PUBLICIDADE
Topo

Denise Tremura

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

"A ciência resiste", diz voluntário em estudo de vacina contra HIV

Thauan Felipe participa de estudo sobre vacina contra HIV - Reprodução/ @thauanf_/ Twitter
Thauan Felipe participa de estudo sobre vacina contra HIV Imagem: Reprodução/ @thauanf_/ Twitter
Denise Tremura

Denise Tremura estudou Letras, é escritora, blogueira, leitora, twitteira, youtuber, palpiteira, web influencer engajada nas redes sociais e sempre atenta ao que vira tendência.

04/06/2021 04h00

Um jovem compartilhou com seus seguidores no Twitter um momento muito especial da sua vida: a participação nos estudos para o desenvolvimento de uma vacina contra o HIV. O tuíte inundou a timeline de esperança nesse começo de mês.

Thauan Felipe é natural da Bahia, mas atualmente mora no Rio de Janeiro, onde faz doutorado em contabilidade pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Ele conta à coluna que ficou sabendo do estudo através do Twitter.

Ele preencheu um formulário e algum tempo depois entraram em contato. Passou por uma triagem e finalmente foi chamado para receber a primeira dose da vacina (ou do placebo).

"O que me motivou a participar foi justamente eu ser um cientista, um pesquisador, e saber a importância desse recrutamento da fase 3 da vacina, como é importante ter voluntários para investigação", diz.

"Sendo eficaz ou não, vai abrir muitos caminhos para que novos estudos possam vir a ser feitos", acrescenta.

Thauan já tinha contato com o tema, por ter sido parte de um relacionamento sorodiscordante (quando um é soropositivo e o outro não)

O jovem voluntário recebeu muito apoio no Twitter:

Internautas lembraram que junho é o mês do Orgulho LGBTQIA+:

Thauan Felipe é militante da causa LGBTQIA+ e faz parte de um coletivo que reivindica a diversidade e inclusão na contabilidade, o Coletivo Colid.

"É um espaço que por muitas vezes sofre com esses estigmas e preconceitos, frutos da sociedade como um todo", diz

O jovem afirma já sofreu preconceito, principalmente por demonstrar algumas vezes comportamentos afeminados ou coisas do tipo. "Sendo gay, é de muita importância participar desse tipo de estudo", afirma.

Segundo ele, a gente só quebra preconceito com conhecimento.