PUBLICIDADE
Topo

Pedro e Paulo Markun

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Em show em realidade virtual, subimos no palco e 'caímos' várias vezes

Experiência em realidade virtual do show do Muse nos permitiu estar ao lado dos integrantes da banda no palco - Reprodução
Experiência em realidade virtual do show do Muse nos permitiu estar ao lado dos integrantes da banda no palco Imagem: Reprodução
Pedro Markun e Paulo Markun

Pedro Markun é hacker e ativista pelos dados abertos, pai da Maria e da Tereza e trabalha com transparência e participação política. Criou o Laboratório Hacker, o Ônibus Hacker e o Jogo da Política. É autor dos livros para crianças "Quem Manda Aqui?" e "Eleição dos Bichos", além de desenvolvedor Python, fuçador de Arduino e um entusiasta do futuro. Paulo Markun é jornalista e escritor, tem três filhos e quatro netas. Nasceu em 1952 e é jornalista desde 1971. Já fez de tudo um pouco (jornal, revista, rádio, televisão e internet), criou veículos de comunicação, dirigiu outros tantos. Agora, na casa dos 70 anos, Oculus no rosto, busca as portas de entrada para a terra prometida pela tecnologia que, espera, não será apenas dos nativos digitais.

27/10/2021 04h00

Esta coluna desrespeitou uma regra —não escrita— básica e deixou de ser publicada no domingo passado, mas por um bom motivo: nós resolvemos experimentar um show "ao vivo" da famosa banda inglesa Muse, programado para o último domingo (24) às oito da noite, hora do Brasil.

"Simulation Theory" é o nome da turnê realizada pela banda em 2019 para divulgar o oitavo álbum do grupo, lançado no ano anterior. O espetáculo já tinha se transformado em um filme dirigido por Lance Drake, lançado no formato IMAX em agosto de 2020.

Mas a apresentação do último domingo é outra coisa: uma experiência imersiva em realidade virtual, no Stageverse, uma nova plataforma social que escolheu o Muse para entrar em cena.

A plataforma permite que vários espectadores experimentem o concerto juntos por meio de imagens 3D de 360° capturadas de vários ângulos ao redor do local. Além do Oculus Quest, o Stageverse também suporta dispositivos iOS e Android.

Fundada em 2017, a Stageverse recebeu um aporte de US$ 7,5 milhões em capital de risco para construir um aplicativo que alia entretenimento e interatividade social, voltado basicamente para eventos ao vivo.

Nesse sentido, o "ao vivo" do concerto é um eufemismo —trata-se de um streaming programado e gratuito, em algumas datas e horários— o primeiro em 21 de setembro e o último, domingo passado.

O show aconteceu com lotação esgotada no estádio Wanda Metropolitano de Madri, onde foram capturadas as imagens com câmeras 360 em 16 pontos distintos.

Em "Simulation Theory" o tema é mais uma vez, a ficção científica. A capa do disco foi feita pelo artista Kyle Lambert, que trabalhou na série "Stranger Things", e os videoclipes foram dirigidos por Miike Snow e Twin Shadow, com toques futurista-retrô e de ficção, com uma temática anos 80, prestando homenagens a filmes como "De Volta para o Futuro" e "O Garoto do Futuro", o personagem Max Headroom e o clipe de "Thriller" de Michael Jackson.

Para acompanhar o show —que pode ser visto em grupo— é preciso baixar o aplicativo no computador, criar uma conta e validar seus dados com um código enviado por email, o que obriga o espectador a por e tirar os Oculus algumas vezes (isso ainda é a regra nesse tipo de experiência).

A nossa aventura teve lá seus percalços. Minutos antes de começar o show, Paulo derrubou um dos controles —esquecera de colocar a alça de segurança no pulso e saiu do aplicativo.

Mas afinal, nós entramos no Stageverse Stadium a tempo.

Show do Muse em Realidade Virtual 1 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Ali é possível escolher um modelo de avatar para usar durante a apresentação e obter camisetas da banda, bem como alguns acessórios como uma pistola laser que remete a clubes de techno e uma caneta cintilante capaz de escrever em pleno ar.

Sem combinar, nós escolhemos um vestido quase psicodélico criado pela Balmain de Paris. Só descobrimos que estávamos com o visual idêntico —e feminino— quando nos encontramos no grande lobby do estádio.

Pedro resolveu então trocar de avatar, para o que replica a jaqueta que o líder da banda, Matt Bellamy, usa no palco.

No lobby, cruzamos com outros fãs. Pelos nomes pareciam latinos, indicando que o sistema provavelmente agrupa os participantes por geolocalização: Lock Dog, José Numeritos, Sergio Paparicos.

Finalmente, saltamos para um círculo neon roxo, que é por onde se entra no estádio mesmo.

Show do Muse em Realidade Virtual 2 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Ali, acionando um menu colocado no nosso pulso esquerdo, é possível escolher um ponto de vista para acompanhar o show ou simplesmente optar por "seguir a ação".

Os pontos de vista disponíveis mudam ao longo de cada música na performance com base em onde a ação ocorre.

Pulando de um ponto de vista para outro, nós estivemos ao lado do baterista, juntinhos do vocalista ou encostados no baixista.

Show do Muse em Realidade Virtual 3 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Girando em torno de nossos eixos, acompanhamos a vibração dos fãs, os efeitos especiais, o estádio lotado vibrando com o rock da banda.

Show do Muse em Realidade Virtual 5 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Mas nós não pudemos aproveitar a experiência como os fãs do Muse gostariam.

A Stageverse recomenda uma conexão de internet superior a 30 Mbps para uma experiência ideal, que nós até tínhamos, mas estávamos compartilhando na mesma conexão de fibra ótica, num sítio nos arredores de São Paulo.

Resultado: seja por isso, ou por outro motivo, ambos nos deparamos uma dúzia de vezes com a mensagem: algo deu errado e você precisa entrar novamente no Stageverse.

Show do Muse em Realidade Virtual 6 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Mas, opa, se pai e filho estão compartilhando a mesma conexão, isso quer dizer que ambos estão juntos depois de dois anos separados pela pandemia.

Show do Muse em Realidade Virtual 7 - Arquivo pessoal/ Pedro e Paulo Markun - Arquivo pessoal/ Pedro e Paulo Markun
Imagem: Arquivo pessoal/ Pedro e Paulo Markun

Sendo assim, nós tiramos os Oculus e fomos tentar pedir uma pizza. Pela internet, localizamos meia dúzia de fornecedores num raio de 15 quilômetros.

O WhatsApp garantiu o contato com as pizzarias, mas ninguém se dispôs a entregar uma margherita na zona rural do sítio.

Prova de que o mundo digital ainda precisa avançar bastante - e não só em megaeventos como o do Muse e do Stageverse.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL