PUBLICIDADE
Topo

Pergunta pro Jokura

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Nenhuma Terra plana em todo Universo: por que os planetas são redondos?

Ilustração artística divulgada pela Nasa mostra o sistema Kepler-444 com cinco planetas - Tiago Campante/Peter Devine
Ilustração artística divulgada pela Nasa mostra o sistema Kepler-444 com cinco planetas Imagem: Tiago Campante/Peter Devine
Tiago Jokura

Tiago Jokura é jornalista e, portanto, curioso profissional. Passou os últimos 15 anos respondendo as dúvidas mais complexas e inusitadas dos leitores na mídia impressa ? na tentativa infinita de explicar como o mundo funciona com clareza e bom humor. Agora, continua essa saga aqui no UOL. Mande sua pergunta cabeluda que ele faz questão de pentear.

05/04/2021 04h00Atualizada em 08/04/2021 15h57

Por que os planetas são redondos? - Pergunta de Raquel Trina, de União (PI) - quer enviar uma pergunta também? Clique aqui.

Quem vai ajudar a responder sua questão, cara unionense, é um querido frequentador desta coluna, o Cláudio Furukawa, do Instituto de Física da USP (Universidade de São Paulo). Basicamente, ele explica que os planetas, assim como boa parte dos corpos celestes, são redondos por causa da ação da gravidade, que une grandes quantidades de matéria.

Como a força gravitacional de um planeta sempre atua na direção do centro, todos os corpos são atraídos nesta direção. Essa força tem a mesma intensidade em pontos da superfície que estão à mesma distância do centro, então a tendência é que os corpos atraídos pelo planeta se acomodem à mesma distância do centro dele. E o formato geométrico que cumpre este requisito é o esférico.

Mas é importante explicar que embora a gravidade tenha essa propriedade de modelar corpos celestes esféricos, algumas condições não permitem que eles sejam esferas perfeitas.

"A Terra, por exemplo, é ligeiramente achatada nos polos por causa do movimento de rotação, o giro em torno de seu eixo", diz Furukawa.

A força centrífuga da física, por exemplo, lança a água para fora da roupa em uma lavadora. Na Terra acontece algo parecido: como a velocidade tangencial é maior na linha do Equador, a força centrífuga é máxima nesta faixa e nula nos polos. Por isso, a matéria é forçada a se deslocar para a região equatorial, causando o achatamento nos polos. Júpiter, por sua vez, é ainda mais achatado, pois o movimento de rotação dura dez horas, mais rápido do que as cerca de 24 horas da Terra.

Essa esfericidade só ocorre se a ação da gravidade do corpo celeste for suficientemente forte. Corpos de massa pequena, com campo gravitacional reduzido, como asteroides, meteoros, meteoritos etc., não adquirem formato esférico, como planetas. São como pedras gigantes com formato irregular. A não ser que, com o passar do tempo, muitos asteroides se aglutinem e formem um corpo com massa maior, gerando um campo gravitacional suficientemente grande para adquirir um formato esférico.

Tem alguma pergunta? Deixe nos comentários ou mande para nós pelo WhatsApp.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL