PUBLICIDADE
Topo

André Noel

Currículo? Tem outro jeito para que todos saibam que você é bom no que faz

Freepik
Imagem: Freepik
André Noel

Andre Noel é programador, webcartunista, autor do Vida de Programador, professor universitário (UEM e Unicesumar), youtuber e sabe pregar botões em roupas.

14/11/2020 04h00

Convenhamos que não há nada mais chato do que aquela pessoa que "se acha" no trabalho e não para de falar de si, em como ela é boa, em como ela é o ser supremo do universo. Fique tranquilo, não estou aqui para incentivar isso.

Mas pense rapidamente: você é bom no que faz? Você sente que já perdeu boas oportunidades de ser reconhecido pelo bom trabalho que fez? Às vezes sente que as suas boas ideias passam despercebidas?

Em nossa carreira, nós aprendemos muito sobre as tecnologias, nós nos especializamos, estamos matando um dragão por dia, desenvolvemos várias habilidades que estão até fora do nosso escopo, mas muitas vezes parece que essas coisas são apenas apêndices, que não são realmente valorizadas como deviam.

Agora, um segredo: você está certo (na maioria das vezes). Nossas habilidades não são tão valorizadas quanto poderiam.

Existem alguns motivos para isso.

1. Você não se valoriza o suficiente.

Um amigo costumava dizer: "eu tenho uma opinião aqui, que valorizo muito. Até porque se eu não valorizar, quem vai?"

Tudo o que você aprende, tudo o que você desenvolve, tudo o que você aplica tem valor. Você aprende novas habilidades e isso passa a fazer parte de você.

Às vezes, uma habilidade que você desenvolveu em entender tributação ou a parte que você aprendeu sobre acessibilidade, ou ainda uma experiência que você teve ao desenvolver um controle de estoque, isso pode ser exatamente o que a sua empresa (ou outra empresa) precisa, mas pode ser que ninguém saiba que você tem essas experiências.

Você pode pensar que isso foi apenas um detalhe e o que conta é a sua habilidade com a sua linguagem de programação. Mas não! Valorize a sua experiência, valorize o que você passou e aprendeu.

2. Não tem como alguém saber o que você sabe.

"Ah, mas eu coloquei isso no meu currículo... Coloquei também na minha lista de habilidades no Linkedin. Ah, e meus códigos estão no GitHub para todo mundo ver."

Bom, sinto informar, mas poucas pessoas vão ler o seu currículo, poucos passam pela sua lista de habilidades e ninguém, ninguém mesmo, vai ficar lendo seus códigos no GitHub para ver se você programa bem.

Existe uma lenda de que programadores precisam criar portfólios de desenvolvimento no GitHub (ou similares). Pense bem, se você vê o portfólio de um designer, de cara você sabe se ele trabalha bem com a arte ou não. Não é assim com programação. Se você mostrar o seu GitHub para alguém, no máximo vão olhar os nomes de seus sistemas, os "quadradinhos verdes", podem até dar uma passada de olho em seus arquivos, mas você consegue imaginar uma empresa com diversos candidatos a uma vaga analisando os projetos antigos de todos?

Desenvolvedores não precisam de um portfólio de código, precisam do que eu gosto de chamar de "portfólio de conhecimento". Você precisa criar uma área onde mostre para o mundo o que você sabe e isso sim vai depor ao seu favor, isso vai ser indexável e isso vai criar um caminho para as pessoas chegarem até você.

Mas como eu crio um portfólio de conhecimento? A resposta tem apenas quatro letras: blog.

"Você está dizendo que eu preciso escrever um blog?" Sim. "Mas já passou a fase dos blogs, não vale mais a pena ter um." Bom, você está lendo um neste exato momento. :)

Um blog serve como um registro do que está dentro de sua mente, o que está dentro de você. Lá você escreve sobre o que você faz, coisas que aprendeu, tecnologias que usa e muito mais.

Tudo o que você coloca em seu blog fica como um registro e fica indexável, entra no Google. O seu nome passa a se ligar ao seu conhecimento. Com isso, quando alguém procurar sobre "como desenvolver um módulo Java para criar uma comunicação entre a minha geladeira e o microondas", pode encontrar você, pela sua experiência nisso. Você pode estar ajudando uma outra pessoa a resolver o problema dela, você vai se tornando referência nesse assunto e você tem algo para mostrar para empresas, para seus superiores e etc. Em um determinado momento, as próprias empresas é que vão atrás de você.

"Mas é simples assim?"

Quem trabalha com T.I. sabe que nada é realmente simples, mas é um ótimo primeiro passo. Registre o seu conhecimento, torne ele público, crie um caminho para as pessoas (e as empresas) te encontrarem. Permita que a pessoa que vai te entrevistar para uma vaga de emprego não precise ler o seu currículo, porque já leu o seu blog.

E se quiser saber mais, eu lancei um e-book curtinho [baixe aqui], em quadrinhos, que fala a respeito de como fazer as pessoas conhecerem o que você sabe:

e-book A incrível história do Programador que sabia demais, mas não sabia se vender - em quadrinhos - Vida de Programador/Andre Noel - Vida de Programador/Andre Noel
Imagem: Vida de Programador/Andre Noel

Não se esconda. Deixe o mundo te conhecer e sucesso para você!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.