PUBLICIDADE
Topo

Alessandra Montini

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ficou mal sem WhatsApp ou Facebook? Então reavalie quem é você sem as redes

Kev Costello/ Unsplash
Imagem: Kev Costello/ Unsplash
Conteúdo exclusivo para assinantes
Alessandra Montini

Apaixonada por dados e pela arte de lecionar, a professora doutora Alessandra Montini tem muito orgulho de ter criado na FIA cinco laboratórios para as aulas de Big Data e Inteligência Artificial. Mestre em estatística aplicada pelo IME-USP e doutora pela FEA-USP, já ganhou mais de 60 prêmios de excelência acadêmica e possui mais de 20 anos de trajetória nas áreas de Data Mining, Big Data, IA e Analytics. Hoje é diretora do LABDATA-FIA, orienta alunos de mestrado e doutorado na FEA-USP, coordena grupos de pesquisa no CNPq e é parecerista da FAPESP.

10/10/2021 04h00

A gente sempre se pergunta: o que aconteceria se o mundo parasse? Até tivemos uma amostra grátis dessa sensação com a pandemia do novo coronavírus devastando todos os países, o que fez com que o mundo físico desse uma pausa.

Mas e se o universo online também parasse? Tenho certeza que reinaria a bagunça e o caos. Essa constatação não é só minha, mas é o que de fato aconteceu quando, recentemente, o WhatsApp, o Facebook, o Messenger e o Instagram sofreram uma pane interna e ficaram fora do ar por aproximadamente 7 horas.

Juntas, essas redes sociais somam mais de 3 bilhões de usuários ativos que sofreram e se lamentaram por não conseguirem acessar suas contas, seja para colocar uma foto ou enviar uma mensagem durante esse episódio. Tudo isso mostra o tamanho do estrago.

Afinal, a crise causada pelo covid-19 fez com que a gente passasse ainda mais tempo na internet e, inclusive, nas redes sociais. Segundo uma pesquisa da Kantar, marca especializada em pesquisa de mercado, Facebook, WhatsApp e Instagram tiveram um crescimento de uso de 40% durante a pandemia.

Se não podíamos sair para ir a um shopping, por exemplo, estava ali um influencer que daria as principais dicas de moda, traria algumas tendências e ainda poderíamos causar qualquer aglomeração nas conversas pelos chats.

Acontece que o mundo paralelo, de repente, nos viciou e, às vezes, nem sabíamos que estávamos tão dependentes. Mas bastou uma "queda" das redes para que a gente percebesse isso.

Para ter uma ideia, um levantamento feito pela consultoria Arquimedes, a pedido da CNN, mostra que pelo menos 2,5 milhões de brasileiros mencionaram o nome do WhatsApp, no Twitter, durante a pane. Ou seja, esse público, assim como eu, estava em desespero sem esses aplicativos.

Isso é normal?

Na verdade, tal acontecimento escancarou a magnitude da nossa dependência. Essas redes são quase tudo para muita gente. Não sabemos mais viver um minuto ou algumas horas sem esses serviços, já que perdemos a noção de como nos comunicamos.

Aliás, isso vale, inclusive, para as empresas que confiaram toda a troca de mensagem com seu público por meio dessas redes. Muitas empresas perderam vendas, receberam inúmeras reclamações e não atenderam com o devido cuidado os seus clientes. Tudo isso porque apostaram apenas nesses canais de comunicação.

Vale destacar que as tecnologias devem ser nossas aliadas e usadas para nos servir. A partir do momento que nós é quem a servimos, é hora de acender o sinal de alerta. Afinal, tudo que é em excesso pode trazer prejuízos significativos.

Já percebeu que algumas pessoas já não sabem fazer um simples passeio sem postar uma foto no Instagram, um trajeto sem usar o Waze ou anotar seus compromissos sem o auxílio da inteligência artificial do smartphone? Nestes casos, o uso do smartphone não é uma conveniência, mas sim uma questão de sobrevivência.

Essa dependência pode causar vários efeitos colaterais. Além de não conseguir realizar tarefas antes feitas sem o auxílio dos aplicativos, a pessoa pode ficar mais suscetível a apresentar episódios de ansiedade, depressão, insônia e impulsividade.

Ouvi relatos de colegas que não conseguiram fazer mais nada enquanto o Facebook, o Instagram e o WhatsApp ficaram fora do ar. Outros tiveram episódios de fúria.

Se você se sentiu assim, é hora de repensar seu papel com a tecnologia e, principalmente, com essas redes. Existem hoje aplicativos gratuitos que mostram quanto tempo você gasta na internet ou nas redes sociais. Este é um dos primeiros "tratamentos" para esse tipo de vício. Limitar o uso pode ajudar a não se sentir totalmente dependente.

Ficar algum tempo sem o celular ou desativar as notificações também ajudam. Afinal, nessas horas, é possível fazer outra atividade e, caso tenha outro episódio em que tudo fique fora do ar, saberá que existe outras possibilidades.

Não há fórmula mágica, já que estamos experimentando o universo online cada vez com mais intensidade.

O segredo está em equilibrar os prazeres que as ferramentas tecnológicas proporcionam com o mundo real. Aproveite os recursos para tornar o dia a dia mais prático, fácil e divertido, mas use o bom senso.

Do que adianta ter tudo isso e virar escravo de uma convivência social que, vez ou outra, pode falhar e te deixar na mão?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL