PUBLICIDADE
Topo

Akin Abaz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Cursos online trazem alívio na pandemia e me ajudaram a abrir novas portas

Aqui sou eu mexendo em um smartphone - Arquivo pessoal
Aqui sou eu mexendo em um smartphone Imagem: Arquivo pessoal
Conteúdo exclusivo para assinantes
Akin Abaz

Akin Bakari D'Angelo dos Santos é fundador da InfoPreta e homem trans. Um curioso nato e um amante do desconhecido, sempre se interessou por montar, desmontar e entender o funcionamento dos eletrônicos. Fez cursos técnicos na adolescência e, aos 15 anos, já atuava na área da indústria com manutenção eletrônica de maquinário pesado. Em 2011, começou a consertar computadores em seu quarto e dois anos depois fundou a InfoPreta, empresa de serviços de manutenção que tem por objetivo inserir pessoas negras, LGBTQI+ e mulheres no mercado tech, aliando lucros a projetos sociais de grande impacto.

Colunista do UOL*

20/05/2021 04h00

Circulando pela internet, sempre me deparo com ofertas de cursos gratuitos online, o que é ótimo, pois abre espaço para que as pessoas possam se redescobrir e ir atrás do que realmente importa para si e para suas carreiras.

Quem está parado utiliza disso como forma de dispersar a mente, conhecer novas áreas e buscar habilidades e especializações.

De acordo com pesquisas do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), em 2019, aproximadamente 1,7 milhão de brasileiros realizaram matrículas em cursos EAD (educação a distância). Enquanto o Google observou um salto de 130% nas buscas por especializações à distância, principalmente por jovens entre 16 e 24 anos.

Em tempos de pandemia, um momento em que os contatos foram reduzidos, observo que os cursos online vieram como forma de alívio e conexão, tanto com si próprio quanto entre uns e outros.

Diante de um cenário marcado pelo desemprego crescente e de redução salarial, os cursos online também funcionam como porta de entrada para a recolocação no mercado.

Além disso, por terem mais tempo para pensar, vejo que, com a ajuda dos cursos, muita gente começou a ir atrás do que gosta e, consequentemente, mudar de área.

Segundo informações apresentadas por plataformas EAD, no Brasil, o cenário foi marcado pela busca de cursos na área de tecnologia, voltados, em especial, para o desenvolvimento das habilidades técnicas com foco na vida profissional.

E, por falar em tecnologia, logo quando começaram a oferecer cursos online, fiz alguns da Fundação Bradesco, o que me trouxeram ainda mais conhecimento e me abriram novas portas, sem falar das facilidades que a EAD oferece para quem vive na correria.

Dizem que amigo de verdade é aquele que compartilha, por isso, a equipe da InfoPreta separou algumas plataformas que estão oferecendo cursos gratuitos focados no desenvolvimento profissional. Confira a seguir:

  • Escola Virtual da Fundação Bradesco: mais de 100 opções de cursos que passam pelas áreas de tecnologia, educação, administração, desenvolvimento pessoal e profissional, entre outros.
  • Educafro: em parceria com o ICL (Instituto Conhecimento Liberta), a Educafro tem cursos gratuitos em diversas áreas de atuação com foco em pessoas pretas ou periféricas e também oferece bolsas de estudo em universidades.
  • Escola RUA: Em parceria com duas das maiores agências de marketing digital do Brasil (Mirium e i-Cherry), a Escola Rua, focada em promover a diversidade, inclusão e equidade no mercado publicitário, está com inscrições abertas para o curso de Especialização em Marketing Digital, destinada para a população negra e LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade.

Todos os cursos casam com o propósito da InfoPreta em descomplicar e tornar a tecnologia um espaço acessível para todos e todas que desejam ingressar no mercado, para que um dia a presença de pessoas pretas seja mais que o preenchimento de cotas e sim uma realidade em números significativos.

* Colaborou Júlia Macedo, jornalista e planner da InfoPreta.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL