PUBLICIDADE
Topo

Pergunta pro Jokura

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

O que é mais econômico (ou menos caro): usar forno elétrico ou a gás?

RODNAE Productions/ Pexels
Imagem: RODNAE Productions/ Pexels
Conteúdo exclusivo para assinantes
Tiago Jokura

Tiago Jokura é jornalista e, portanto, curioso profissional. Passou os últimos 15 anos respondendo as dúvidas mais complexas e inusitadas dos leitores na mídia impressa, na tentativa infinita de explicar como o mundo funciona com clareza e bom humor. Agora, continua essa saga aqui no UOL.

01/11/2021 04h00

O que é mais econômico (ou menos caro): usar forno elétrico ou a gás? - Pergunta de Paulo Asada, de Água Fria (BA) - quer enviar uma pergunta também? Clique aqui.

Dúvida quente, caro, muito caro, água-friense. E a cada dia mais salgada com a inflação galopante atual.

Para fazer as contas, chamei para a cozinha o nosso guru, quase sócio deste espaço, Cláudio Furukawa, do Instituto de Física da USP. E comparamos, imaginariamente (que pena!), uma fornada de pão de queijo feita num fogão a gás de quatro bocas com uma preparada num forninho elétrico.

Com a palavra, então, o nosso físico preferido:

"Vamos imaginar um forninho elétrico com capacidade para 10 litros e um forno a gás de 61 litros de volume interno. Considerando um tempo de uso de 30 minutos e temperatura em torno de 200ºC".

A conta seria a seguinte:

Forninho elétrico
Potência elétrica: (P): 1.000 W
Tempo de uso (t): 0,5 h (30 min)
Energia consumida = P x t = 1.000 W x 0,5 h = 0,5 kWh

Forno a gás
Consumo médio (C): 100 gramas de GLP por hora
Tempo de uso (t): 0,5 h (30 min)
Gás consumido = C x t = 100 g x 0,5 h = 50 gramas

Considerando o custo de energia elétrica na bandeira escassez hídrica (R$ 0,742 por kWh) e o custo do botijão de gás de 13 kg (R$ 100), temos:

Forninho elétrico
R$ 0,371 para assar pães de queijo por meia hora a 200ºC
(0,5 kWh x R$ 0,742)

Forno a gás
R$ 0,385 para assar pães de queijo por meia hora a 200ºC
(cada grama de GLP sai por R$ 0,00769)

Neste caso, então, qual seria a opção mais barata? Depende, padawan.

Se você for assar uma quantidade pequena de pão de queijo (de seis a dez, dependendo do tamanho de cada unidade) e tiver opção, usar o forninho elétrico economiza menos de 3,5% em relação ao forno a gás.

Agora, se a quantidade for maior, o forno a gás compensa mesmo gastando um pouquinho a mais, porque tem capacidade para assar até quatro vezes mais unidades aproximadamente no mesmo período de tempo.

Furukawa lembra, também, que o aquecimento de equipamentos elétricos costuma ser mais rápido do que a de aparelhos a gás, o que pode diminuir o tempo de uso e tornar opções elétricas mais baratas mesmo com as tarifas nas alturas. Para exemplificar, ele compara fogões com bocas a gás e fogões de indução (ou cooktops de indução).

"Alguns testes demonstram que fogões a indução eletromagnética chegam a aquecer uma panela com água quase que na metade do tempo gasto por um fogão a gás. Por exemplo, para aquecer uma panela com 1 litro de água, se o fogão a gás demora cerca de 8 minutos, o fogão a indução leva por volta de 4 minutos", diz o físico.

Fazendo cálculos comparativos temos:

Fogão a gás (1 boca)
Consumo: 225 gramas de GLP por hora.
Consumo em 8 minutos: 30 g
Ferver 1 litro de água com GLP = R$ 0,23.

Fogão elétrico a indução
Potência: 1500 watts
Consumo em 4 minutos: 0,1 kWh
Ferver 1 litro de água com eletricidade = R$ 0,07.

Ou seja, para preparar um chá, passar um café ou mandar um miojo, o cooktop é três vezes mais barato do que o fogão a gás.

Para finalizar, o professor compara o uso de chuveiro elétrico —um vilão da conta de luz— com o de um chuveiro aquecido a gás.

"Vamos considerar um chuveiro elétrico potente, de 7.800 watts (7,8 kW). O custo médio de um botijão de gás de 13 kg é R$ 100, como já dissemos. Com este valor, temos disponíveis em energia elétrica 134,8 kWh (a um custo de R$ 0,742 por kWh). Logo, o tempo de banho disponível com esta quantidade de energia equivale a 134,8 kWh / 7,8 kW = 17,28 horas. Isto dá 1036,7 minutos. Considerando um banho de 15 minutos, podemos dizer que é possível tomar 69 banhos com R$ 100 num chuveiro elétrico", diz Furukawa.

"Por outro lado, temos no mercado, também, chuveiros com aquecedores à gás GLP que consomem em torno de 0,69 kg/h. Ou seja, um botijão de 13 kg abasteceria um chuveiro a gás durante 18,84 horas ou 1130,4 minutos. Considerando novamente um banho de 15 minutos, R$ 100 rendem 75 banhos num chuveiro a gás", compara.

Embora banhos com chuveiros a gás sejam mais baratos com a tarifa elétrica tão cara, Furukawa pontua algumas desvantagens, como o uso de pressurizador de água elétrico (100 watts) nos modelos a gás que não entraram no cálculo comparativo.

Além disso, o professor menciona que "o chuveiro a gás costuma usar mais que o dobro da quantidade de água de um chuveiro elétrico (vazão média de 7 litros contra 3 litros, respectivamente, a cada minuto de uso). Cabe mencionar, ainda, o desperdício de água do chuveiro a gás no início do banho. É que o aquecimento a gás demora um pouco assim que o chuveiro é ligado, pois o aquecedor fica longe da saída de água. Nos chuveiros elétricos, a água aquece quase instantaneamente."

Tem alguma pergunta? Deixe nos comentários ou mande para nós pelo WhatsApp.