior principalmente com relação ao seu conjunto de câmeras e no resultado das fotos, sem falar no carregador de bateria super rápido.

O aparelho da Motorola, por sua vez, tem como grande atrativo a conectividade 5G, mas vale ressaltar que ele pode ficar defasado em relação a outros modelos que serão lançados até 2022, já que essa tecnologia ainda engatinha no Brasil.

*Preços pesquisados em 28 de maio de 2021. Para efeitos de comparação, usamos os valores do celular oferecidos pela lojas parceiras das fabricantes. Não foram considerados outros descontos ou promoções de pré-venda.

Especificações técnicas
  • Android 10 com RealmeUI

  • Sistema Operacional

  • Android 10

  • 160,9 x 74,3x 98,7 milímetros

  • Dimensões

  • 168,3 mm x 74 mm x 9,7 mm; 207g

  • Não

  • Resistência à água

  • Azul e cinza

  • Cor

  • R$ 2.799

  • Preço

  • R$ 2.999

Tela
  • SuperAmoled

  • Tipo

  • LCD

  • 6,4 polegadas (16,3 cm)

  • Tamanho

  • 6,7 polegadas

  • FullHD (1080 x 2040)

  • Resolução

  • Full HD+ (1.080 x 2.520)

Câmera
  • 32 MP

  • Câmera Frontal

  • Dupla de 16 MP e 8 MP

  • 64 MP (principal) +2 MP (macro) + 2 MP (profundidade) + 8 MP (ultra-grande angular)

  • Câmera Traseira

  • Quádrupla de 48 MP, 8 MP, 5 MP e 2 MP

Dados técnicos
  • Qualcomm Snapdragon 720G octa-core 2,3 GHz

  • Processador

  • Snapdragon 765 (2,3 Ghz Octa-Core)

  • 128 GB (expansível com microSD até 256 GB)

  • Armazenamento

  • 128 GB

  • 8 GB

  • Memória

  • 8 GB RAM

  • 4.500 mAh

  • Bateria

  • 5.000 mAh