PUBLICIDADE
Topo

Letícia Piccolotto

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Análise genética e mais: confira inovações para combater o câncer de mama

Diana Grytsku/ Freepik
Imagem: Diana Grytsku/ Freepik
Conteúdo exclusivo para assinantes
Letícia Piccolotto

Letícia Piccolotto especialista em gestão pública pela Harvard Kennedy School, presidente da Fundação Brava e fundadora do BrazilLAB, primeiro hub de inovação que conecta startups com o poder público. Em 2020, foi a única brasileira na lista das 20 principais lideranças mundiais em GovTech da Creators, laboratório de inovação sediado em Tel Aviv (Israel).

09/10/2021 04h00

O mês de outubro dá início a uma das mais importantes campanhas de conscientização sobre saúde. Criado na década de 90, o chamado Outubro Rosa surgiu como uma bandeira simbólica no combate ao câncer de mama.

Todos os anos, diversos atores —sejam governamentais, empresariais ou institutos de pesquisas— se unem em prol de ações que possam ampliar a conscientização de toda a sociedade em relação a essa doença e aos diagnósticos e tratamentos existentes.

O câncer de mama, que atinge majoritariamente as mulheres, é também o tipo mais incidente neste grupo: em 2020, foram 2,3 milhões de novos casos identificados em todo o mundo, o que representa 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres.

No Brasil, em 2021, estima-se que ocorrerão 66.280 casos novos da doença, o que equivale a uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100.000 mulheres. Estamos falando da principal causa de mortalidade de mulheres em nosso país.

Considerando a gravidade do câncer de mama, é difícil descrever em palavras a importância de uma iniciativa como o Outubro Rosa. Ampliar o acesso à informação nas mais diferentes camadas da sociedade é uma medida fundamental para combater uma doença tão grave e devastadora, especialmente para as mulheres.

E em conjunto ao esforço de tornar a doença, sua prevenção e tratamento conhecidos, outra medida se torna cada vez mais fundamental: desenvolver soluções de base científica e tecnológica que possam colocar fim a esse mal.

Felizmente, os avanços científicos e tecnológicos são um fator a celebrar.

Há inovações no diagnóstico de imagens, como a mamografia tridimensional (3D), exame que permite a coleta de imagens em diferentes cortes das mamas da paciente que, ao final, são reconstruídas em uma imagem 3D por um software de processamento gráfico.

Também surgem novas terapias, especialmente pela personalização do tratamento, com a utilização de hormonioterapia e a imunoterapia. E o melhor: as instituições de pesquisa brasileiras têm sido referência nesse tipo de resposta.

É o que mostra a Fiocruz, que desenvolveu uma metodologia inovadora e inédita no mundo para o diagnóstico molecular no tratamento personalizado do câncer. Através de análises genéticas, a solução permite identificar o perfil molecular do tumor e, com isso, indicar o coquetel de medicamentos mais efetivo e com menores efeitos colaterais.

E também a USP que, em parceria com a Universidade de Harvard, desenvolveu um composto que pode acelerar em até seis vezes a regressão do tipo mais agressivo do câncer de mama.

Isso sem mencionar a aplicação de soluções tecnológicas já muito conhecidas por todos nós, como a inteligência artificial (IA). O MIT, por exemplo, criou um novo modelo de deep learning que, a partir de uma mamografia, pode prever se uma paciente tem chance de desenvolver câncer de mama dentro do período de 5 anos.

Atuação das startups

O cenário de combate ao câncer de mama também tem sido ocupado pelas startups.

É o caso da WeCancer, uma plataforma de atenção que une a equipe médica ao paciente. Com a tecnologia, há um acompanhamento mais próximo de sintomas e, portanto, previne-se complicações no tratamento.

Outras empresas atuam no tratamento da doença, como a PHp Biotech que, a partir de compostos naturais, desenvolveu uma molécula antitumoral, a 3-NAntC. A solução tem sido desenvolvida em escala e, segundo testes laboratoriais, representa um tratamento eficaz e menos agressivo.

A Bioptamers, startup incubada pela USP, aposta na criação de tratamentos personalizados contra o câncer, especialmente pelo desenvolvimento de anticorpos sintéticos responsáveis por identificar e combater células cancerígenas. A precisão do tratamento evita que medicamentos utilizados na quimioterapia, por exemplo, possam atingir células saudáveis.

E o desenvolvimento tecnológico voltado ao combate do câncer de mama será cada vez mais fundamental, especialmente em um cenário pós-pandemia.

Em pesquisa realizada pelo Ipec, 47% das mulheres entrevistadas deixaram de visitar um ginecologista durante os últimos meses, fator que certamente pode comprometer o diagnóstico precoce, algo tão fundamental para combater a progressão para casos mais graves.

—-

Ainda não temos uma cura para o câncer de mama. Mas não há dúvidas: estamos muito mais próximos desse objetivo do que alguns anos atrás.

Precisamos celebrar e incentivar todas essas iniciativas, garantindo investimentos suficientes para o desenvolvimento de tecnologias voltadas à prevenção, diagnóstico e tratamento da doença.

E também precisamos lutar para que esses recursos sejam acessíveis a todas as mulheres que necessitam deles, especialmente para aquelas que dependem da assistência à saúde na rede pública.

E, por fim, nunca é demais repetir: busque atendimento médico.

Mesmo com todas as tecnologias disponíveis e em desenvolvimento, o diagnóstico precoce continua sendo a principal estratégia para reduzir os índices de mortalidade de uma doença que, se identificada o quanto antes, tem altas chances de cura.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL