PUBLICIDADE
Topo

Letícia Piccolotto

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Quais dicas recebi de Netflix e Google que podem ajudar as ONGs do Brasil

Gerd Altmann/ Pixabay
Imagem: Gerd Altmann/ Pixabay
Letícia Piccolotto

Letícia Piccolotto especialista em gestão pública pela Harvard Kennedy School, presidente da Fundação Brava e fundadora do BrazilLAB, primeiro hub de inovação que conecta startups com o poder público. Em 2020, foi a única brasileira na lista das 20 principais lideranças mundiais em GovTech da Creators, laboratório de inovação sediado em Tel Aviv (Israel).

13/03/2021 04h00

O Vale do Silício, nos Estados Unidos, sempre foi conhecido por ser o lar de empresas inovadoras, startups bilionárias e universidades de renome internacional. Mas agora ele também passa a ser uma referência muito importante para a atuação das organizações do terceiro setor no Brasil.

Esse é o objetivo do projeto Missão Impacto Social, uma iniciativa criada pela Fundação Brava, Fundação Lemann, Instituto Humanize e República.org. Juntas, elas organizaram um programa de dois meses que reunirá 30 lideranças do terceiro setor brasileiro para uma missão virtual e diálogos com o ecossistema de inovação do Vale do Silício, composto por startups, aceleradoras, organizações sem fins lucrativos, universidades, fundos de investimento e entidades ligadas ao setor público.

O BrazilLAB, hub de inovação que criei há quase cinco anos, foi uma das selecionadas para o programa e, no último dia 10 de março, tivemos o primeiro encontro da jornada —e muitos aprendizados valiosos.

Setores diferentes, aprendizados compartilhados

A Missão Impacto Social é uma iniciativa pioneira no Brasil, e ela chega em um momento muito importante para as organizações não-governamentais, as ONGs, que compõem o que chamamos de terceiro setor.

Isso porque, se o ano de 2020 foi absolutamente desafiador para os mais diferentes setores, ele afetou especialmente a sociedade civil. Trabalhando com temas absolutamente estratégicos, como educação, saúde, meio ambiente, segurança pública e assistência social, o terceiro setor viu desafios históricos do país retornarem após anos de declínio, como é o caso da pobreza extrema.

Esse cenário de maiores demandas sociais dividiu espaço com os desafios econômicos trazidos pela pandemia. A combinação foi fatal e os efeitos já são evidentes: segundo estudo de impacto da covid-19 nas organizações da sociedade civil brasileiras, realizado pelas consultorias Mobiliza e Reos Partners, 73% das OSCs foram afetadas negativamente pela pandemia, principalmente quanto à captação de recursos, aumentando a probabilidade de interrupção definitiva das atividades.

Diante deste contexto, o terceiro setor se torna ainda mais fundamental e estratégico, mas precisa incorporar novas tecnologias, inovações e modos de fazer. É preciso ampliar o impacto e otimizar os recursos.

A Missão Impacto Social, portanto, busca atender esse objetivo, promovendo o compartilhamento de aprendizados, experiências e conexões. Também será um espaço para que as lideranças do terceiro setor possam "oxigenar" suas ideias, partilhar os desafios vivenciados e as possíveis soluções e oportunidades.

Ao longo dos próximos dois meses, teremos seis encontros temáticos, passando pelos seguintes tópicos: desenvolvimento de equipes e lideranças; pensamento sistêmico; captação de recursos e novas formas de financiamento; desenho organizacional e planejamento estratégico; gestão e avaliação de impacto; e gestão de redes e parceiros.

De ambos os lados, a diversidade de temas de atuação e de organizações é enorme.

No Brasil, participam instituições de meio ambiente e sustentabilidade, como o Instituto Peabiru e a Conservação Internacional; de tecnologia e inovação, como o BrazilLAB, ITS e Wylinka; na área de educação há representantes como Fundação Estudar e Nova Escola; administração pública, com a participação do Vetor Brasil e CLP; segurança pública, com o Sou da Paz; e nas áreas de justiça social, saúde pública e proteção social, contam com a participação de instituições como o Instituto Dara, Gerando Falcões e Impulso Gov.

Já no Vale do Silício, o diálogo será com organizações como Netflix, Google, Facebook e a Singularity University, assim como com representantes do próprio terceiro setor, tendo a participação da Betty Moore Foundation e os Fundo de Investimentos Sociais NeSst e o Silicon Valley Social Venture Fund.

Desenvolvimento de equipes e lideranças

No primeiro dia, o evento contou com a participação de Luciane Carillo, diretora de atendimento ao cliente da Netflix, e com Nelson Mattos, que foi vice-presidente de organizações como Google e IBM, e hoje atua em projetos sociais na Tanzânia e Indonésia.

Ambos falaram sobre os desafios de realizar a gestão de suas equipes e destacaram a importância de medir o desempenho e as entregas dos indivíduos. Mas com diferentes perspectivas: enquanto Netflix adota análises mais subjetivas, baseadas no diálogo e feedbacks constantes, nas experiências relatadas por Nelson Mattos prevaleceu o uso de indicadores precisos, mensuráveis e acompanhados com o uso da tecnologia. Para ambos, no entanto, a horizontalidade e a transparência devem ser a tônica das boas experiências na gestão de times.

Mas talvez o tema de maior destaque tenha sido o de lideranças, algo que já tratei aqui na coluna. Conhecimento, experiência, tino para identificar talentos e habilidade comportamentais seguem sendo imprescindíveis, mas as lideranças que querem se destacar devem ir muito, muito além.

É preciso saber adaptar seus estilos a depender do contexto, ser efetivo fora da zona de conforto e não ter medo de esconder suas fraquezas. E, principalmente: entender que as crises são oportunidades de mudança e para demonstrar a real habilidade para liderar pessoas e alcançar resultados.

O primeiro encontro da Missão Impacto Social foi absolutamente animador e mal posso esperar para o que ainda virá. Se você se interessou, acompanhe as redes do BrazilLAB para saber mais e fique ligada/o: é possível ter outras edições à vista.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL