PUBLICIDADE
Topo

Quebrada Tech

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

"Voltei a sonhar": colegas da quebrada se apaixonam após match por acaso

O casal Gabriele e Pedro celebram juntos o reencontro através do app de relacionamentos - Gabriel Mendonça
O casal Gabriele e Pedro celebram juntos o reencontro através do app de relacionamentos Imagem: Gabriel Mendonça
Quebrada Tech

O Desenrola E Não Me Enrola é um coletivo de produção jornalística que atua a partir das periferias de São Paulo, investigando fatos invisíveis que geram grandes impactos sociais na vida dos moradores e moradoras dos territórios periféricos.

Tamires Rodrigues

09/06/2021 04h00

"O match do reencontro". É com essa expressão que Gabriele e Pedro definem a união dos dois durante a pandemia de coronavírus. Os dois amigos se conhecem desde os tempos de escola, mas se reencontraram e formaram um casal agora, guiados pela curiosidade de saber quem do bairro onde moram mantinha um perfil no app de relacionamentos Tinder.

A jovem resolveu baixar o Tinder de maneira despretensiosa, apenas pela curiosidade de saber quais as pessoas de seu território estavam utilizando a plataforma de relacionamento online na quarentena.

"Eu estava desanimada na quarentena e já tinha parado de mexer no Instagram. Aí resolvi meter o loco e fui baixar o Tinder. Queria descobrir quem eram as pessoas da região que estavam lá", conta a atriz Gabriele Rocha, 21, moradora do Jardim Novo Santo Amaro, zona sul de São Paulo.

Devido a pandemia, Gabriele teve que se afastar das suas atividades profissionais. Ela então decidiu usar o app de relacionamento para inventar uma persona, a Sugar Baby. "Procuro alguém para satisfazer meu prazer, se quer sair comigo vai ter que me bancar", descreve em seu perfil no Tinder.

A personagem criada por Gabriele não passou despercebida pela sensibilidade de Pedro. O colega de escola estranhou o jeito da velha amiga falar com ele como se já o conhecesse há muitos anos. Ao ficar pensativo sobre essa questão, ele imediatamente a chamou no chat para iniciar uma conversa.

"Não foi exatamente a biografia que me chamou atenção, o que me despertou a atenção mesmo foi ela me tratar como já me conhecesse, eu estranhei e pensei: 'quem é essa doida?'", lembra Pedro Damasceno, 19, morador de Parelheiros.

Naquele momento ele não conseguiu reconhecer Gabriele, mas, motivado pela curiosidade do seu perfil nada comum, passou seu número de telefone para prolongar a conversa.

"Peguei o número dele, salvei e não chamei. Aí eu mexendo no celular, vi os status do pessoal, notei o status dele e pensei: 'como assim eu não chamei o Pedro?' Quando eu o chamei, ele falou que ainda tinha meu número salvo da época da escola —porque a gente se conheceu por causa de uma amiga daquele tempo", diz Gabriele. Foi a partir desse momento que ela começou a se lembrar do Pedro.

"A Gabi foi uma das quatro garotas que eu achei diferente na escola, que me despertou, me cativou em alguma coisa, que se destacava, não só porque era inteligente. Tinha alguma coisa ali que na época eu não sabia definir o que era", diz Pedro.

A partir do encontro virtual, as memórias afetivas dos amigos de escola foram sendo ativadas e se tornando cada vez mais fortes. "A gente passou três dias conversando bastante", afirma Pedro

Após essa fase, eles decidiram marcar o primeiro reencontro.

O reencontro

No dia 2 de abril, Gabriele convidou Pedro para ir à sua casa. Assim que ela viu ele chegando, foi para o portão esperá-lo. "De repente começou a fazer um sol, parecia que ele era o brilho, parecia que ele era o sol. Aí eu falei: 'nossa, o Pedro não é mais o Pedrinho, é o Pedrão, cresceu, né?' Eu fiquei olhando aquele brilho do sol sobre ele e já deu um negocinho no coração", diz.

Enquanto Gabriele estava vislumbrando com o semblante do crush que estava a poucos metros do seu portão, Pedro só pensava nas características marcantes da amiga de escola que ainda eram nítidas na sua memória.

"Ela abriu o portão com um sorriso, com um batom vermelho e um sorrisão. Essa é uma das três coisas que mais amo na Gabi: a consciência social, o lado artista dela e o sorriso dela. E a gente falou quase ao mesmo tempo: pensei o dia inteiro em você", lembra.

Depois de alguns dias de trocas de sentimentos intensos, o casal fez uma reflexão de como essa união os fortaleceu para enfrentar um momento tão caótico, como a pandemia.

"Depois do namoro ficou mais colorido, deu para não enxergar um pouco mais o que estava acontecendo ao meu redor, não que esteja fugindo, apenas me abastecendo", afirma Pedro. Para ele, a nova companheira de vida significou coragem para enfrentar as adversidades do cotidiano.

Já para Gabriele, a união trouxe esperança.

"Eu me motivei, voltei para escola, sabe? Um dia desses ele participou da aula e gravou. Estou alegre, tenho vontade de sonhar. Antes não tinha nem vontade de sonhar. Pensava: 'não vou sonhar porque não vai acontecer, para que sonhar?' Eu sempre fui uma pessoa muito otimista, mas ano passado a pandemia me fez não ser a Gabriele. Quando eu me reencontrei com o Pedro, voltei a ser a Gabriele, aquela que olha no espelho e fala: 'nossa, eu sou gostosa'", conclui a atriz.